Predadores sexuais aumentam atividade durante pandemia de COVID-19

Durante o confinamento, devido à pandemia COVID-19, os predadores sexuais voltaram-se mais para as crianças. Houve um aumento na partilha online de material de abuso infantil, coerção sexual e extorsão de crianças.

0
Predadores sexuais aumentam atividade durante pandemia de COVID-19
Predadores sexuais aumentam atividade durante pandemia de COVID-19. Foto: DR

Videochamadas com amigos e familiares, interação nas redes sociais, jogos online e uso do online na educação durante o confinamento, devido ao novo coronavírus, levou a que a vida das crianças mudasse rapidamente do mundo real para o virtual.

Os criminosos sexuais encontraram no confinamento uma oportunidade tentadora de aceder a um grupo mais amplo de vítimas, em potencial. Num relatório publicado ontem pela Europol é mostrado um aumento das partilhas online de imagens de exploração sexual infantil. O relatório aponta também como enfrentar esta séria ameaça à segurança das crianças.

Para enfrentar esta ameaça, as autoridades também aumentaram esforços para combater esse crime grave, que vê uma criança ser vitima cada vez que uma imagem é partilhada.

Material de abuso com forte aumento durante a pandemia de COVID-19

Com crianças e os agressores sexuais confinados em casa, as autoridades policiais viram nos últimos meses uma quantidade de material de exploração sexual infantil partilhada online a aumentar globalmente.

Os criminosos sexuais aumentaram as suas atividades criminosas nas redes sociais, e na darkweb. As tentativas de aceder a sites com material sobre abuso sexual infantil, chamadas para linhas de apoio e atividades em conversas na dark net e na superfície da Web que partilham material sobre abuso infantil aumentaram durante o período de confinamento. Em alguns países, verificaram-se mais crimes de abuso sexual, como solicitação online e extorsão, também foram relatados.

Predadores em busca de conteúdo auto-gerado

Os vídeos de webcam aumentaram consideravelmente nos fóruns dos infratores. Isso inclui vídeos que mostram crianças forçadas ou coagidas, vídeos produzidos por crianças para colegas ou para a atenção da rede social ou outros que foram capturados sem o seu conhecimento. As “competições” de vídeo organizadas nos fóruns da Web sobre exploração sexual infantil também podem ter influenciado o aumento das imagens trocadas. O monitoramento desses fóruns mostra que os agressores foram rápidos em perceber a maior vulnerabilidade das crianças por estarem mais online. Nesses fóruns, os infratores trocam, não apenas material de abuso, mas também “boas práticas” sobre como enganar e coagir mais vítimas.

O efeito COVID-19 na segurança das crianças

Embora a troca de material de abuso infantil geralmente não seja motivada por ganhos financeiros, os infratores pagam por algumas formas dele, como o abuso infantil distante. Através da transmissão ao vivo, os infratores que não conseguem viajar devido a, por exemplo, restrições da COVID-19 podem ter crianças abusadas a seu pedido. O conteúdo material de abuso infantil também pode ser disfarçado por trás de anúncios que trazem lucros aos criminosos com uma fórmula de “pagamento por clique”. A desaceleração económica relacionada à pandemia pode estimular um aumento do material de abuso infantil produzido em comunidades vulneráveis ​​para obter ganhos económicos. Com mais infratores online, a troca de material de abuso pode continuar a aumentar novas vítimas, abusadas durante o confinamento, precisam ainda de ser identificadas.

Educar as crianças e prevenir o crime

A Europol está a monitorar a ameaça e a prestar apoio contínuo aos Estados-Membros na identificação de agressores e vítimas. Com a sua campanha “Trace an object”, a Europol envolveu o público no fornecimento de pistas para a identificação de vítimas e infratores.

A campanha #SayNo em toda a Europa consciencializa as crianças sobre os perigos que enfrentam, partilhando material explícito online.

Como foi relatado anteriormente pela Europol, o material explícito gerado automaticamente representa uma ameaça significativa à segurança das crianças. A sociedade, incluindo as autoridades precisam de se concentrar ainda mais na educação das crianças e impedir que elas se tornem vítimas em primeiro lugar.

Há recursos disponíveis para indivíduos com interesse sexual em crianças para os ajudar a desviar o seu comportamento em vez de se tornar numa realidade destrutiva.

Como agir e prevenir? Veja como permanecer seguro durante o Covid-19: o que precisa conhecer

Catherine De Bolle, diretora executiva da Europol, referiu: “A crise da COVID-19 resultou num aumento na distribuição online de material de abuso sexual infantil, que já estava em níveis altos antes da pandemia. O dano resultante de ser vítima desse crime é grave e, sempre que uma foto ou vídeo é partilhado, isso resulta numa vitimização repetida. O impacto dessa área criminal dificilmente pode ser exagerado e uma resposta eficaz é de extrema importância. “

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!