Tag: Doença de Parkinson

Trond Riise

Medicamentos para asma reduzem a metade o risco de doença de Parkinson

Investigadores noruegueses em colaboração com colegas da Universidade de Harvard descobriram que medicamentos para a asma reduzem em 50% os riscos de doença de Parkinson. A descoberta pode dar início a um novo tratamento da doença.
Fármaco para a diabetes pode ajudar a tratar a doença de Parkinson

Fármaco para a diabetes pode ajudar a tratar a doença de Parkinson

Neurocientistas descobriram que um medicamento para tratar a diabetes pode ser usado para travar ou retardar a progressão da doença de Parkinson. O estudo já foi publicado na revista ‘Brain’.
Luís Martins, investigador do CNC

Descoberta molécula que aumenta número de axónios entre neurónios

Investigadores, em Portugal, descobriram molécula libertada por células estaminais que aumenta número de axónios entre neurónios. A descoberta reveste-se de grande importância dado o impacto na doença de Parkinson, esclerose lateral amiotrófica ou lesões vertebro-medulares.
Comprimidos de quetiapina, um antipsicótico.

Doentes de Parkinson com sobredoses de antipsicóticos

Estudo indica que os médicos estão a prescrever mais antipsicóticos a pacientes da doença de Parkinson do que seria necessário. Os antipsicóticos diminuem a mobilidade, prejudicam a componente cognitiva, aumentam as quedas, infeções e os casos de morte.
Investigação liderada por portugueses com impacto em distonia e Parkinson

Investigação liderada por portugueses com impacto em distonia e Parkinson

Investigação liderada por portugueses identificou subestruturas cerebrais com impacto nos procedimentos neurocirúrgicos de implantação de estimuladores cerebrais para tratar doenças como a distonia ou a doença de Parkinson.
Neurologistas debatem efeitos do Zika, em Lisboa

Neurologistas debatem efeitos do Zika, em Lisboa

Congresso de neurologia debate, em Lisboa, os principais desafios que se colocam à neurologia. O Zika é uma das questões de saúde pública em debate, bem como as doenças neurodegenerativas.

Siga-nos nas redes sociais

DESTAQUE

MAIS LIDAS