Pessoas que tiveram COVID-19 podem tomar apenas uma dose da vacina

Pessoas recuperadas de COVID-19 podem necessitar apenas de uma dose de vacina COVID-19 baseada em mRNA, para alcançar uma imunidade forte. Investigação mostra que as pessoas que têm uma reação mais forte à vacina adquirem maior imunidade ao vírus.

0
Pessoas que tiveram COVID-19 podem tomar apenas uma dose da vacina
Pessoas que tiveram COVID-19 podem tomar apenas uma dose da vacina. Foto: © Rosa Pinto

As pessoas que recuperaram depois de infetadas com COVID-19 apresentam uma resposta robusta de anticorpos após tomarem a primeira dose da vacina de mRNA, e não adquirem mais benefício imunológico por tomarem uma segunda dose.

Os resultados do estudo de investigação do Penn Institute of Immunology e já publicados na “Science Immunology”, sugerem que apenas uma única dose de vacina pode ser suficiente para produzir uma resposta de anticorpos suficiente.

A equipa de investigadores descobriu que as pessoas que não tiveram COVID-19 não tiveram uma resposta imunológica completa até receberem a segunda dose da vacina. Isto reforça a importância de completar as duas doses recomendadas para atingir níveis fortes de imunidade.

“Estes resultados são encorajadores para a eficácia da vacina a curto e a longo prazo, e isso adiciona a nossa compreensão sobre a resposta imune da vacina de mRNA, por meio da análise das células B de memória”, disse E. John Wherry, presidente do departamento de Farmacologia de Sistemas e Terapêutica Translacional e diretor do Penn Institute of Immunology na Perelman School of Medicine da University of Pennsylvania.

A resposta imunológica humana a vacinas e infeções resulta em dois resultados principais – a produção de anticorpos que fornecem imunidade rápida e a criação de células B de memória, que auxiliam na imunidade de longo prazo. Este estudo representa um dos primeiros a descobrir como as respostas das células B de memória diferem após a vacinação em pessoas que sofreram anteriormente infeção, em comparação com aquelas que não tiveram COVID-19.

O estudo fornece mais informações sobre a imunobiologia subjacente das vacinas de mRNA, oque pode ajudar a moldar futuras estratégias de vacinas.

“Estudos anteriores da vacina de mRNA COVID-19 em indivíduos vacinados focaram mais em anticorpos do que em células B de memória. As células B de memória são um forte indicador de futuras respostas de anticorpos, por isso é vital medir as respostas das células B a essas vacinas ”, disse Wherry. “Este esforço para examinar as células B de memória é importante para compreender a proteção de longo prazo e a capacidade de responder às variantes.”

Os investigadores envolveram 44 indivíduos saudáveis ​​que receberam a vacina BioNTech / Pfizer ou Moderna mRNA COVID-19 no Sistema de Saúde da Universidade da Pensilvânia. Desta coorte, 11 tiveram uma infeção anterior por COVID-19. Foram recolhidas amostras de sangue para análises imunológicas profundas quatro vezes antes e depois das tomas das doses da vacina.

Os dados mostram diferenças importantes nas respostas imunes à vacina em indivíduos sem terem contraído a COVID versus indivíduos recuperados de COVID-19. Os resultados sugerem que apenas uma única dose de vacina em indivíduos recuperados de COVID-19 pode ser suficiente para induzir uma resposta imune máxima, com base em anticorpos fortes e respostas de células B de memória. Provavelmente, isso se deve a uma resposta imune primária devido à infeção natural.

Em contraste, foram necessárias duas doses de vacina para demonstrar respostas consideráveis ​​de anticorpos e células B de memória para aqueles que não foram infetados com COVID-19, apoiando a importância do esquema de vacina de duas doses de mRNA para atingir níveis ideais de imunidade.

Essas descobertas também foram refletidas numa análise de anticorpos contra a mutação D614G e a variante sul-africana B.1.351 de COVID-19. Para aqueles que não tinham COVID-19, foi necessária uma segunda dose para obter um nível de imunidade robusto o suficiente contra a mutação e a variante, enquanto os recuperados de COVID-19 tiveram uma resposta de anticorpos forte o suficiente após uma dose.

“É importante mantermos isso em mente ao considerarmos estratégias de vacinação no futuro e potenciais variantes virais”, disse E. John Wherry. “Precisamos garantir que as pessoas tenham as respostas de células B de memória mais fortes disponíveis. Se os anticorpos circulantes diminuírem com o tempo, nossos dados sugerem que as células B de memória duráveis ​​podem fornecer uma fonte rápida de proteção contra a reexposição ao COVID-19, incluindo variantes.”

Os investigadores também examinaram os efeitos colaterais induzidos pela vacina em relação às respostas imunológicas. Embora observados numa coorte menor de 32 pessoas sem COVID-19, descobriram que os que experimentaram efeitos colaterais sistémicos após receber uma dose da vacina – como febre, calafrios, dor de cabeça e fadiga – tinham anticorpos séricos pós-vacinação mais fortes, mas não células B de memória.

Os investigadores consideram a necessidade de mais dados mas consideram que todos os indivíduos que tenham desenvolvido imunidade robusta, é de uma possível inflamação e dos efeitos colaterais logo após a vacinação que sinalizaram reações imunológicas mais fortes.

“Todos têm boas respostas às vacinas. Eles trabalham para proteger as pessoas contra COVID-19. Mas para aqueles que podem estar preocupados com os efeitos colaterais, eles não são necessariamente uma coisa ruim – eles podem realmente ser um indicador de uma resposta imunológica ainda melhor”, disse E. John Wherry.

Os investigadores estão a realizar estudos em larga escala poderem examinar melhor a questão de um regime de uma ou duas doses em indivíduos recuperados com COVID-19 e para verificarem quanto tempo duram os anticorpos gerados pela vacina. E. John Wherry e sua equipa continuam a estudar o efeito da vacina nas respostas das células T específicas do vírus, outro elemento da resposta imunológica do corpo.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!