Bebé pode ser infetado no útero da mãe com COVID-19

Estudo de caso fornece evidências de transmissão intrauterina de SARS-CoV-2 de mãe para bebé. Mulher com COVID-19 dá à luz bebé infetado com novo coronavírus. Placenta mostrou presença de partículas e proteína nucleocapsídica de SARS-CoV-2.

0
Bebé pode ser infetado no útero da mãe com COVID-19
Bebé pode ser infetado no útero da mãe com COVID-19

Um bebé que nasceu prematuramente de uma mãe com COVID-19 apresentou estar infetado com coronavírus e desenvolveu a doença. Esta é a evidência mais forte até o momento de que há transmissão intrauterina (no útero) do coronavírus. As conclusões estão publicadas na revista de “Doenças Infeciosas Pediátricas”.

As descobertas “sugerem a transmissão no útero ”de COVID-19 de uma mãe infetada para seu bebé, de acordo com o relato de Julide Sisman, e colegas do Centro Médico da Universidade do Texas, em Dallas, EUA.

“Muitos bebés já foram entregues a mulheres grávidas diagnosticadas com SARS-CoV-2, com a maioria desses bebés sem doença respiratória ou evidência molecular positiva para SARS-CoV-2”, comentou Amanda S. Evans, que é uma dos autores principais do novo estudo. A investigadora acrescentou: “O nosso estudo é o primeiro a documentar a transmissão intrauterina da infeção durante a gravidez, com base em evidências imunohistoquímicas e ultraestruturais da infeção por SARS-CoV-2 nas células fetais da placenta”.

Primeira transmissão intrauterina documentada da COVID-19

Os autores relatam o caso de um bebé entregue à mãe diagnosticada com COVID-19, que também tinha diabetes tipo 2. O bebé nasceu com 34 semanas de gestação após a mãe ter rutura prematura das membranas. O bebé nasceu “grande para a idade gestacional”, uma complicação importante em bebés de mães diabéticas. Ela foi tratada na UCI neonatal devido a prematuridade e possível exposição à SARS-CoV-2.

Os especialistas indicam que a criança parecia inicialmente saudável, com respiração normal e outros sinais vitais. No segundo dia de vida, ela desenvolveu febre e problemas respiratórios relativamente leves. “É improvável que o desconforto respiratório observado nesta criança tenha sido devido à prematuridade, uma vez que não começou até o segundo dia de vida”, escrevem os investigadores.

O bebé deu positivo ao teste para infeção por SARS-CoV-2 nas 24 e 48 horas após o nascimento. O bebé foi tratado com oxigénio suplementar durante vários dias, mas não precisou de ventilação mecânica. Os testes a COVID-19 permaneceram positivos ao longo de 14 dias. Aos 21 dias, a mãe e o bebé tiveram alta hospitalar e foram enviados para casa em boas condições de saúde.

Os investigadores examinaram a placenta, que mostrou sinais de inflamação dos tecidos. Além disso, testes especializados documentaram a presença de partículas de coronavírus, bem como da proteína nucleocapsídica SARS-CoV-2, específica para o vírus de COVID-19 nas células fetais da placenta. Em conjunto estas descobertas confirmaram que a infeção foi transmitida no útero, e não durante ou após o nascimento.

Embora os dados sobre COVID-19 permaneçam muito limitados, “A transmissão intrauterina de SARS-CoV-2 parece ser um evento raro”, concluem os investigadores, que destacam várias prioridades urgentes para futuras investigações, incluindo os mecanismos e fatores de risco da transmissão in útero da SARS-CoV-2 e os resultados da COVID-19 congénita em bebés.

“Queríamos ter muito cuidado com a interpretação destes dados, mas agora é um momento ainda mais importante para as mulheres grávidas se protegerem da COVID-19”, comentou Amanda S. Evans.

Na revista de Doenças Infeciosas Pediátricas mais dois casos descrevem a transmissão “vertical” de SARS-Co-V2 da mãe para o bebé, ocorrendo em diferentes circunstâncias. Os três casos juntos destacam que a transmissão do vírus pode ocorrer antes ou durante / após o parto (intrauterino versus intraparto), mas os investigadores escrevem: “Como esses casos ilustram, a avaliação de infeções por SARS-CoV-2 vertical – e especialmente intrauterina – pode ser desafiadora, e a avaliação é muitas vezes limitada pela falta de testes ideais de amostras apropriadas obtidas em momentos específicos”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!