Aumento do stress em tempos de pandemia

Vários fatores concorrem para o stress e a atual pandemia de COVID-19 e as consequências relacionadas têm vindo a aumentar os riscos. A médica Rita de Botton indica, neste seu artigo, algumas medidas para prevenir o stress.

0
Rita de Botton, Médica Patologista Clínica da SYNLAB
Rita de Botton, Médica Patologista Clínica da SYNLAB. Foto: DR

Febre, tosse e dificuldade em respirar é do que mais se tem ouvido falar nos diversos canais noticiosos, que insistem em bombardear-nos diariamente com os sintomas associados à COVID-19. Mas, o que está por detrás desta pandemia e que poucos relatam? Os danos psicológicos: o stress associado à instabilidade laboral, familiar e o receio do incerto são das maiores preocupações das famílias portuguesas.

O stress é já considerado pela Organização Mundial de Saúde, “a epidemia de saúde do século XXI” e a realidade é que, desde março de 2020, tem afetado um número crescente de pessoas, comprovado pela elevada procura e consumo de ansiolíticos e antidepressivos, na grande maioria das vezes, uma automedicação. A pandemia trouxe um isolamento social e físico e consequentemente aumentou o sentimento de solidão – principalmente no caso dos mais idosos. E a juntar à pandemia, existe ainda a pressão, caraterizada pela competitividade interpessoal, e o caos vivido nas grandes cidades. Muito trânsito, horários laborais para cumprir, um emprego exigente e não motivador, falta de tempo livre para desfrutar da família e de momentos de lazer, entre outros, são fatores responsáveis pelo stress. Este pode desencadear situações de ansiedade e de depressão, muitas vezes desvalorizada pelo seio familiar e pela sociedade.

A maior parte das vezes, o stress pode ser positivo. Trata-se de um processo natural, que funciona como uma resposta de defesa do organismo face a agressões externas ou internas. É muito útil em situações pontuais, mas passa a ser uma ameaça para a nossa saúde, quando se prolonga no tempo e se torna crónico. Por isso, é já considerado por uns como a maior causa de morbilidade, e pode conduzir a problemas de saúde, que surgem sob a forma de doenças cardiovasculares, disfunção sexual, complicações gastrointestinais, obesidade ou distúrbios alimentares e, ainda, problemas de pele e cabelo, como sejam o aparecimento precoce de rugas ou de calvície. Nas mulheres é ainda frequente existirem alterações hormonais, como problemas menstruais.

Para evitar futuras complicações, é essencial identificar e reconhecer os principais sintomas: suores, dor de cabeça, fadiga, distúrbios do sono, desorientação e perda de memória, ansiedade, irritabilidade e confusão mental, dificuldade de concentração, infelicidade, pensamentos negativos, e esquecimento. Além das situações externas, existem também fatores biológicos que determinam se a pessoa é ou não propensa a desenvolver situações de stress com maior facilidade.

Para este efeito, existem ferramentas disponíveis no mercado, como a análise de Avaliação de Stress da SYNLAB, que permite determinar se a pessoa está a viver um padrão biológico de stress, a fase de stress em que se encontra e ainda alertar para possíveis situações de Burnout (esgotamento profissional).

O teste é realizado de forma simples e rápida, sendo apenas necessária a recolha de 4 amostras de saliva para kit especial, em horas específicas do dia, de forma a fazer o doseamento de duas hormonas – cortisol e DHEA.

Em tempos pandémicos, temos duas missões: a de evitar a propagação do vírus e a de cuidar do nosso bem-estar e de quem nos rodeia. Lembre-se que o stress também pode ser evitável e aprenda a gerir futuras situações:

Pratique exercício físico para libertação de endorfinas (“hormonas da felicidade”)

Faça uma alimentação saudável;

Dedique tempo livre para o lazer e para a família (com o distanciamento necessário)

Utilize técnicas de introspeção, de meditação, de controlo da respiração;

Ouça música relaxante, que ajuda a desligar da vida ativa por momentos;

Desdramatize e relativize os seus problemas;

Foque-se nas soluções e não nos problemas;

Evite o diálogo/contacto de quem tem pensamentos negativos;

Associado a todas estas medidas, por vezes é necessária a associação de medicamentos, que devem sempre ser prescritos apenas por um médico da especialidade e nunca através de automedicação.

Autora: Rita de Botton, Médica Patologista Clínica da SYNLAB

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!