Reconstrução biónica da mão exige prévia avaliação psicológica

Investigadores da Universidade de Medicina de Viena criam conceito vienense, que consiste numa avaliação psicológica a pacientes candidatos a reconstrução biónica. A avaliação determina se o candidato é apto a receber uma mão mecatrónica.

0
Reconstrução biónica exige avaliação psicológica
Reconstrução biónica exige avaliação psicológica. Foto: Universidade de Medicina de Viena/Houdek

A reconstrução biónica, em que uma mão sem vida de um paciente é substituída por uma mão mecatrónica, permite restaurar esperança após acidentes. No entanto, nem todas pessoas que sobrem um acidente podem, por fatores de natureza psicológica, ser candidatas a uma mão mecatrónica.

Uma equipa de investigação liderada por Oskar Aszmann, cirurgião do Departamento de Cirurgia da Universidade de Medicina de Viena, publicou, pela primeira vez, o conceito vienense para uma avaliação psicológica estruturada para determinar se um paciente é psicologicamente adequado para a reconstrução biónica da mão. O estudo foi publicado na revista médica ‘PLOS One’.

Alguns acidentes podem causar lesões graves aos nervos que fornecem o braço e a mão. Se a função desses nervos não for restaurada dentro de alguns meses após o acidente, os músculos da mão ‘morrem’, tornando-se a mão num apêndice não funcional sem qualquer sensação.

A reconstrução biónica permite substituir a mão sem vida por uma mão mecatrónica, mas nem todos os pacientes são adequados para este programa de reconstrução, devendo ser garantidas determinadas condições psicológicas prévias para o sucesso da intervenção.

Jovens motociclistas, em particular, sofrem muitas vezes lesões de avulsão radicular. Em que os braços sofrem uma grande força e tensão de tração considerável de afastamento do corpo levando a que as raízes nervosas individuais se separem da medula espinhal. A ligação cérebro – medula espinhal – o caminho do nervo é interrompido, de modo que os pacientes não podem sentir ou mover a mão.

Na maioria dos casos, é possível, através da reconstrução do nervo, restaurar alguma função no ombro e no cotovelo. No entanto, na maioria dos casos, os músculos na mão não sobrevivem a este período sem um fornecimento do nervo. Neste caso Oskar Aszmann apresentou, em 2015, na Universidade de Medicina de Viena, o conceito de reconstrução biónica.

O conceito de Oskar Aszmann consiste num procedimento que envolve o enxerto de novos músculos no antebraço, de modo que estes possam então atuar como amplificador de sinal para os nervos restantes. Quando a mão não funcional é substituída por uma mão mecatrônica, mesmo depois de anos sem qualquer função manual, os pacientes com este tipo de mão protética estão aptos a manipular objetos com uma adequada aderência.

A reconstrução biónica envolve a amputação da mão não funcional, o que constitui uma grave violação da integridade física, e neste caso, é essencial verificar com antecedência se um paciente está ciente das ramificações desta decisão e entende a quantidade de reabilitação necessária para restaurar a função manual, embora mecatrónica.

Para verificar se o paciente possui as características para a intervenção, Laura Hruby e Anna Pittermann, integradas na equipa de Oskar Aszmann, desenvolveram um procedimento de avaliação psicossocial que todos os pacientes devem ser submetidos antes da amputação da mão.

A avaliação consiste em vários questionários e uma entrevista com cerca de duas horas, que no caso do estudo, foi feita pela psicóloga clínica, Anna Pittermann. O processo permitiu verificar até que ponto os potenciais candidatos conseguiram ultrapassar os traumas do acidente que provocou a lesão do nervo, e quais as expectativas que têm de uma prótese e se essas expetativas são realistas.

Laura Hruby indicou: “Encontramos pacientes com fantasias de tipo cyborg, que são conduzidas principalmente por reportagens distorcidas nos media”. Neste caso, “é necessário explicar-lhes que uma mão protética não é uma coisa fantástica.”

A investigadora esclareceu que “a avaliação psicossocial ajuda a identificar precocemente os pacientes que têm expectativas irrealistas, e permitindo excluir as pessoas não adequadas, mas também poder oferecer ajuda para resolver problemas psicológicos ou trabalhar em conjunto para desenvolver estratégias para superar esses problemas.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!