Vacina da AstraZeneca tem de ser testada para variante da África do Sul

A Organização Mundial da Saúde indica que é preciso determinar a eficácia da vacina da AstraZeneca para a variante da África do Sul, e que devem ser feitos estudos sobre a eficácia da combinação de vacinas para aumentar a resposta imunológica.

0
Vacina da AstraZeneca tem de ser testada para variante da África do Sul
Vacina da AstraZeneca tem de ser testada para variante da África do Sul

O surgimento de variantes do coronavírus SARS-CoV-2, que causa o COVID-19, serve como um poderoso alerta de que os vírus sofrem mutação pela sua própria natureza e que a resposta científica pode precisar de se adaptar para permanecer eficazes, refere a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Dados preliminares indicam que a vacina AstraZeneca / Oxford apresenta uma eficácia mínima na prevenção da doença COVID-19 leve a moderada causada pela variante viral B.1.351, conhecida como variante da África do Sul.

Na análise primária dos dados do ensaio de fase 3 a vacina AstraZeneca / Oxford mostrou oferecer proteção contra COVID-19 grave, hospitalização e morte. Assim, a OMS considera de vital importância determinar a eficácia da vacina quando se trata de prevenir doenças mais graves causadas pela variante da África do Sul. Estudos adicionais também permitirão confirmar o esquema ideal de vacinação e o seu impacto na eficácia da vacina.

A OMS considera também que são necessárias mais investigações clínicas para otimizar e estender o uso das vacinas existentes. Os estudos devem incluir o misturar e combinar diferentes vacinas que possam melhorar a qualidade e a força da resposta imunológica. Estudos que podem ser úteis na otimização do uso das vacinas disponíveis, incluindo a vacina da AstraZeneca / Oxford.

Deve ser feito todo o possível para reduzir a circulação do vírus, prevenir infeções e reduzir as oportunidades para o SARS-CoV-2 evoluir resultando em mutações que podem reduzir a eficácia das vacinas existentes. Assim, a OMS, refere:

Os fabricantes de vacinas devem estar preparados para se ajustar à evolução do SARS-CoV-2, incluindo potencialmente o fornecimento de futuras doses de reforço e vacinas adaptadas, se for considerado cientificamente necessário.

Os ensaios devem ser planeados e mantidos para permitir que quaisquer alterações na eficácia sejam avaliadas e ter escala e diversidade suficientes para permitir uma interpretação clara dos resultados.

A vigilância genómica melhorada deve ser apoiada por uma rápida compartilha de dados genéticos e meta-dados para permitir a coordenação e resposta global.

Deve ser dada prioridade à vacinação de grupos de alto risco em todos os lugares, a fim de garantir a máxima proteção global contra novas estirpes e minimizar o risco de transmissão.

Governos e doadores, bem como bancos de desenvolvimento, devem apoiar ainda mais a COVAX a fim de garantir acesso e distribuição equitativos, bem como atender aos custos contínuos de investigação e desenvolvimento de vacinas de próxima geração.

A OMS está a melhorar um mecanismo existente para rastrear e avaliar variantes que possam afetar a composição da vacina e expandir esse mecanismo para fornecer orientação aos fabricantes e países sobre as mudanças que podem ser necessárias para as vacinas.

A COVAX foi criada para garantir o acesso equitativo global a vacinas COVID-19 seguras e eficazes. Com o maior portfólio de vacinas candidatas COVID-19 gerido ativamente do mundo, a COVAX Facility oferece aos participantes de autofinanciamento e aos elegíveis para apoio por meio do Compromisso de Mercado Avançado de Gavi COVAX acesso a uma ampla gama de vacinas candidatas, adequadas para uma ampla gama de contextos e configurações. A capacidade de distribuir vacinas globalmente para lidar com a pandemia em evolução é mais crítica do que nunca, assim como a importância da coordenação para garantir que não é colocado o impacto e o valor das vacinas em risco. Se forem necessárias novas vacinas, garantir o acesso global às vacinas é ainda mais essencial, pois só haverá segurança para todos apenas se todos estiverem seguros.

A COVAX assinou acordos de compra antecipada com a AstraZeneca e o Serum Institute of India e publicou planos para distribuir cerca de 350 milhões de doses no primeiro semestre do ano.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!