Tratamento do cancro aumenta mortes entre infetados com COVID-19

Alguns tratamentos contra o cancro aumentam risco de morte em pacientes com cancro e que contraem a COVID-19. Investigação da Universidade de Cincinnatti mostra que terapias direcionadas de cancro elevam a taxa de mortalidade.

0
Tratamento do cancro aumenta mortes entre infetados com COVID-19
Tratamento do cancro aumenta mortes entre infetados com COVID-19, Trisha Wise-Draper, University of Cincinnati, Foto: Colleen Kelley/UC Creative + Brand

Alguns tratamentos para o cancro podem aumentar o risco de morte quando o doente contrai a COVID-19, concluí estudo de investigadores da Universidade de Cincinnatti.

Os resultados do estudo multicêntrico foi apresentado no Congresso Virtual da Sociedade Europeia de Oncologia Médica 2020, e lançam luz sobre as maneiras pelas quais os tratamentos contra o cancro padrão podem afetar os resultados de pacientes com cancro e com coronavírus.

“Os pacientes com cancro são suscetíveis à infeção por coronavírus, a COVID-19, e complicações subsequentes”, referiu Trisha Wise-Draper, da Divisão de Hematologia Oncológica da University of Cincinnati College of Medicine (EUA) e autora principal do estudo.

Taxas altas de mortalidade entre pacientes com cancro

Trisha Wise-Draper acrescentou: “Os doentes experimentam taxas mais altas de hospitalização, de até 40%, doenças respiratórias graves e morte. O tratamento do cancro, dentro das quatro semanas (do diagnóstico) da COVID-19, foi associado a taxas mais altas de complicações, mas pouco se conhece sobre o tratamento antes ou depois desse período”.

Os investigadores já tinham descoberto num estudo anterior, mas com um grupo menor de pacientes, que havia vários fatores que aumentavam o risco de morte, incluindo idade, sexo, histórico de tabagismo e outras condições de saúde, incluindo cancro ativo. Mas o tratamento recente do cancro não tinha sido associado a riscos de maior gravidade. “Agora, estamos a investigar a correlação entre o tempo de tratamento contra o cancro e complicações relacionadas à COVID-19, bem como a morte em 30 dias de um grande número de pacientes”, indicou a investigadora.

“Dos 3.600 pacientes analisados ​​de 122 instituições em todo o país (EUA), descobrimos que a mortalidade em 30 dias foi maior entre os pacientes com cancro tratados a um a três meses antes do diagnóstico da COVID-19 e foi maior para os tratados com uma combinação de quimioterapia e imunoterapia”, referiu Trisha Wise-Draper.

Para a oncologista, membro do University of Cincinnati Cancer Center, “a morte foi especialmente alta naqueles que receberam anticorpos monoclonais anti-CD20, que são normalmente usados ​​para esgotar células B anormais comuns para certos linfomas, um a três meses antes da infeção por COVID-19 – um período de tempo para o qual ocorre depleção significativa de células B.”

Ela acrescenta que a probabilidade de morte foi maior para os que estavam em tratamento ativo do cancro, exceto para a terapia endócrina, quando comparados aos pacientes não tratados um ano antes do diagnóstico de COVID-19.

Muito má noticia para pacientes com cancro

“De qualquer maneira, isso não é uma boa notícia para os pacientes que estão a lutar contra o cancro”, disse a oncologista, e acrescentou: “Terapias direcionadas, especialmente aquelas que causam depleção de células imunes, usadas a um a três meses antes (do diagnóstico) da COVID-19, estão associadas a uma mortalidade muito alta, de até 50%. Além disso, morte por qualquer condição ou razão em pacientes com cancro é maior do que a população em geral, incluindo aqueles que estiveram em remissão e não receberam tratamento no último ano.

“Nós relatamos anteriormente que a imunoterapia era segura para uso em pacientes com cancro e que contraíram a COVID-19, mas isso revela mais sobre os tratamentos contra o cancro para pacientes, mostrando que as combinações de imunoterapia e medicamentos de depleção imunológica, e não apenas a imunoterapia, podem piorar resultados. São necessários mais estudos sobre este tópico à medida que continuamos a investigar o efeito da pandemia neste grupo de pacientes”, concluiu a investigadora.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!