Abordagens de tratamentos da COVID-19

Imunoterapia, linfócitos T, medicamentos existentes, análogos do recetor ACE2, Antivirais e Células-tronco mesenquimais, são abordagens para o tratamento da infeção por SARS-CoV-2. Investigadores mostram as caraterísticas de cada abordagem de tratamento.

0
Abordagens de tratamentos da COVID-19
Abordagens de tratamentos da COVID-19

Investigadores da Universidade Sechenov, Rússia, juntamente com outros investigadores russos e iranianos, descreveram as abordagens atualmente conhecidas para o tratamento da infeção por SARS-CoV-2. Em artigo publicado no Journal of Molecular Medicine os investigadores descreveram como funcionam os diferentes grupos de medicamentos e como cada abordagem pode ser promissora.

O SARS-CoV-2, o coronavírus que causou a pandemia no início de 2020 é parente próximo de dois outros coronavírus, o SARS-CoV e o MERS-CoV, que desencadearam epidemias em 2003 e 2013-2015. Na maioria das vezes, a doença é acompanhada por febre, tosse seca, aumento da fadiga e perda do paladar e do olfato. A maioria dos sintomas está associada a uma reação exagerada do sistema imunológico do paciente, que, em casos graves, causa danos ao tecido pulmonar e inflamação sistémica.

Imunoterapia: A primeira abordagem considerada pelos investigadores é a imunoterapia. Sabe-se que os anticorpos contidos no soro de pessoas que já tiveram uma doença viral podem acelerar a recuperação de outros pacientes. Apesar da simplicidade do método, ele tem várias limitações: o número de potenciais doadores ainda é pequeno, a atividade dos anticorpos diminui com o tempo (por isso o soro dos pacientes que tiveram a doença há muito tempo é menos valioso), e os próprios anticorpos podem ajudar a propagação do vírus no corpo, um fenômeno conhecido como aumento da infeção dependente de anticorpos.

Linfócitos T: Da mesma forma, podemos usar linfócitos T – células que podem destruir células danificadas ou infetadas do corpo. Os cientistas notaram que o número de células T da subpopulação CD8 + é significativamente reduzido em pacientes com COVID-19, e quanto mais grave a doença, menor é esse número. As células T direcionadas contra um vírus específico podem ser produzidas in vitro e oferecidas aos pacientes como terapia.

Medicamentos existentes: Outra área de pesquisa está relacionada à supressão de certas enzimas, em particular AAK1 e GAK, que são necessárias para o vírus entrar na célula. Alguns dos medicamentos que atuam como inibidores dessas enzimas já foram testados e utilizados, embora para outros fins, como, por exemplo, o tratamento da artrite reumatoide (essa abordagem é designada por ‘reaproveitamento de medicamentos’).

A análise de ensaios clínicos registados em ClinicalTrials.gov mostrou uma ampla variedade de agentes terapêuticos oferecidos para o tratamento de COVID-19. E, é claro, a maioria deles está associada ao uso de fármacos previamente conhecidos, usados no tratamento de outras doenças ‘, comentou Anastasia Shpichka, uma das autoras do estudo, investigadora líder do Instituto de Medicina Regenerativa da Universidade Sechenov.

Análogos do recetor ACE2: Existem outras maneiras de evitar que o vírus entre nas células. Uma vez que o recetor que está embutido na membrana celular e permite que o vírus dentro seja conhecido (esta é a proteína ACE2), é possível criar um análogo que se ligará às partículas virais e as ‘distrairá’ das células do paciente. Esses análogos do recetor ACE2 já foram desenvolvidos, testados e mostraram retardar a disseminação do vírus no corpo, mas não interrompê-la, o que indica a presença de outros pontos de entrada nas células humanas.

Antivirais: O uso de medicamentos antivirais apresenta resultados contraditórios. O remdesivir, que mostrou boa eficácia contra a SARS-CoV-2 em alguns estudos, não trouxe benefícios percetíveis em outros. A cloroquina, usada no tratamento da malária, foi considerado o fármaco promissor, mas os efeitos colaterais não permitem que seja recomendado para o tratamento da COVID-19. As tentativas de usar medicamentos para o HIV contra SARS-CoV-2 também produziu resultados mistos.

Células-tronco mesenquimais: Mais uma direção na luta contra o COVID-19 é a supressão da reação excessiva do sistema imunológico, que afeta especialmente o tecido pulmonar. Uma opção de tratamento podem ser as células-tronco mesenquimais, utilizadas no tratamento de doenças inflamatórias e autoimunes. Estudos sobre a eficácia desse método no tratamento do COVID-19 já estão em andamento. Outra classe de medicamentos que limitam a resposta inflamatória são os corticosteroides. Eles podem reduzir a mortalidade entre pacientes com doença grave.

Apesar dos esforços dos cientistas de todo o mundo, com o objetivo de encontrar um tratamento eficaz para COVID-19, o algoritmo ideal ainda não foi encontrado. A chave para a criação de um medicamento pode ser uma descoberta como parte de uma dessas abordagens ou uma nova solução, por exemplo, encontrada na interseção de disciplinas científicas ou emprestada da experiência de tratamento de outras doenças.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!