Pessoas infetadas com COVID-19 mantêm sintomas para além de 6 meses

Mais de metade das pessoas infetadas com COVID-19 mantém sintomas passados 6 a 8 meses do início da infeção. Entre os pacientes com “COVID longo” 25% têm falta de ar e 26% sintomas de depressão.

0
Pessoas infetadas com COVID-19 mantêm sintomas para além de 6 meses
Pessoas infetadas com COVID-19 mantêm sintomas para além de 6 meses

Estudo sobre a população de adultos infetada com COVID-19 em 2020 mostra que mais de um quarto ainda não recuperou totalmente passados seis a oito meses do início da infeção. Os resultados do estudo já foram publicadas na PLOS ONE.

Embora as respostas iniciais de saúde pública ao vírus SARS-CoV-2 tenham-se concentrado na redução da carga aguda da COVID-19, um crescente corpo de evidências indica que a infeção também pode resultar em consequências para a saúde física e mental de longo prazo. Essas consequências de longo prazo são atualmente conhecidas como “síndrome pós-COVID-19” ou “Long Covid”, são uma preocupação crescente para os sistemas de saúde.

No novo estudo, os investigadores envolveram 431 participantes de dentro do sistema de rastreamento de contato em Zurique, Suíça. Todos os participantes tiveram teste positivo para SARS-CoV-2 entre fevereiro e agosto de 2020, e preencheram um questionário online sobre sua saúde numa mediana de 7,2 meses após o diagnóstico. Os sintomas estavam presentes no diagnóstico em 89% dos participantes e 19% foram hospitalizados inicialmente. Em comparação com os indivíduos que não participaram do estudo, os participantes eram mais jovens – com uma idade média de 47 anos.

No geral, 26% dos participantes relataram que não tinham recuperado totalmente em seis a oito meses após o diagnóstico inicial de COVID-19, com 55% a relatar sintomas de fadiga, 25% a indicar algum grau de falta de ar e 26% apresentaram sintomas de depressão. Uma maior percentagem de mulheres e pacientes inicialmente hospitalizados relatou não ter recuperado em relação aos homens e indivíduos não hospitalizados. Um total de 40% dos participantes relataram pelo menos uma visita de médico relacionada com a COVID-19 após a doença aguda. Os investigadores afirmam no estudo que suas descobertas ressaltam a necessidade de um planeamento oportuno de recursos e serviços aos pacientes para atendimento pós-COVID-19.

Os investigadores da Universidade de Zurique, na Suíça, acrescentam: “Este estudo de coorte baseado numa amostra representativa de base populacional de indivíduos infetados com SARS-CoV-2 descobriu que 26% não recuperaram totalmente passados 6 a 8 meses após o diagnóstico e 40% tiveram pelo menos mais um contato médico relacionados com a COVID-19. Estes resultados do estudo sublinham a necessidade de planeamento oportuno de recursos e serviços de saúde adaptados às necessidades dos indivíduos que sofrem de síndrome pós-COVID-19. “

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!