Vacina do Ébola aprovada pela FDA nos EUA

Primeira vacina para a prevenção da doença pelo vírus Ébola foi aprovada pela Food and Drug Administration dos EUA. Esta aprovação histórica, para a prevenção da doença pelo vírus Ébola, é um marco crítico na preparação da resposta à saúde pública.

0
Vacina do Ébola aprovada pela FDA nos EUA
Vacina do Ébola aprovada pela FDA nos EUA. Foto: © Rosa Pinto

A Food and Drug Administration (FDA), a agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, anunciou ontem, 19 de dezembro, a aprovação da Ervebo, a primeira vacina para a prevenção da doença pelo vírus Ébola (DVE), causada pelo ebolavírus Zaire, para indivíduos com 18 anos ou mais.

Os casos de Ébola nos EUA são muito raros, e os que ocorreram foram resultado de infeções adquiridas por indivíduos noutros países e que viajaram para os EUA ou por profissionais de saúde que adoeceram após tratarem pacientes com Ébola.

“Embora o risco de doença pelo vírus Ébola nos EUA permaneça baixo, o Governo dos EUA continua profundamente comprometido em combater os devastadores surtos de Ébola em África, incluindo o atual surto na República Democrática do Congo”, referiu Anna Abram, Vice-Comissária de Política, Legislação e Assuntos Internacionais da FDA.

Doença pelo vírus Ébola é contagiosa

A doença pelo vírus Ébola é contagiosa e é transmitida através do contato direto com sangue, fluidos corporais e tecidos de animais selvagens ou pessoas infetadas, bem como com superfícies e materiais, como roupas de cama e outras roupas contaminadas com fluidos.

Sintomas da doença pelo vírus Ébola

O início dos sintomas da doença pelo vírus Ébola pode ser repentino e pode incluir febre, fadiga, dor muscular, dor de cabeça e dor de garganta. Isto é seguido por vómitos, diarreia, erupção cutânea, insuficiência renal e hepática e, em alguns casos, derrame de sangue interno e externo.

A doença pelo vírus Ébola tem um período de incubação que varia de 2 a 21 dias. Indivíduos que prestam atendimento a pessoas com Ébola, incluindo profissionais de saúde que não usam as precauções corretas de controlo, correm maior risco de infeção.

Surtos de Ébola em África

Há surtos confirmados da doença pelo vírus Ébola e que foram documentados desde a década de 1970, principalmente em áreas da África Subsaariana, onde os cientistas acreditam que o vírus está sempre presente em níveis baixos em certos animais selvagens. As pessoas ficam doentes com Ébola após entrarem em contato direto com animais infetados, o que pode levar a surtos de Ébola quando o vírus se espalha entre as pessoas.

Um surto de Ébola ocorreu de 2014 a 2016 em três países da África Ocidental: Guiné; Libéria e Serra Leoa, tendo-se resultado em mais de 28.000 casos de doença pelo vírus Ébola e mais de 11.000 mortes causadas pelo ebolavírus do Zaire.

A República Democrática do Congo (RDC) está atualmente enfrentando o segundo maior surto de doença pelo vírus Ébola do mundo. Em 2018, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a RDC começaram a usar a Ervebo como uma vacina experimental sob um programa de acesso expandido para ajudar a mitigar o surto. Com ou sem vacinação, é essencial implementar medidas apropriadas de controlo e prevenção de infeções como parte dos esforços para impedir a disseminação do Ébola.

A vacina é dose única

“A doença do vírus Ébola é uma doença rara, mas grave e muitas vezes mortal, que não conhece fronteiras. A vacinação é essencial para ajudar a prevenir surtos e impedir que o vírus Ébola se espalhe”, referiu Peter Marks, diretor do Centro de Avaliação e Pesquisa em Biologia da FDA. Para o especialista “A aprovação do Ervebo pela FDA é um grande avanço para ajudar a proteger contra o ebolavírus do Zaire, além de promover os esforços de preparação do Governo dos EUA.

A aprovação da Ervebo, que é administrada como uma injeção de dose única, foi apoiada por um estudo realizado na Guiné durante o surto de 2014-2016 em indivíduos com 18 anos de idade ou mais. O estudo que envolveu 3.537 indivíduos mostrou que o Ervebo foi considerado 100% eficaz na prevenção de casos de Ébola.

Em estudos adicionais, as respostas de anticorpos ao Ervebo foram avaliadas em 477 indivíduos na Libéria, aproximadamente 500 na Serra Leoa e aproximadamente 900 no Canadá, Espanha e EUA. As respostas de anticorpos entre as do estudo realizado no Canadá, na Espanha e nos EUA foram semelhantes aos indivíduos nos estudos realizados na Libéria e na Serra Leoa.

A segurança do Ervebo foi avaliada em aproximadamente 15.000 indivíduos na África, Europa e América do Norte. Os efeitos colaterais mais comumente relatados foram dor, inchaço e vermelhidão no local da injeção, além de dores de cabeça, febre, dores nas articulações e nos músculos e fadiga.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!