Síndrome inflamatória multissistémica em crianças e adolescentes com COVID-19

Organização Mundial da Saúde indica haver relatos de crianças e adolescentes positivas a COVID e com situação grave de Síndrome inflamatória multissistémica, com caraterísticas da doença de Kawasaki e da síndrome do choque tóxico.

0
Síndrome inflamatória multissistémica em crianças e adolescentes com COVID-19
Síndrome inflamatória multissistémica em crianças e adolescentes com COVID-19. Foto: DR

Até agora, dados oficiais divulgados em todo o mundo, indicam que mais de 4,6 milhões de pessoas já foram infetados pelo novo coronavírus que causa a COVID-19, e que mais de 310 mil pessoas morreram da doença.

O risco de doença grave e morte tem sido maior em pessoas idosas e em pessoas com doenças não transmissíveis, como hipertensão, doença cardíaca, doença pulmonar crónica e cancro, referiu a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A OMS refere que dados limitados descrevem manifestações clínicas de COVID-19 geralmente mais leves em crianças do que em adultos, mas também mostram que algumas crianças exigem hospitalização e cuidados intensivos.

Relativamente foram relatados poucos casos de bebés com COVID-19 e os que foram confirmados experimentaram uma doença leve. Ainda faltam evidências robustas que associem condições subjacentes a doenças graves em crianças. Entre as 345 crianças confirmadas com COVID-19 e com informações completas sobre condições de saúde, 23% apresentavam doença pulmonar crónica (incluindo asma), doença cardiovascular e imunossupressão foram as mais relatadas entre outras.

A OMS indicou que relatórios recentes da Europa e da América do Norte descreveram grupos de crianças e adolescentes que exigiram admissão em unidades de cuidados intensivos com uma condição inflamatória multissistémica, com algumas características semelhantes às da doença de Kawasaki e da síndrome do choque tóxico. Alguns casos descrevem quadros de doença aguda acompanhada de uma síndrome hiperinflamatória, levando a falência e choque de múltiplos órgãos. As hipóteses iniciais são de que essa síndrome pode estar relacionada ao COVID-19 com base em testes laboratoriais iniciais. As crianças foram tratadas com anti-inflamatório, incluindo imunoglobulina parentérica e esteroides.

É essencial caracterizar esta síndrome e os seus fatores de risco, entender a causalidade e descrever as intervenções de tratamento, referiu a OMS, e acrescentou que ainda não está claro o espectro completo da doença e se a distribuição geográfica na Europa e na América do Norte reflete um padrão ou outros casos se têm verificado noutras partes do mundo mas não tenham sido reconhecidas e comunicadas.

Para a OMS é urgente uma recolha de dados padronizados que descrevam clinicamente a gravidade da doença, os resultados e epidemiologia, para isso a OMS desenvolveu uma definição preliminar de caso e um formulário de relatório para o distúrbio inflamatório multissistémico em crianças e adolescentes.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!