Teste de sangue deteta cancro anos antes dos métodos de diagnóstico atuais

Equipa de investigadores desenvolveu teste de sangue que permite detetar cancros do estômago, esófago, colorretal, pulmão e fígado, quatro anos antes dos mesmos serem possíveis de deteção pelos métodos convencionais atualmente usados.

0
Teste de sangue deteta cancro anos antes dos métodos de diagnóstico atuais
Teste de sangue deteta cancro anos antes dos métodos de diagnóstico atuais. Foto: © Rosa Pinto

Uma equipa internacional de investigadores desenvolveu um teste de sangue não invasivo que pode detetar se um indivíduo tem um dos cinco tipos comuns de cancro, quatro anos antes de ser possível ter um diagnóstico pelos métodos atuais. O teste deteta cancro do estômago, esófago, colorretal, pulmão e fígado.

O teste PanSeer, detetou cancro em 91% das amostras de indivíduos que eram assintomáticos quando as amostras foram recolhidas e foram diagnosticadas apenas com cancro um a quatro anos depois. Além disso, o teste detetou com precisão o cancro em 88% das amostras de 113 pacientes que já foram diagnosticados quando as amostras foram recolhidas. O teste também reconheceu amostras sem cancro em 95% do tempo.

O estudo é único, pois os investigadores tiveram acesso a amostras de sangue de pacientes que eram assintomáticos e ainda não haviam sido diagnosticados. Isso permitiu à equipa desenvolver um teste capaz de encontrar marcadores de cancro muito antes dos métodos de diagnósticos convencionais. As amostras foram recolhidas como parte de um estudo longitudinal de 10 anos lançado em 2007 pela Universidade Fudan, na China.

“O objetivo final seria realizar exames de sangue como este rotineiramente durante exames de saúde anuais”, referiu Kun Zhang, um dos investigadores do estudo, presidente do Departamento de Bioengenharia da Universidade da Califórnia em San Diego. “Mas o foco imediato é testar pessoas com maior risco, com base no histórico familiar, idade ou outros fatores de risco conhecidos”.

Diagnóstico precoce é importante

A deteção precoce é importante porque a sobrevivência de pacientes com cancro aumenta significativamente quando a doença é identificada nos estágios iniciais, pois o tumor pode ser removido cirurgicamente ou tratado com medicamentos apropriados. No entanto, apenas um número limitado de testes de triagem precoce existe para alguns tipos de cancro.

No estudo que foi publicado na revista Nature Communications os investigadores enfatizam que é improvável que o teste PanSeer preveja quais pacientes que mais tarde vão desenvolver cancro. Em vez disso, é mais provável identificar pacientes que já apresentam tumores cancerígenos, mas permanecem assintomáticos para os atuais métodos de deteção. A equipa concluiu que são necessários mais estudos longitudinais em larga escala para confirmar o potencial do teste para a deteção precoce de cancro em indivíduos pré-diagnóstico.

Estudo longitudinal de Taizhou

As amostras de sangue do estudo foram recolhidas como parte do Estudo Longitudinal de Taizhou, que recolheu amostras de plasma de mais de 120.000 indivíduos entre 2007 e 2017. Cada indivíduo deu amostras de sangue durante um período de 10 anos e foi submetido a check-in regulares com médicos. Ao todo, mais de 1,6 milhão de espécimes foram recolhidas e arquivados até o momento.

Uma vez que uma pessoa foi diagnosticada com cancro, os investigadores tiveram acesso a amostras de sangue recolhidas de um a quatro anos antes desses pacientes começarem a mostrar sintomas.

A equipa foi capaz de examinar amostras de indivíduos saudáveis ​​e doentes da mesma coorte. Os autores realizaram uma análise em amostras de plasma obtidas de 605 indivíduos assintomáticos, dos quais 191 foram posteriormente diagnosticados com cancro. Eles também analisam amostras de plasma de 223 pacientes com cancro diagnosticados, além de 200 amostras de tumor primário e de tecido normal.

Método de diagnóstico baseado na metilação do ADN

Os investigadores desenvolvem há mais de uma década métodos para detetar cancro com base num processo biológico chamado análise de metilação do ADN. O método pesquisa uma assinatura de ADN específica chamada metilação de CpG, que é a adição de grupos metila a várias sequências CG adjacentes em uma molécula de ADN. Cada tecido do corpo pode ser identificado por sua assinatura exclusiva de haplótipos de metilação.

Kun Zhang co-fundou a Singlera Genomics, que licenciou a tecnologia que desenvolveu na Universidade da Califórnia, San Diego. Nos últimos anos, a Singlera Genomics tem vindo a trabalhar para melhorar e, eventualmente, comercializar os testes de deteção precoce do cancro, incluindo o teste PanSeer, usado no estudo publicado na Nature Communications.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!