Terceira dose da vacina COVID aumenta em muito a proteção

Estudo mostra que em pacientes com transplante uma terceira dose da vacina contra a COVID-19 é muito eficaz, aumenta os anticorpos neutralizantes e uma maior resposta das células T.

0
Terceira dose da vacina COVID aumenta em muito a proteção
Terceira dose da vacina COVID aumenta em muito a proteção. (Da esquerda para a direita) Atul Humar e Deepali Kumar, coautores seniores do estudo. Foto: DR

Cientistas do Centro de Transplante Ajmera na University Health Network (UHN), no Canadá, conduziram o primeiro ensaio clínico randomizado controlado por placebo da terceira dose da vacina de reforço COVID-19 em pacientes transplantados e verificaram que proteção foi substancialmente melhorada.

“Sabíamos por estudos anteriores que duas doses não eram suficientes para produzir uma boa resposta imunológica contra a COVID-19 em pacientes transplantados”, disse Deepali Kumar, Diretor de Doenças Infeciosas de Transplantes da UHN e autor sénior do estudo já publicado no New England Journal of Medicine.

“Com base no nosso estudo, uma terceira dose da vacina COVID-19 é definitivamente a melhor maneira de aumentar a proteção em recetores transplantados.”

O estudo envolveu 120 pacientes transplantados entre 25 de maio e 03 de junho. Nenhum dos pacientes tinha COVID-19 e todos tinham recebido duas doses da vacina Moderna. Metade dos participantes recebeu uma terceira dose da vacina após 2 meses de ter recebido a segunda dose, e a outra metade dos pacientes recebeu um placebo.

O resultado primário foi baseado no nível de anticorpos superior a 100U/ml contra a proteína “spike” do vírus. No grupo de placebo – após três doses, em que a terceira dose foi o placebo, a taxa de resposta foi de apenas 18%, enquanto no grupo de três doses da vacina Moderna, a taxa de resposta foi de 55%.

“Esta é uma vitória importante para os nossos pacientes porque os resultados são bastante conclusivos”, disse Atul Humar, Diretor Médico do Centro de Transplante de Ajmera, UHN e autor Associado Sénior do ensaio clínico. “A terceira dose foi segura e bem tolerada e deve levar a uma mudança na prática de administração de terceiras doses a esta população vulnerável.”

Anticorpos neutralizantes e resposta de células T

Além de seu resultado primário, este estudo também analisou a eficácia dos anticorpos neutralizantes – anticorpos que neutralizam o vírus – e, neste caso, 60% dos pacientes no grupo Moderna desenvolveram anticorpos neutralizantes contra 25% no grupo placebo.

O estudo também encontrou uma grande diferença na resposta das células T entre os dois grupos. As células T são outro braço do sistema imunológico que funciona para prevenir doenças graves, e houve uma melhora substancial na capacidade do grupo Moderna de três doses para permitir que os pacientes desenvolvessem uma resposta robusta das células T contra o vírus.

O estudo randomizado duplo-cego controlado por placebo é considerado o padrão em medicina, por mostrar se algo realmente funciona ou não. Este estudo mostrou uma resposta definitivamente positiva em ambos os braços principais do sistema imunológico: o braço do anticorpo e o braço da célula T.

Além disso, a terceira vacina de reforço foi muito bem tolerada com apenas efeitos colaterais leves e não causou rejeições agudas de órgãos – uma descoberta importante, pois havia preocupações de que vacinações repetidas poderiam aumentar a incidência de rejeição de órgãos em recetores de transplantes.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!