Vacina COVID-19 da Moderna mantém anticorpos durante seis meses

Estudo mostra que a vacina contra a COVID-19 da Moderna mantém anticorpos funcionais contra variantes do coronavírus SARS-CoV-2, durante 6 meses, nomeadamente as variantes Alfa, Beta, Gama, Delta.

0
Vacina COVID-19 da Moderna mantém anticorpos durante seis meses
Vacina COVID-19 da Moderna mantém anticorpos durante seis meses. Foto: DR

A Moderna, empresa de biotecnologia especializada em terapias e vacinas de RNA mensageiro (mRNA), anunciou a publicação de novos dados sobre a duração da sua vacina contra COVID- 19 na geração de anticorpos neutralizantes contra variantes preocupantes conhecidas.

O estudo publicado na “Science” indica que a maioria dos indivíduos vacinados com a vacina contra a COVID-19 da Moderna manteve os anticorpos de ligação e funcionais contra as variantes do coronavírus SARS-CoV-2, após seis meses da segunda dose.

“Estamos satisfeitos com esses novos dados que mostram que as pessoas vacinadas com duas doses da vacina COVID-19 da Moderna mantiveram os anticorpos durante seis meses, inclusive contra variantes preocupantes, como a variante Delta. Junto com nossos parceiros, estamos comprometidos em gerar dados sobre a vacina Moderna COVID-19 e a partilhá-los à medida que vão estando disponíveis ”, referiu Stéphane Bancel, CEO da Moderna.

“Esses dados apoiam a eficácia durável de 93% observada com a vacina COVID-19 da Moderna durante seis meses. Esperamos que esses dados e o crescente corpo de evidências do mundo real ajudem a informar as abordagens dos reguladores de saúde sobre como e quando administrar doses de reforço adicionais.”

Este estudo utilizou uma variedade de ensaios e mostrou que após duas doses da vacina contra a COVID-19 da Moderna, os anticorpos de ligação e os neutralizantes foram gerados contra a estirpe ancestral do vírus e contra as variantes de interesse, Alfa, Beta, Gama, Delta, Epsilon e Iota. Embora alguma diminuição nos níveis de anticorpos tenha sido observada ao longo do tempo, a maioria dos participantes tinha títulos detetáveis ​​de anticorpos neutralizantes seis meses após a conclusão da série primária.

Uma tendência para níveis mais baixos de anticorpos contra as variantes de “spike” do SARS-CoV-2 foi observada nos indivíduos mais velhos ao 209º dia, ou seja, até seis meses. As diferenças eram pequenas, entretanto, e havia sobreposição entre os grupos de idade. É importante ressaltar que muitos indivíduos no grupo mais velho mantiveram a atividade neutralizante contra as variantes seis meses após a segunda dose da vacina.

A Moderna indica em comunicado que os dados complementam outras observações recentes com base em evidências do mundo real, demonstrando uma longevidade robusta de eficácia clínica da vacina COVID-19 da Moderna. Uma eficácia em face dos níveis crescentes da variante Delta e nas populações mais difíceis de tratar, como aquelas pessoas em instituições de longa permanência, ou aqueles pacientes que vivem com cancro.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!