A heparina reduz a infeção pela COVID-19

O anticoagulante heparina pode ser reaproveitado para tratar a COVID-19. A heparina tem como alvo a proteína “spike” do coronavírus. Reduz a capacidade do vírus de se ligar às células humanas e de as infetar.

0
A heparina reduz a infeção da COVID-19
A heparina reduz a infeção da COVID-19

Uma equipa internacional de investigadores, liderada pelas Universidades de Liverpool e Keele, a trabalhar com a Public Health England (agência de saúde pública britânica), descobriu que o anticoagulante heparina inibe a proteína “spike” do coronavírus SARS-Cov-2, reduz a capacidade do vírus de se ligar a células humanas e de as infetar.

Os resultados da investigação, que já foram publicados no British Journal of Pharmacology e no Journal of Thrombosis and Haemostasis, mostram que a heparina interage com a proteína “spike” na superfície do coronavírus SARS-CoV-2, desestabilizando-lhe a estrutura e evitando que se encaixe no recetor ACE2 das células humanas.

A modelagem molecular feita por investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, mostrou como a heparina pode aderir à superfície da proteína “spike” para atingir esses efeitos, e estudos com o vírus vivo SARS-CoV-2 realizados no laboratório Porton Down da Public Health England mostraram que a heparina não fracionada (mas não heparinas de baixo peso molecular) pode inibir a infecciosidade celular.

Os dados apoiaram fortemente os testes clínicos de heparina inalada (“nebulizada”) não fracionada, uma vez que as doses conhecidas por serem administradas aos pulmões teriam efeitos antivirais muito fortes.

Jeremy Turnbull, do Departamento de Bioquímica e Biologia de Sistemas da Universidade de Liverpool, referiu: “Esta é uma notícia empolgante, já que a heparina pode ser rapidamente reaproveitada para ajudar a aliviar infeções por COVID-19, ou possivelmente como um tratamento profilático para grupos de alto risco, como equipas médicas ou outros profissionais de saúde. Os resultados também levaram a investigar outros novos compostos que imitam a heparina e que podem ser potencialmente eficazes contra a SARS-CoV-2.”

Mark Skidmore da Escola de Ciências da Vida da Universidade Keele, que coliderou a Investigação referiu: “Também sabemos que as heparinas inibem uma série de outros vírus, então estudar estes medicamentos pode fornecer novas estratégias terapêuticas e, possivelmente, uma primeira linha de defesa contra ameaças virais emergentes e no futuro, por exemplo, enquanto as vacinas são desenvolvidas.”

Miles Carroll, do National Infection Service, do Public Health England, acrescentou: “Novos tratamentos que visam o vírus SARS-CoV-2 são urgentemente necessários. A heparina, com seu conhecido perfil de segurança clínica, é certamente um candidato interessante para ser reaproveitado contra a COVID-19”

“A pandemia de COVID-19 teve um impacto significativo na prestação de serviços do Serviço Nacional de Saúde britânico e nas comunidades locais. Estes resultados reforçam a necessidade de uma investigação mais aprofundada da heparina como tratamento em pacientes de COVID-19”, disse Quentin Nunes, Consultor no East Lancashire Hospitals NHS Trust, que está a liderar os esforços para iniciar o ensaio clínico de heparina nebulizada em pacientes de Cuidados Intensivos, no Reino Unido.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!