Vítimas de acidentes e com COVID-19 enfrentam maior risco de saúde e morte

Vítimas de acidentes rodoviários, quedas, lesões violentas por tiros ou esfaqueamentos, e positivas à COVID-19 correm maior perigo de saúde e morte. Pandemia aumentou incidência de ataques cardíacos e reduziu diagnósticos do cancro.

0
Vítimas de acidentes e com COVID-19 enfrentam maior risco de saúde e morte
Vítimas de acidentes e com COVID-19 enfrentam maior risco de saúde e morte. Foto: © Rosa Pinto

A pandemia de COVID-19 vem ao longo de mais de um ano e meio a tirar a vida a milhões de pessoas em todo o mundo para além de provocar situações de saúde e em alguns casos graves a muitos mais milhões de pessoas.

Mas a COVID-19 também tem conduzido à morte a maiores complicações de saúde de forma menos direta mas com grande incidência devido à diminuição do acompanhamento dos pacientes, verificando-se um aumento da incidência de ataques cardíacos e até uma redução dos exames de diagnóstico do cancro. Mas a pandemia também aumentou o risco de complicações e morte entre pessoas vítimas de acidentes rodoviários, por quedas ou outros acidentes, ou que foram vítimas de lesões violentas, por tiros ou esfaqueamentos.

Um estudo de investigação realizado pela Faculdade de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia, EUA, já publicado no The Journal of Trauma and Acute Surgery revela que pacientes em centros de urgência em todo o Estado da Pensilvânia que também contraíram infeção COVID-19 tiveram um risco seis vezes maior de morte do que pacientes com lesões semelhantes mas sem COVID.

Pacientes positivos à COVID-19 também mostraram ter o dobro da probabilidade de sofrerem de complicações, como tromboembolismo venoso, insuficiência renal, necessidade de intubação e admissão não planeada numa Unidade de Cuidados Intensivos (UTI), bem como uma probabilidade cinco vezes maior de complicações pulmonares. E os riscos foram ainda maiores em pacientes com mais de 65 anos.

“A COVID-19 teve o maior impacto sobre os pacientes com lesões eram relativamente pequenas, que, de outra forma, esperaríamos que se curassem bem”, referiu a autora principal da publicação, Elinore Kaufman, médica na Divisão de Trauma, Tratamento Crítico Cirúrgico e Cirurgia de Emergência na Penn Medicine. “As nossas descobertas relevam a importância para os hospitais testar consistentemente os pacientes admitidos, para que os profissionais de saúde possam estar cientes do risco adicional e tratar os pacientes com cuidado e vigilância extras”.

Os investigadores realizaram um estudo retrospetivo de 15.550 pacientes internados em centros de urgência da Pensilvânia, de 21 de março de 2020 a 31 de julho de 2020. Destes 15.550 pacientes, 8.170 foram testados à COVID-19 e 219 deram positivo. Durante esse período, os investigadores avaliaram o tempo de internamento, as complicações e os resultados gerais de pacientes com teste positivo para à COVID-19 em comparação com pacientes com teste negativo, e descobriram que as taxas de teste aumentaram com o tempo, de 34% em abril de 2020 para 56% em julho. As taxas de teste variaram substancialmente entre os centros, no entanto, com uma mediana de 56,2% e uma faixa de 0 a 96,4%.

“Primeiro, precisamos investigar a melhor forma de cuidar os pacientes de alto risco e estabelecer protocolos padrão para minimizar os riscos”, disse o autor sénior da publicação, Niels D. Martin, chefe de cuidados críticos cirúrgicos e professor associado da divisão de Trauma, Terapia Intensiva Cirúrgica e Cirurgia de Emergência.

O investigador acrescentou: “Em segundo lugar, precisamos de mais dados sobre os riscos associados a pacientes que apresentam sintomas de COVID-19, em comparação com os que são assintomáticos, para que possamos administrar tratamentos comprovados de forma adequada e aumentar a probabilidade de sobrevivência com complicações mínimas.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!