Tratamento do cancro deve envolver exercício físico regular

Estudos desenvolvidos em França e divulgados no congresso de 2018, da Sociedade Europeia de Oncologia Médica, revelam que os pacientes com cancro que realizam exercício físico apresentam menor fadiga e menor nível de dor.

0
Tratamento do cancro deve envolver exercício físico regular
Tratamento do cancro deve envolver exercício físico regular. Foto: © Sociedade Europeia de Oncologia Médica

O exercício físico ou o desporto deve fazer parte integrante do tratamento do cancro pois pode melhorar significativamente a gestão de sintomas, qualidade de vida e condicionamento físico, durante e após o tratamento, concluíram investigadores franceses.

Os investigadores que apresentaram as conclusões do estudo, no congresso da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO, sigla do inglês) 2018, a decorrer em Munique, de 19 a 23 de outubro, indicaram que mesmo entre os pacientes com maior risco de baixa qualidade de vida, o exercício pode fazer a diferença.

Mais de 3.500 pacientes com cancro já participam anualmente em programas de exercícios, em mais de 80 centros de cancro, em França, a um custo de aproximadamente 400 euros por paciente, e o número continua a aumentar, revelou Thierry Bouillet, oncologista da Ile de France, Hospital Americano de Paris, Neuilly Sur Seine, França, e autor de um dos novos estudos, referindo ainda que as aulas são ministradas por instrutores com conhecimento especializado em tratamento do cancro, e que estes adaptam os programas de exercícios às necessidades de cada paciente.

“Descobrimos que os pacientes obtêm um grande benefício se fizerem exercícios duas ou três vezes por semana, durante pelo menos uma hora, e durante os seis meses de quimioterapia ou radioterapia, e depois por mais seis meses para que a atividade física se torne parte da sua vida”, indicou o oncologista, citado em comunicado da ESMO.

Thierry Bouillet esclareceu que “os pacientes acham mais fácil fazer os exercícios em aulas presenciais, dado que se sentem mais seguros, do que se lhes dermos as informações sobre exercícios e deixarmos que os façam eles mesmos, ou quando vão para aulas fora do hospital, onde os instrutores não conhecem as necessidades especiais dos pacientes com cancro.”

Um dos estudos franceses apresentados na ESMO mostrou que exercícios, duas vezes por semana, de 60 minutos, e aulas de exercícios aeróbicos, reduziram significativamente os níveis de dor e fadiga, em 3 e 6 meses em 114 pacientes submetidos a tratamento oncológico, 83% com cancro da mama e 21% com doença metastática. Neste caso os níveis de fadiga caíram de 3,3, no início do estudo, para 2,8 em 3 meses e os níveis de dor diminuíram de 2,8 para 2,3.

Em 71 pacientes, com dados no início e ao fim de 6 meses, os níveis de fadiga caíram de 3,1, no início do estudo, para 2,1, em 6 meses e os níveis de dor de 3 para 1,9.

Houve também reduções significativas na gordura corporal, enquanto a massa corporal magra permaneceu estável. No grupo em geral, a massa gorda caiu de 33,9%, no início, para 33,2% ao fim de 3 meses, enquanto a massa corporal magra permaneceu estável, mantendo-se entre os 43,6 e os 43,8 kg.

Nos 71 pacientes com dados de 6 meses, a massa gorda caiu de 34,3%, no início, para 32,4% ao fim dos 6 meses, enquanto a massa magra foi de 42,8 kg em ambos os momentos. Mas foram observadas melhorias significativas na aptidão geral em termos de resistência do quadríceps, força de ambos os braços e equilíbrio da perna não dominante.

“Os pacientes muitas vezes estão fatigados e começaram a perder músculos antes de serem diagnosticados com cancro, por isso é essencial começar o exercício assim que possível após a primeira consulta. Exercícios que devem ser encarados como” tratamento de emergência para os sintomas iniciais e depois para ajudar contra os efeitos colaterais do tratamento “, explicou Thierry Bouillet.

Noutro estudo apresentado na ESMO 2018, os investigadores relataram o valor do exercício para pacientes com cancro, e demonstraram que é possível identificar pacientes com maior risco de má qualidade de vida durante o tratamento, para que possam receber uma ajuda extra.

No estudo com 2525 pacientes com cancro da mama estágio I-III submetidos à quimioterapia adjuvante, os que realizaram 75 minutos de exercício físico vigoroso ou 150 minutos de exercício moderado, por semana, apresentaram uma qualidade de vida significativamente melhor, aos seis e 12 meses, após o tratamento, do que os que ficaram inativos. Os doentes também apresentaram um bem-estar físico significativamente melhor e menor fadiga, dor e falta de ar. Exercícios vigorosos incluíram atividades como dança aeróbica, jardinagem com esfoço ou natação rápida, enquanto o exercício moderado incluía caminhada rápida, hidroginástica ou vólei.

“Cerca de 60% dos pacientes eram fisicamente ativos antes e depois da quimioterapia e, apesar de sua qualidade de vida ser adversamente afetada pela quimioterapia, eles melhoraram, em uma variedade de escalas físicas, emocionais e de sintomas, do que aqueles que estavam inativos”, explicou Antonio Di Meglio, autor do estudo e Oncologista, no Instituto Gustave Roussy, Villejuif, França, citado pela ESMO.

O estudo mostrou que os pacientes submetidos a uma mastectomia ou com doenças adicionais, fumavam ou que tinham baixo rendimento estavam particularmente em risco de ter uma má qualidade de vida após quimioterapia para o cancro da mama, mas estes também beneficiaram com os exercícios.

“Usando uma nova abordagem, mostramos que é possível identificar pacientes com cancro da mama em que a qualidade de vida será mais afetada pela quimioterapia, para que possamos direcionar esses pacientes para intervenções dedicadas, incluindo aquelas destinadas a aumentar a atividade física para níveis recomendados pela OMS”, acrescentou Di Meglio.

Gabe Sonke, médico oncologista do Instituto do Cancro da Holanda, em Amsterdão, Holanda, sublinhou “a importância dos estudos franceses em demonstrar o valor da fisioterapia na prática clínica quotidiana, que já tinha sido observada em ensaios clínicos e que é apoiada pela ESMO atual com recomendações para o exercício como parte do tratamento padrão para todos os sobreviventes de cancro.

O oncologista destacou que este e outros estudos estão empenhados em confirmar os primeiros sinais de que os programas de atividade física podem melhorar a adesão à quimioterapia e radioterapia e, assim, melhorar os resultados do tratamento para que as companhias de seguros sejam mais incentivadas a suportar os custos com os exercícios físicos.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!