Segurança, resistência e novas vacina COVID-19

Especialistas abordam a segurança das vacinas COVID-19, a causas das resistências das pessoas a serem vacinadas, e o desenvolvimento em curso de nanovacinas. Os especialistas consideram um desafio o combate à desinformação sobre vacinas.

0
Segurança, resistência e novas vacina COVID-19
Segurança, resistência e novas vacina COVID-19. Foto: DR

A Agência norte-americana Food and Drug Administration (FDA) já concedeu autorização de uso de emergência, nos EUA, a uma das várias vacinas candidatas contra a COVID-19. Especialistas da Iowa State University fazem alguns comentários sobre a segurança da vacina, a história das vacinas e as implementações e os motivos que levam algumas pessoas a recusarem a toma da vacinada.

Segurança da vacina

David Verhoeven, professor em microbiologia veterinária e medicina preventiva, trabalha com empresas de vacinas animais para ajudar a fabricar vacinas iniciais para teste. O especialista contribuiu em investigações relacionadas com doenças suínas, gripe e coronavírus em humanos. A experiência de David Verhoeven inclui vacinas de mRNA, uma abordagem relativamente nova usada pelas empresas Pfizer / BioNTech e Moderna para produzir vacinas candidatas contra a COVID-19.

“As vacinas de mRNA são uma nova classe de vacinas que parece funcionar muito melhor do que as vacinas de DNA mais tradicionais”, referiu David Verhoeven. “As vacinas de mRNA induzem imunidade humoral e celular, enquanto o DNA gera apenas imunidade celular forte.”

David Verhoeven verificou alguma incerteza quanto aos efeitos de longo prazo das vacinas de mRNA, simplesmente porque são ainda muito novas. No entanto, os primeiros dados clínicos parecem ser promissores.

“Os testes clínicos sugerem que as vacinas são bem toleradas, para além do primeiro dia, período em que se pode sentir um pouco enjoado, enquanto o corpo responde à vacina, mas que depois desaparece”.

Mudança de atitude em relação às vacinas

Existem muitos motivos que levam algumas pessoas a optar por não tomar uma vacina COVID-19. Alison Phillips, professora na área da psicologia, disse que a decisão costuma ser influenciada por crenças e emoções. Por exemplo, algumas pessoas podem acreditar que a vacina representa um risco maior do que a doença. Essas crenças são frequentemente moldadas por experiências pessoais ou grupos e indivíduos com os quais se identificam ou veem como figuras de autoridade, indicou a especialista.

O medo e a incerteza em torno da pandemia provavelmente exacerbarão a resposta emocional à vacina. Mesmo que as pessoas sintam que a vacina é necessária, Alison Phillips disse que podem não ser vacinadas por causa dos seus medos. Incentivar as pessoas a tomar as vacinas exigirá estratégias diferentes.

“A estratégia mais eficaz vai depender do motivo de alguém não ser vacinado. Para os que são fortemente contra a vacina, a única estratégia pode ser a fiscalização. Isso significa que trabalho, escola, saúde, a capacidade de viajar ou mesmo de receber fundos de estímulo dependeria da vacinação ”, disse Alison Phillips.

Outras estratégias podem incluir incentivar ou pagar às pessoas para tomarem a vacina, bem como campanhas educacionais e de persuasão. Alison Phillips disse que crenças anti-vacinas fortemente sustentadas podem ser muito difíceis de mudar em grande escala ou com recurso a estratégias económicas.

História das vacinas nos EUA

Muitas pessoas não confiavam na vacina contra a varíola quando foi introduzida no final da década de 1770, mas grande parte dessa desconfiança derivava da falta de conhecimento e de ciência, referiu Amy Bix, professora de história. Hoje não faltam informações, mas o desafio é combater a desinformação sobre a segurança das vacinas, que é facilmente compartilhada online e nas redes sociais.

Amy Bix, que estuda história da ciência e da medicina, afirmou que as campanhas educacionais e os eventos publicitários voltados para o combate à desinformação são semelhantes ao que vimos ao longo da história. Por exemplo, Elvis Presley recebeu a vacina contra a poliomielite no The Ed Sullivan Show antes de sua apresentação em 1956, o que levou muitas pessoas a serem vacinadas.

No entanto, Amy Bix disse que o lançamento da vacina COVID-19 é diferente de qualquer outra por duas razões.

“A velocidade com que a vacina COVID-19 foi desenvolvida é realmente inédita, assim como a ideia de vacinar adultos e crianças. Com a poliomielite e outras vacinas infantis, existe uma porta natural para que o Governo possa solicitar que as crianças sejam vacinadas antes de entrarem na escola ”, disse Amy Bix. “A vacinação de adultos será um pouco mais complicada, porque não existe nada equivalente à escola”.

Moldando a narrativa

O aumento de casos positivos e de mortes por COVID-19 deve ser um argumento convincente para tomar a vacina, mas Michael Dahlstrom, diretor da Escola Greenlee de Jornalismo e Comunicação da Iowa State University, diz que experiências pessoais e as narrativas sobre a vacina são muito importantes.

A investigação de Michael Dahlstrom examinou a eficácia das narrativas na partilha de informações científicas com o público. Com a vacina COVID-19 a torna-se mais amplamente disponível para o público, as agências de saúde devem ser transparentes sobre o processo de aprovação e a ciência por trás da vacina, disse Michael Dahlstrom. Essas informações precisam ser apoiadas por histórias pessoais de pessoas que receberam a vacina e que beneficiaram com a proteção.

“As histórias são o modelo padrão do pensamento humano”, disse Michael Dahlstrom. “A ciência revela as verdades abstratas sobre o mundo, mas as histórias mostram como essas verdades podem ser aplicadas na escala da experiência humana. As histórias sobre a ciência são poderosas porque constroem intrinsecamente mais conexões com outros aspetos da sua vida.”

Avanços em nanovacinas

Balaji Narasimhan, diretor do Nanovaccine Institute no Estado de Iowa, EUA, está a liderar uma equipa de investigadores no Estado de Iowa e na University of Iowa que trabalham no desenvolvimento de uma nanovacina de ação única que não usa agulha e não requer refrigeração.

Balaji Narasimhan disse que o trabalho tem potencial para responder a uma necessidade pública urgente, bem como superar algumas limitações das vacinas que agora procuram autorização de emergência. O Nanovaccine Institute recebeu recentemente 2 milhões de dólares de financiamento federal do estado de Iowa para apoiar a investigação.

“Embora seja maravilhoso que existam várias vacinas candidatas COVID-19 de primeira geração que estarão disponíveis em breve, existem várias oportunidades para vacinas melhoradas da próxima geração, em termos de capacidade de induzir imunidade protetora de longa duração, prevenir a transmissão e serem armazenadas a temperatura ambiente por longos períodos de tempo ”, disse Balaji Narasimhan. “As nanovacinas podem fornecer esses avanços importantes na próxima fase de nossa luta contra o COVID-19.”

As nanovacinas contra vírus recorrem ao transporte de proteínas virais em nanopartículas. Essas nanopartículas têm cerca de 300 bilionésimos de metro de diâmetro e são feitas de polímeros biodegradáveis. As nanopartículas são incorporadas num spray nasal e administradas numa inspiração. A exposição à nanovacina ativa o sistema imunológico para atacar o vírus.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!