Testes de diagnóstico da COVID-19 para parar a pandemia

Cientistas da Harvard Medical School avançam em seis frentes para parar a pandemia pela COVID-19. Os testes de diagnóstico em grande escala estão atrasados. Os cientistas indicam que são necessários vários modelos de testes.

0
Testes de diagnóstico da COVID-19 para parar a pandemia
Testes de diagnóstico da COVID-19 para parar a pandemia. Foto: © Rosa Pinto

Um consórcio que já envolve mais de 100 cientistas em cinco universidades e institutos de investigação, além de hospitais associados da Harvard Medical School estão a trabalhar para dar resposta a várias questões colocadas pela pandemia de COVID-19, e uma das linhas de trabalho são os testes de diagnóstico.

Os cientistas indicam que os testes para o novo coronavírus tiveram um início atribulado principalmente devido a um teste inicial dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, que continha um reagente problemático, que levava a leituras erradas. Desde então, novos ensaios mais precisos foram sendo desenvolvidos e os testes tornaram cada vez mais disponíveis.

No entanto, os testes em larga escala permanecem tristemente atrasados, principalmente em algumas áreas do país, e ainda precisam subir a níveis mais elevados, e para isso, são necessários novos modelos de teste que incluam:

Testes ultrassensíveis que capturam níveis muito baixos de proteínas virais e permitam testes rápidos no ponto de atendimento;

Testes que detetem biomarcadores que anunciam o início de uma resposta imune anormal, associada ao desenvolvimento de complicações críticas;

Teste baseado em anticorpos que identifique os indivíduos que recuperaram de infeções pelo novo coronavírus e desenvolveram imunidade ao patogeno.

Mas os cientistas indicam que algumas destas plataformas de última geração já estão em desenvolvimento.

Testes ultrassensíveis no ponto de atendimento: O bioengenheiro David Walt, que colidera no consórcio a investigação em diagnóstico, juntamente com o geneticista computacional Pardis Sabeti está a explorar três abordagens diferentes.

Os laboratórios de Walt, no Wyss Institute e o Brigham and Women’s Hospital, já desenvolveram um método ultrassensível para detetar proteínas com sensibilidade até mil vezes maior que os métodos convencionais. Agora, David Walt e sua equipa está a adaptar esse método (Single Molecule Arrays, ou SiMoA), para projetar um teste que deteta proteínas SARS-CoV-2 em níveis ultraleves, incluindo fragmentos de proteínas que se separaram do vírus. Esse teste pode detetar um presença viral mínima, não apenas nos esfregaços da garganta, mas também na saliva, o que atualmente não é possível. Além de aumentar enormemente a capacidade de deteção dos atuais testes atuais, esse método também pode permitir que os médicos realizem testes rápidos no local de atendimento enquanto o paciente estiver na clínica ou no consultório médico, produzindo resultados em menos de 30 minutos.

Atualmente o tempo de resposta para obter resultados dos testes varia, mas pode levar de algumas horas a alguns dias.

Biomarcadores de doenças críticas: David Walt e seu colega Galit Alter , professor de medicina do HMS no Mass General, estão trabalhar com amostras de pacientes que desenvolveram síndrome do desconforto respiratório agudo, uma das características da COVID-19 grave. A condição geralmente requer respiração assistida mecanicamente em terapia intensiva.

Uma área crítica de incerteza permanece se essa complicação é alimentada por uma resposta exuberante do sistema imunológico que danifica o tecido pulmonar ou se o dano pulmonar é infligido diretamente pelo próprio vírus. Serão os dois? Esta incerteza levanta outra questão.

Se houver excesso de reatividade imunológica, certas pessoas são mais propensas a desenvolver uma reação imune anormal conhecida como tempestade de citocinas, a libertação generalizada de proteínas de sinalização imunológica que podem causar morte celular, lesão de tecidos e danos a órgãos?

E se algumas pessoas têm maior probabilidade de desenvolver complicações tão críticas, existem indicadores precoces que possam anunciar o iminente vórtice imune?

Se esses biomarcadores químicos puderem ser detetados com antecedência suficiente, isso poderá ser uma pista para os médicos tratarem pacientes preventivamente à beira de tempestades de citocinas?

A equipa de David Walt está a trabalhar numa nova geração de testes para detetar, desde o início, até o mais subtil aumento de níveis de moléculas inflamatórias que prenunciam a tempestade de citocinas. Em teoria, referi o investigador, essa deteção precoce permitirá que os pacientes à beira de tais complicações com risco de vida fossem tratados precocemente e com mais agressividade para evitar piores complicações.

Os testes de anticorpos são inestimáveis, concordam os especialistas. Estes testes podem identificar pessoas que foram infetadas com SARS-CoV-2 – com sintomas ou sem sintomas – e desenvolveram imunidade contra o vírus. Esse conhecimento pode fornecer estimativas mais realistas da propagação do vírus, produzir cálculos mais precisos da taxa de mortalidade e ajudar a informar o desenvolvimento e os tratamentos da vacina. Esse trabalho já está a começar no laboratório do geneticista do HMS Stephen Elledge, o professor Gregor Mendel de Genética e Medicina do HMS e Brigham and Women’s, que está adaptar a sua ferramenta VirScan para estudar a resposta de anticorpos após infeções por coronavírus.

O laboratório de David Walt está a desenvolver testes ultrassensíveis para detetar a soroconversão – o processo durante o qual o sistema imunológico de uma pessoa infetada produz anticorpos neutralizantes contra o vírus. Esse teste pode ser usado para identificar pessoas que tiveram uma resposta imune ao vírus e pode ser seguro voltarem ao trabalho e ter um estilo de vida normal, referiu o investigador.

O teste baseado em anticorpos também permitirá uma compreensão mais precisa de como o sistema imunológico se comporta após a infeção e como a imunidade natural de uma pessoa pode diminuir com o tempo. Duane Wesemann, professor associado de medicina do HMS e imunologista do Brigham and Women’s, lançou recentemente um estudo para explorar essa questão.

A investigação vai comparar respostas imunes em profissionais da saúde e no público em geral para determinar se a presença de sintomas durante a infeção inicial pode estar relacionada à robustez da resposta imune do corpo. O estudo também estimará o número de pessoas que desenvolvem anticorpos sem sintomas e isolará e caracterizará os anticorpos mais protetores num esforço para informar abordagens de engenharia reversa ao desenvolvimento de vacinas.

Para evitar atrasos nos testes, assim como outros desafios, em futuras pandemias, os especialistas dizem que uma melhor resposta centralizada, tanto nacional quanto globalmente, é fundamental.

“As comunidades científicas, reguladora e de saúde pública aprenderam muito e continuam aprendendo muito com essa crise”, referiu o investigador. “Embora as ferramentas funcionem individualmente extremamente bem, francamente, poderíamos fazer muito melhor se tivéssemos um esforço mobilizar colaborativo coordenado, que estivesse posicionado para antecipar e responder a esse tipo de questão”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!