Profissionais de saúde com maiores taxas de COVID-19 durante confinamento

Infeção pelo novo coronavírus foi maior entre os profissionais de saúde em comparação com outros trabalhadores essenciais, durante o confinamento. Estudo do Imperial College London mostra que, na Inglaterra, maior taxa de infeção entre os 18 e 24 anos

0
Profissionais de saúde com maiores taxas de COVID-19 durante confinamento
Profissionais de saúde com maiores taxas de COVID-19 durante confinamento. Foto: DR

Estudo realizado no Reino Unido pelo Imperial College London sobre as taxas de infeção por coronavírus dá uma visão sobre quem foi infetado pelo vírus entre 1 de maio e 1 de junho durante o confinamento, e envolve dados por região, idade, sexo, etnia, situação socioeconómica e sintomas.

O relatório do estudo, divulgado hoje, mostra que as taxas de infeção caíram durante maio, o último mês de confinamento. Em média, houve 13 casos positivos à COVID-19 por cada 10.000 pessoas, com um número de reprodução global de 0,57.

As principais conclusões do estudo, que envolveu 120 mil pessoas voluntárias, incluem:

Adultos jovens, com idades entre 18 e 24 anos, apresentaram maior taxa de positivos à COVID-19 do que outras faixas etárias;

As pessoas de etnia asiática apresentaram ser mais propensos a testar positivo do que as da etnia branca. É possível que as taxas mais altas de infeção tenham contribuído para as maiores taxas de mortalidade observadas nesse grupo étnico;

As pessoas de casa de saúde e os profissionais de saúde apresentaram ser mais propensos a serem infetados com COVID-19 durante o confinamento do que a população em geral;

Qualquer pessoa que teve um contato com um caso conhecido de COVID-19 teve 24 vezes mais probabilidades de ter um resultado positivo do que os que não tiveram contacto conhecido;

Os sintomas fortemente associados aos positivos à COVID-19 foram: náusea e / ou vómito, diarreia, nariz entupido, perda de olfato, perda de paladar, dor de cabeça, calafrios e fadiga severa.

O estudo mostrou também outras questões importantes, nomeadamente:

Não foram observadas diferenças significativas entre homens e mulheres e nenhuma evidência significativa de agrupamento geográfico, embora os níveis medidos fossem mais altos em Londres e mais baixos na região sudoeste;

69% das pessoas com teste positivo não relataram sintomas no dia do teste ou na semana anterior. No entanto, podem ter desenvolvido sintomas mais tarde.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!