Alterações da córnea do olho mostram efeitos da COVID-19 a longo prazo

Perda de fibra nervosa e aumento de células dendríticas na superfície do olho, ou córnea, podem indicar efeito de 'COVID longa'. A condição de saúde coincide entre pacientes que tiveram sintomas neurológicos durante a infeção pela COVID-19.

0
Alterações da córnea do olho mostram efeitos da COVID-19 a longo prazo
Alterações da córnea do olho mostram efeitos da COVID-19 a longo prazo. Foto: © Rosa Pinto

Uma alteração com perda de fibras nervosas e aumento de células imunes (dendríticas) na superfície do olho (córnea) pode identificar consequências a longo prazo da COVID-19, a designada ‘COVID Longa’, sugere estudo já publicado no British Journal of Ophthalmology.

Os investigadores indicam que as alterações foram particularmente evidentes entre as pessoas que apresentaram sintomas neurológicos durante a infeção pela COVID-19, como perda do paladar e do olfato, dor de cabeça, tontura, dormência e dor neuropática.

A “COVID longa” é caracterizada por uma gama de sintomas potencialmente debilitantes que continuam durante mais de 4 semanas após o término da fase aguda da infeção e que não são explicados por um diagnóstico com causas alternativas.

No estudo é referido que cerca de 1 em cada 10 pessoas que tiveram uma infeção por COVID-19 deverão desenvolver ‘COVID longa’, e é sugerido que pequenos danos apresentados pelas fibras nervosas do olho podem estar subjacentes ao desenvolvimento dessa “COVID longa”.

Para explorar as consequências da COVID-18 os investigadores usaram uma técnica de laser de imagem em tempo real, não invasiva e de alta resolução chamada Microscopia Confocal da Córnea (MCC), para detetar danos nos nervos na córnea.

A córnea é a parte transparente do olho que cobre a pupila, a íris e o interior cheio de líquido. A sua principal função é focalizar a maior parte da luz que entra no olho.

A MCC tem sido usado para identificar danos nos nervos e alterações inflamatórias atribuíveis à neuropatia diabética, esclerose múltipla e fibromialgia.

No estudo foram analisadas quarenta pessoas que recuperaram da infeção confirmada por COVID-19, um e 6 meses antes. Os pacientes preencheram um questionário do Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (NICE) para descobrir se tinham “COVID longa”.

O questionário composto por 28 itens em nove domínios, incluindo sintomas generalizados, respiratórios, cardiovasculares, neurológicos, músculo-esqueléticos, psicológicos / psiquiátricos, gastrointestinais, dermatológicos e sintomas de ouvido, nariz e garganta, com pontuação total variando de 0 a 28.

Os investigadores verificaram que os sintomas neurológicos estavam presentes passadas 4 e 12 semanas em 22 de 40 pacientes, ou seja em 55%, e 13 de 29, ou seja em 45%, de pacientes.

As córneas dos participantes foram então analisadas com recurso a MCC para procurar pequenos danos nas fibras nervosas e na densidade das células dendríticas. Essas células têm um papel fundamental na resposta do sistema imunológico primário, capturando e apresentando antígenos de organismos invasores.

No exame as córneas foram comparadas com as de 30 pessoas saudáveis ​​que não tiveram infeção por COVID-19.

Vinte e dois dos 40 pacientes com COVID não apresentavam sinais clínicos de pneumonia; 11 apresentavam sinais clínicos de pneumonia sem necessidade de oxigenoterapia; quatro foram internados com pneumonia e receberam oxigenoterapia; e três tinham sido internados em terapia intensiva.

Os exames da córnea revelaram que os pacientes com sintomas neurológicos passadas 4 semanas após terem recuperado da COVID-19 aguda tiveram maior dano e perda de fibras nervosas da córnea, com um maior número de células dendríticas, do que as pessoas que não tiveram infeção pela COVID-19.

Os pacientes sem sintomas neurológicos tinham um número comparável de fibras nervosas da córnea como os que não foram infetados com a COVID-19, mas um número maior de células dendríticas.

As respostas ao questionário indicativas de sintomas da “COVID longa” correlacionaram-se fortemente com a perda de fibras nervosas da córnea.

Os investigadores reconheceram que o estudo observacional apresentou várias limitações, incluindo o número relativamente baixo de participantes, a falta de monitoramento de longo prazo e a confiança a atribuir aos questionários para definir a gravidade dos sintomas neurológicos, em vez de serem usadas medidas mais objetivas.

“Até onde sabemos, este é o primeiro estudo que relata a perda de nervo da córnea e um aumento na densidade (de células dendríticas) em pacientes que se recuperaram de COVID-19, especialmente em indivíduos com sintomas persistentes consistentes com “COVID longa”, escreveram os investigadores.

Os investigadores acrescentam: “Nós mostramos que os pacientes com ‘COVID longa’ têm evidências de pequenos danos das fibras nervosas que se relacionam com a gravidade da ‘COVID longa’ e sintomas neuropáticos e músculo-esqueléticos.”

“A microscopia confocal da córnea pode ter utilidade clínica como um teste oftálmico objetivo rápido para avaliar pacientes com “COVID longa”, concluem os investigadores.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!