Portugal coordena investimentos europeus em ambiente, natureza e ação climática

Investimento de 6,4 milhões, da União Europeia, em quatro projetos do Programa LIFE, é coordenado por Portugal: Proteção de plantas endémicas nos Açores; proteção dos lobos a sul do Douro; ecologia no calçado e aproveitamento de água em Évora.

0
Edifício da Comissão Europeia, Bruxelas
Edifício da Comissão Europeia, Bruxelas. Foto: Rosa Pinto

A Comissão Europeia (CE) aprovou um pacote de investimento para o ambiente, natureza e a ação climática, no valor total de 243 milhões de euros, financiados pelo orçamento da União Europeia (UE) para projetos no quadro do programa LIFE. Portugal é coordenador de quarto projetos, no valor de 6,4 milhões, e parceiro de outras 14 iniciativas.

Projetos do Programa LIFE coordenados por Portugal

No âmbito da natureza e biodiversidade, dois projetos com 3,9 milhões de euros de investimento.

O LIFE VIDALIA é destinado a proteger as plantas endémicas dos Açores do risco de extinção. O projeto pretende adotar medidas para impedir a extinção de duas espécies vegetais endémicas nos Açores: a campainha dos Açores, a Azorina vidalii (um arbusto verde) e a Lotus azoricus, uma leguminosa em flor. O projeto vai introduzir novas formas de controlo de plantas invasoras e roedores, que ameaçam essas espécies costeiras em três ilhas, e melhorar os protocolos de viveiros de plantas para facilitar a reintrodução e aumentar o conhecimento das plantas endémicas. A longo prazo, o objetivo é replicar as melhores práticas desenvolvidas em todas as nove ilhas dos Açores.

O LIFE WolFlux é destinado a superar os obstáculos à proteção dos lobos. O projeto considera a subpopulação de lobos a sul do rio Douro que está fragmentada e isolada do resto da população de lobos ibéricos por barreiras geográficas, ecológicas e sociais. Estes lobos podem morrer sem ação para enfrentar ameaças e permitir que diferentes grupos se misturem e se reproduzam.

O LIFE WolFlux pretende lidar com conflitos que envolvem a pecuária, a caça furtiva e o perigo de incêndios nos locais de encontro e criação de lobos, e aumentar a disponibilidade de presas selvagens (por exemplo, veados). O objetivo é desenvolver uma estratégia para promover o turismo de lobo e atividades relacionadas para apoiar a economia local e ajudar a aumentar a tolerância e as atitudes positivas em relação aos lobos nesta região de Portugal.

No âmbito do ambiente e eficiência na utilização dos recursos, um projeto com 1,1 milhões de euros.

O LIFE GreenShoes4All é destinado a reduzir a pegada ambiental dos artigos de calçado. O projeto considera que a indústria europeia de calçados está a caminhar para uma fabricação mais ecológica. Assim, como parte do projeto LIFE GreenShoes4All, o Centro Tecnológico do Calçado em Portugal vai orientar os esforços internacionais para quantificar e harmonizar as credenciais ambientais no sector do calçado. A Centro deve lançar uma metodologia de Pegada Ambiental do Produto para reduzir os encargos que o setor representa para os recursos naturais, resíduos plásticos e emissões de gases de efeito estufa. Uma melhor transparência proporcionada por estas medidas pode informar melhor os consumidores do impacto ambiental dos calçados que compram, fomentando um mercado para os designers de calçado ecológico.

No âmbito da adaptação às alterações climáticas, um projeto com investimento de 1,4 milhões de euros.

O LIFE AGUA DE PRATA para poupar água numa cidade histórica portuguesa. O projeto considera que a água é um recurso escasso na histórica cidade portuguesa de Évora, Património Mundial da UNESCO, e as mudanças climáticas estão a torná-la ainda mais preciosa.

O LIFE AGUA DE PRATA pretende enfrentar esse desafio reutilizando de forma sustentável a água dos poços e nascentes que anteriormente serviam um aqueduto romano. O aqueduto será adaptado para distribuir água para cerca de metade das áreas verdes da cidade. Isto irá poupar cerca de 120.000 metros cúbicos de água tratada, sendo esperadas economias adicionais através de uma campanha para promover uma utilização mais eficiente da água nos jardins. Os espaços verdes da cidade serão adaptados para incluir recursos naturais que podem melhorar a capacidade de suportar ondas de calor e chuvas extremas.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!