Astronautas testam revestimentos contra coronavírus na Estação Espacial

Material de revestimento de superfícies está a ser testado na Estação Espacial Internacional para combater bactérias e vírus, incluindo o coronavírus SARS-CoV-2 da COVID-19. O material é desenvolvido pela Boeing e Universidade de Queensland.

0
Astronautas testam revestimentos contra coronavírus na Estação Espacial
Astronautas testam revestimentos contra coronavírus na Estação Espacial

Astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês ) estão a conduzir experiências com um revestimento antimicrobiano de superfícies projetado para combater a propagação de bactérias e vírus, incluindo o coronavírus SARS-CoV-2 responsável ​​pela atual pandemia de COVID-19.

Desenvolvido pela Boeing e pela Universidade de Queensland, Austrália, o projeto de investigação do material foi testado a bordo do ecoDemonstrator da Boeing, no ano passado.

“Enquanto os testes continuam em órbita e na Terra, estamos animados com os resultados preliminares do composto químico antimicrobiano”, disse Mike Delaney, diretor de segurança aeroespacial da Boeing. “Existe um potencial de ampla aplicabilidade para um revestimento de superfície como este quando usado em conjunto com outras medidas para prevenir a transmissão de doenças.”

A experiência a bordo ISS tem vindo a testar dois conjuntos de objetos para aviões, incluindo fivela, tecido de assento, cintos de segurança, partes de apoio de braço e mesa de bandeja. Um conjunto recebeu o revestimento antimicrobiano de superfície, e o outro não.

Dado que não foram enviados para a ISS micróbios os membros da tripulação transferem micróbios para os materiais através do toque pela mão, dado que os micróbios se desenvolvem naturalmente na pele humana.

Os objetos de teste serão devolvidos, ainda este ano, à Terra para análise nos laboratórios da Boeing, para medir a eficácia do revestimento da superfície num ambiente espacial.

“Depois de anos de desenvolvimento, é realmente emocionante ver a nossa investigação no espaço”, disse o professor Michael Monteiro, do Instituto Australiano de Bioengenharia e Nanotecnologia da Universidade de Queensland. “O objetivo principal do nosso revestimento antimicrobiano é ajudar a proteger as missões espaciais. Após a atual pandemia, modificamos a fórmula do revestimento para também atingir o vírus COVID-19 se ele estiver presente numa superfície da Terra. Esperamos continuar o nosso regime de testes para obter aprovações regulatórias.”

Um revestimento antimicrobiano da superfície de uma nave espacial pode ajudar a garantir a saúde da tripulação e proteger os sistemas da nave espacial de bactérias – e, em última instância, pode ajudar a prevenir a contaminação interplanetária de micróbios da Terra ou de outro planeta.

A Boeing foi selecionada pela NASA como contratante principal para a ISS em 1993. Desde então, a Boeing tem fornecido suporte ininterrupto de engenharia – mantendo a estação em níveis de desempenho de topo por meio de missões dinâmicas e garantindo que o valor total do laboratório exclusivo de pesquisa está disponível para a NASA, e para os seus parceiros internacionais e empresas privadas nos próximos anos.

Desde 2003, a Boeing e a Universidade de Queensland têm colaborado num amplo portfólio de projetos conjuntos de investigação e desenvolvimento. Em 2017, os engenheiros da Boeing Research & Technology de Brisbane mudaram-se para a universidade numa parceria inédita para a região da Ásia-Pacífico da empresa.

O Instituto Australiano de Bioengenharia e Nanotecnologia da Universidade de Queensland tem impulsionado a investigação multidisciplinar para resolver problemas globais. O Instituto Australiano abriga mais de 400 investigadores numa ampla gama de disciplinas científicas.

 

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!