Vacina da gripe protege contra efeitos graves da COVID-19

Estudo de grande dimensão conclui que a vacina da gripe protege contra COVID-19 grave. A vacina contra a gripe pode impulsionar o sistema imunológico inato e reduzir a probabilidade dos doentes COVID-19 necessitarem de Cuidados Intensivos.

0
Vacina da gripe protege contra efeitos graves da COVID-19
Vacina da gripe protege contra efeitos graves da COVID-19. Foto: Rosa Pinto

Um estudo de investigação desenvolvido por investigadores médicos da Escola de Medicina Miller, da Universidade de Miami, Flórida, EUA, e já publicado na revista científica PLoS One, mostra que a vacina contra gripe pode fornecer proteção vital contra a COVID-19.

Os investigadores analisaram registos de 74.754 pacientes e concluíram que a vacina anual contra a gripe reduz os riscos de acidente vascular cerebral, sepse e trombose venosa profunda (TVP) em pacientes com COVID-19. Pacientes com COVID-19 que foram vacinados contra a gripe também tiveram uma probabilidade significativamente menor de ser internados numa Unidade de Cuidados Intensivos.

“Apenas uma pequena fração do mundo foi totalmente vacinada contra COVID-19 até o momento, e com toda a devastação que ocorreu devido à pandemia, a comunidade global ainda precisa de encontrar soluções para reduzir a morbidade e mortalidade”, indica autor sénior Devinder Singh, da Escola de Medicina Miller.

“Ter acesso aos dados em tempo real de milhões de pacientes é uma ferramenta de investigação incrivelmente poderosa”, acrescentou Devinder Singh, que reforçou: “Além de fazer perguntas importantes, minha equipa conseguiu observar uma associação entre a vacina contra a gripe e a redução da morbidade em pacientes com COVID-19.”

Partilha das descobertas com cientistas e público em geral

Os investigadores apresentaram as descobertas do estudo no Congresso Europeu de Microbiologia Clínica e Doenças Infeciosas (ECCMID), onde receberam a atenção internacional. Agora que o estudo já foi publicado, os autores estão extremamente animados por compartilhar as suas descobertas detalhadas pela primeira vez com o público em geral e a comunidade científica.

O estudo foi conduzido usando registos de pacientes de vários países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Itália, Israel e Singapura. A equipa examinou registos eletrónicos de saúde no banco de dados de pesquisa TriNetX de mais de 70 milhões de pacientes para identificar dois grupos de 37.377 pacientes. Os dois grupos de pacientes foram então colocados aos pares para fatores que poderiam influenciar o seu risco de suscetibilidade à COVID-19 grave, mas não limitando a idade, sexo, etnia, tabagismo e problemas de saúde, como diabetes, obesidade e doença pulmonar obstrutiva crónica.

Os membros do primeiro grupo de estudo receberam a vacina contra a gripe duas semanas e seis meses antes de serem diagnosticados com COVID-19. Os do segundo grupo também tiveram um diagnóstico positivo para COVID-19, mas não foram vacinados contra a gripe. A incidência de 15 resultados adversos (sepse; acidentes vasculares cerebrais; trombose venosa profunda; embolia pulmonar; insuficiência respiratória aguda; síndrome do desconforto respiratório agudo; artralgia ou dor nas articulações; insuficiência renal; anorexia; ataque cardíaco; pneumonia; visitas ao Centro de Saúde; admissão hospitalar; admissão na UCI; e óbito) em 30, 60, 90 e 120 dias após o teste positivo à COVID-19 foram comparados entre os dois grupos.

A análise revelou que os que não tinham tomado a vacina contra a gripe tinham uma probabilidade significativamente maior (até mais 20%) de ter sido admitido na UCI. Estes também eram significativamente mais propensos a irem ao serviço de urgência (até 58% de maior probabilidade), desenvolver sepse (até 45%), ter um derrame (até 58%) e uma TVP (até 40% de maior probabilidade). O risco de morte não foi reduzido.

Evitar resultados adversos

Os investigadores também foram capazes de calcular quantos pacientes COVID-19-positivos precisariam receber uma vacina contra a gripe para evitar um resultado adverso. Notavelmente, eles descobriram que apenas 176 pacientes precisavam ter recebido uma vacina contra a gripe para evitar uma visita às urgências em 120 dias após o teste positivo para COVID-19. Além disso, apenas 286 pacientes precisavam ter recebido a vacina contra a gripe para prevenir um caso de sepse, que é a doença mais cara de se tratar no sistema de saúde dos Estados Unidos. Por último, para cada 440 pacientes que estavam em dia com a vacina contra a gripe, uma admissão numa UCI foi evitada.

Embora ainda não se saiba exatamente como a vacina contra a gripe fornece proteção contra a COVID-19, a maioria das teorias especula que a vacina contra a gripe pode impulsionar o sistema imunológico inato – defesas gerais com as quais nascemos que não protegem contra nenhuma doença específica.

Os resultados, disseram os autores do estudo, sugerem fortemente que a vacina contra a gripe pode proteger contra vários efeitos graves da COVID-19. No entanto, eles recomendam fortemente que as pessoas recebam as vacinas COVID-19, bem como sua vacina anual contra a gripe. Eles acrescentam que são necessárias mais investigações para provar e compreender melhor a possível ligação, mas, no futuro, a vacina contra a gripe poderia ser usada para ajudar a fornecer maior proteção em países onde a vacina COVID-19 está em falta ou mesmo ajudar indivíduos já vacinados contra a COVID-19.

“A promoção contínua da vacina contra a gripe também tem o potencial de ajudar a população global a evitar uma possível “twindemia” – um surto simultâneo de gripe e coronavírus”, disse a investigadora Susan Taghioff. “Independentemente do grau de proteção conferido pela vacina contra a gripe contra resultados adversos associados com a COVID-19, simplesmente ser capaz de conservar os recursos globais de saúde mantendo o número de casos de gripe sob controlo é razão suficiente para defender esforços contínuos para promover a vacinação contra a gripe em todo o mundo.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!