Tratamento por radiação do cancro do pulmão precoce reduz mortes

Cirurgia para tratar cancro de pulmão leva a maior taxa de mortalidade, até 30 dias após a intervenção, em comparação com o tratamento por radiação focal. Estudo concluiu que o tratamento por radiação reduz o número de mortes.

0
William Stokes, Centro do Cancro da Universidade do Colorado
William Stokes, Centro do Cancro da Universidade do Colorado. Foto: Universidade do Colorado

Um estudo do Centro do Cancro da Universidade do Colorado, publicado a 19 de janeiro no Journal of Clinical Oncology, analisa a mortalidade, num período de tempo, devido ao uso de cirurgia ou radiação direcionada para tratar cancro do pulmão, numa fase inicial.

O estudo analisou casos da National Cancer Database (NCDB) e incluiu 76.623 pacientes tratados com cirurgia e 8.216 tratados com radiação focal. A análise mostrou baixas taxas de mortalidade pós-tratamento, em geral, menos de 2,1% dos pacientes que receberam cirurgia faleceu até 30 dias após o tratamento, em comparação com 0,7% dos pacientes tratados com radiação focal.

No entanto, a diferença na mortalidade pós-tratamento entre os dois tratamentos aumentou com a idade. Entre os pacientes com mais de 80 anos, 3,9% dos que foram submetidos a cirurgia faleceu até 30 dias a pós-tratamento, em comparação com 0,9% no caso dos pacientes que receberam radiação focal.

William Stokes, do Departamento de Radiação Oncológica da CU School of Medicine, e primeiro autor do estudo, referiu: “Ao examinar os pacientes em conjunto em todas as faixas etárias, verificou-se que houve um pouco menos de mortalidade pós-tratamento com a radiação do que com a cirurgia. Mas em grupos de idade mais avançada, as diferenças tornaram-se maiores e potencialmente mais significativas para os pacientes que são candidatos para ambas as terapias.”

As diretrizes (EUA) recomendam a cirurgia como primeira opção no tratamento de cancro do pulmão em estágio inicial. Uma opção de tratamento emergente é o uso de radiação direcionada, às vezes referida como terapia de radiação do corpo estereotáxico (SBRT) para atingir tumores sem cirurgia.

Os investigadores consideram que “a análise atual sugere que em pacientes com cancro do pulmão num estágio inicial para os quais a recuperação da cirurgia prevê ser especialmente desafiadora (talvez devido a idade mais avançada ou a doenças subjacentes), a SBRT pode ser uma boa opção para reduzir o risco de complicações pós-tratamento.”

Estudos atualmente em curso, indicam os investigadores, “esperam avaliar a eficácia a longo prazo os dois tratamentos – pode ser que, apesar de ter mais risco a curto prazo, a cirurgia continue a ser a opção de longo prazo mais efetiva.”

Chad G. Rusthoven, Centro do Cancro da Universidade do Colorado
Chad G. Rusthoven, Centro do Cancro da Universidade do Colorado. Foto: Universidade do Colorado

“Para os pacientes com cancro do pulmão em estágio inicial, que são saudáveis ​​e bons candidatos cirúrgicos, a ressecção lobar continua a ser o padrão. No entanto, os resultados deste estudo podem ser importantes quando se discutem as opções de tratamento para pacientes mais velhos que se pensa ter um alto risco de complicações cirúrgicas”, referiu Chad G. Rusthoven, da Universidade do Colorado, o autor sénior do estudo.

O estudo indica que os pacientes de 71 a 75 anos, submetidos a cirurgia apresentaram um risco adicional de 1,87% de mortalidade em relação ao SBRT nos 30 dias após o tratamento. Os pacientes de 76 a 80 anos, tiveram um risco adicional de 2,8% associado à cirurgia e para pacientes com mais de 80 anos de idade, a cirurgia apresentou uma vantagem maior de 3,03% do que o SBRT na mortalidade nos 30 dias após o tratamento. Uma tendência semelhante foi observada nas medidas realizadas aos 90 dias após o tratamento.

As conclusões deste estudo são importantes para o debate sobre o tratamento do cancro, dado que normalmente é considerada a sobrevivência do paciente ao fim de 5 anos após o diagnóstico, mesmo que o tratamento que leve a maior previsão de sobrevivência a longo prazo tenha maior risco de mortalidade a curto prazo.

No entanto, “as prioridades podem variar amplamente de paciente para paciente – alguns pacientes podem estar mais preocupados com o risco de mortalidade a curto prazo do que o que ocorre após cinco anos”, referiu William Stokes.

Os investigadores consideram que o estudo pode ajudar a orientar a tomada de decisão partilhada entre pacientes e médicos, permitindo que os pacientes que correm maior risco de mortalidade precoce e / ou pacientes com prioridades específicas de vida possam fazer escolhas mais informadas entre a cirurgia e SBRT para tratar cancro do pulmão numa fase inicial.

Chad G. Rusthoven referiu que “a análise dos resultados dos pacientes de centros em todo o país mostrou baixas taxas de mortalidade pós-tratamento com cirurgia e radiação, o que é muito encorajador”, e concluiu que “as maiores taxas de mortalidade pós-tratamento foram observadas em pacientes mais velhos, uma informação pode ser útil para a discussão das opções de tratamento com nossos pacientes.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!