Terapia com anticorpos da AstraZeneca previne COVID-19 sintomática

Uma combinação de dois anticorpos de longa ação desenvolvidos pela AstraZeneca mostrou reduzir em 77% dos casos o risco da COVID-19 sintomática. O AZD7442 pode ser uma opção para as pessoas que necessitem de reforço da vacina COVID-19.

0
Terapia com anticorpos da AstraZeneca previne COVID-19 sintomática
Terapia com anticorpos da AstraZeneca previne COVID-19 sintomática. Foto: © Rosa Pinto/arquivo

A empresa biofarmacêutica AstraZeneca divulgou que o seu AZD7442, uma combinação de dois anticorpos de longa ação – tixagevimab e cilgavimab – derivados de células B doadas por pacientes convalescentes após infeção do coronavírus SARS-CoV-2, mostrou em ensaio de fase III que reduz o risco de desenvolver COVID-19 sintomática em 77% dos casos.

No ensaio clinico não se verificou qualquer caso de COVID-19 grave ou mortes relacionadas à COVID-19 em pacientes tratados com o AZD7442, enquanto no grupo dos participantes no ensaio que receberam placebo, houve três casos de COVID-19 grave, que incluiu duas mortes.

O AZD7442 é a primeira combinação de anticorpos (não vacinais) modificados para fornecer proteção potencialmente duradoura que em ensaio clínico demonstrou eficácia na prevenção da COVID-19.

A AstraZeneca indicou que o estudo incluiu 5.197 participantes numa randomização 2:1 de AZD7442 para placebo. A análise primária foi baseada em 5.172 participantes que não tinham infeção por SARS-CoV-2 no início do estudo.

Mais de 75% dos participantes tinham comorbilidades, que incluíam condições que foram relatadas como causadoras de uma resposta imunológica reduzida à vacinação. Aproximadamente 43% dos participantes tinham 60 anos ou mais. Além disso, mais de 75% tinham comorbilidades de base e outras características que estão associadas a um risco aumentado da COVID-19 grave caso se infetem, incluindo pacientes com doença imunossupressora ou a tomar medicamentos imunossupressores, diabetes, obesidade grave ou doença cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crónica, doença renal crónica e doença hepática crónica.

A combinação de dois anticorpos de longa ação foi bem tolerada e as análises preliminares mostram que os eventos adversos foram equilibrados entre os grupos que receberam o placebo e o AZD7442.

Myron J. Levin, da Escola de Medicina da Universidade do Colorado, EUA, e investigador principal do estudo, referiu, citado pela AstraZeneca, que “uma dose de AZD7442, administrada numa forma intramuscular conveniente, pode prevenir a COVID-19 sintomática de forma rápida e eficaz. Com estes resultados empolgantes, o AZD7442 pode ser uma ferramenta importante em nosso arsenal para ajudar as pessoas que podem precisar de mais do que uma vacina para voltar às suas vidas normais. ”

Mene Pangalos, vice-presidente executivo de I&D de produtos biofarmacêuticos da AstraZeneca, referiu: “Precisamos de abordagens adicionais para indivíduos que não estão adequadamente protegidos pelas vacinas COVID-19. Estamos muito encorajados por estes dados de eficácia e segurança em pessoas de alto risco, mostrando que a nossa combinação de anticorpos de ação prolongada tem o potencial de proteger contra doenças graves e sintomáticas, juntamente com as vacinas”.

Investigadores da Universidade de Oxford e da Universidade de Columbia demonstram através de estudos “in vitro” que o AZD7442 neutraliza as recentes e emergentes variantes virais do SARS-CoV-2, incluindo a variante Delta.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!