Perda do olfato em pacientes com COVID-19

Pacientes de COVID-19 podem ter perda de olfato durante um largo tempo, após o início da infeção. Esta perda de olfato pode ser consequência da persistência de coronavírus na cavidade nasal. O vírus afeta o sistema olfativo ao nível celular e molecular.

0
Perda do olfato em pacientes com COVID-19
Perda do olfato em pacientes com COVID-19

O coronavírus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, pode persistir nos neurónios sensíveis ao olfato durante vários meses após a infeção em alguns pacientes infetados, e assim, afetar a capacidade de funcionamento das células.

Os resultados de estudo de 11 pacientes e em hamsters podem ajudar a explicar por que muitos pacientes com COVID-19 perdem a capacidade de cheirar ou saborear, um sintoma que pode permanecer depois que outros diminuíram.

Em 2020, os investigadores aprenderam muito sobre como o SARS-CoV-2 afeta as células e órgãos do corpo. No entanto, certos aspetos da doença permanecem um mistério.

Um dos sintomas mais comuns da COVID-19 é a perda do olfato ou paladar, e relatos sugerem que esse sintoma às vezes dura meses após a fase aguda da infeção. No entanto, os cientistas não sabem ao certo como é que o vírus afeta o sistema olfativo ao nível celular e molecular.

Usando uma amostra de escova nasal não invasiva, O investigador Guilherme Dias de Melo e outros investigadores analisaram o neuroepitélio olfatório – um revestimento de células sensível ao cheiro especializado dentro da cavidade nasal – em 7 pacientes com COVID-19 leve que relataram perda do olfato.

Os investigadores descobriram que o SARS-CoV-2 infetou e replicou-se nos neurónios olfativos, células do sistema imunológico e outros tipos de células do neuroepitélio, que levou à inflamação e morte celular. No caso dos hamsters infetados com SARS-CoV-2, estes apresentaram presença viral no epitélio olfatório e no cérebro, bem como perda de paladar e olfato durante as experiências alimentares, que durou até que o vírus se tornou indetetável no neuroepitélio dos animais.

Os investigadores também detetaram RNA SARS-CoV-2 persistente no neuroepitélio de 4 outros pacientes com perda de cheiro de após um longo período de COVID-19, que não foi detetado em testes de amostras de nasofaringe. Os investigadores alertam são necessários estudos com grupos maiores de pacientes, mas sugerem que a perda do olfato pode ser interpretada como um sinal de infeção viral persistente.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!