Resistência a antibióticos aumenta número de mortes

Número de mortes por bactérias multirresistentes continua a aumentar. Ernestina Reis, médica internista, alerta para o consumo excessivo de antimicrobianos e por isso para uma maior consciencialização dos doentes e dos médicos.

0
Resistência a antibióticos aumenta número de mortes
Resistência a antibióticos aumenta número de mortes. Foto: Rosa Pinto

Os antimicrobianos são medicamentos que têm como finalidade tratar ou prevenir infeções causadas por microrganismos, eliminando-os ou impedindo que estes se multipliquem.

Uma das grandes questões que a classe médica tem vindo a debater ao longo dos anos é o uso excessivo de antimicrobianos e a falta de consciencialização da população para os seus efeitos na saúde.

Quanto mais elevado for o seu consumo, maior é a probabilidade de os microrganismos desenvolverem mecanismos de resistência ao fármaco que, inicialmente, os combatia. O crescente aumento de bactérias multirresistentes é uma realidade que requer uma ação conjunta dos profissionais de saúde, instituições governamentais e sociedade.

A Organização Mundial de Saúde estima que já ocorram, a nível global, cerca de 700 mil mortes causadas por bactérias multirresistentes, um número que a mesma entidade prevê que aumente para os 10 milhões até 2050. Números são um alerta no Dia Europeu dos Antibióticos que se assinala a 18 de novembro.

O primeiro passo a tomar é a consciencialização: é importante desmistificar, junto da população, que os antibióticos apenas tratam, e por vezes previnem, infeções bacterianas. Jamais deverão ser administrados em casos de infeções causadas por vírus, como gripes ou constipações. A acrescentar a isto, convém destacar que este tipo de medicamentos só deve ser usado quando for prescrito por um médico.

Contudo, a consciencialização deve ser igualmente feita junto dos profissionais de saúde, uma vez que também se verifica um consumo excessivo a nível dos serviços de saúde, associando a elevada prescrição a uma duração prolongada da terapêutica antimicrobiana.

O Programa de Apoio à Prescrição Antimicrobiana (PAPA) visa orientar, uniformizar, verificar e validar a antibioterapia, tendo como meta final preservar a sua eficácia e o melhor tratamento do doente.

Para uma antibioterapia correta, o médico deve refletir, num primeiro momento, sobre qual a origem da infeção, qual o foco mais provável e quais os fatores modificadores ou de risco para as resistências.

O tratamento da infeção grave exige um equilíbrio entre o benefício de uma antibioterapia empírica agressiva, que implica o recurso a antibioterapia de largo espectro, e o desenvolvimento de microrganismos resistentes.

É obrigatória, entre 48 a 72 horas após o início da terapêutica, uma análise da resposta clínica e dos resultados dos estudos microbiológicos, devendo ser revista a estratégia inicial.

Há, inclusive, situações que implicam o ajuste da dose, como os casos de insuficiência renal, insuficiência hepática e obesidade mórbida. A sua evolução deve ser vigiada e a dose reajustada, para prevenir o subtratamento ou toxicidade.

São normas básicas da antibioterapia, como as referidas, que travam o desenvolvimento de microrganismos resistentes.

Os problemas relacionados com a prevenção e controlo da infeção estão intrinsecamente relacionados com o consumo de antimicriobianos e a emergência e propagação de resistências.

É fundamental a implementação de boas práticas de prevenção e controlo da infeção, como a higienização das mãos, o rastreio e isolamento de doentes portadores / infetados por microrganismos multirresistentes.

O PAPA e a prevenção e controlo da infeção têm que manter um trabalho de simbiose para frenar o panorama sombrio da resistência antimicrobiana.

De forma a prevenir os erros na prescrição antimicrobiana, que permanecem ainda como um fator crucial na seleção e aumento das resistências de microrganismos, é indiscutível a necessidade de apostar na constante atualização de conhecimentos e práticas dos profissionais de saúde em Portugal, um trabalho no qual a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna tem investido, juntamente com os seus núcleos.

Autora: Ernestina Reis, Internista e Membro da SPMI

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) é uma associação científica, fundada em 1951. Tem como finalidade promover o desenvolvimento da Medicina Interna ao serviço da saúde da população portuguesa. Promove ainda a investigação e o estudo de problemas científicos, bem como a organização de atividades educacionais, no âmbito da formação contínua, dirigidas aos médicos e à população em geral, no campo da Medicina Interna.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!