Coabitar com cães e receber bens no domicílio são fatores de risco de COVID-19

Estudo de investigação concluiu que a coabitação com cães aumenta o risco de ser infetado com COVID-19. O estudo mostra que a compra de bens em supermercado com entrega ao domicílio aumenta também em muito o risco.

0
Coabitar com cães e receber bens no domicílio são fatores de risco de COVID-19
Coabitar com cães e receber bens no domicílio são fatores de risco de COVID-19. Foto: DR

Estudo da Universidade de Granada (UGR) e da Escola Andaluza de Saúde Pública, em Espanha, analisou os principais fatores de risco na transmissão de SARS-CoV-2 durante o estado de confinamento em Espanha, que incluiu poder sair para trabalhar ou viver com pacientes com diagnóstico de COVID- 19.

Os investigadores alertam para a necessidade das pessoas com cães tomarem medidas extremas de higiene em relação aos seus animais de estimação, pois ainda não está claro se os proprietários foram infetados porque o animal agiu como hospedeiro do vírus e o transmitiu diretamente, ou se foram infetados indiretamente devido ao aumento da exposição do cão a veículos do vírus (ou seja, objetos ou superfícies onde o vírus permanece).

“Do ponto de vista científico, não há justificação para fechar parques infantis para evitar infeções, enquanto os parques onde se passeiam os cães podem permanecer abertos, quando existem inúmeros objetos que podem atuar como veículos para o SARS-CoV-2,” observam os investigadores.

O estudo analisou os principais fatores de risco na transmissão do vírus SARS-CoV-2 durante o bloqueio nacional na Espanha, entre março e maio de 2020, e as conclusões foram publicados na revista Environmental Research.

O estudo revelou que das variáveis ​​sociodemográficas analisadas que mais aumentaram o risco de contrair COVID-19 durante o período em estudo, morar com um cão e comprar produtos básicos no supermercado com entrega em domicílio foram as que mais aumentaram o risco de contrair COVID-19. A taxa de risco de morar com um cachorro foi de 78% e de 94% na entrega no domicílio das compras em supermercados.

Como explicou Cristina Sánchez González, investigadora do Centro de Pesquisas Biomédicas da UGR e principal autora do estudo, “em vista da rápida disseminação do vírus mesmo durante o confinamento, consideramos importante estudar as características sociodemográficas, hábitos, e comorbidades da infeção por SARS-CoV-2, para implementar estratégias de prevenção eficazes. ”

Os investigadores elaboraram um levantamento para captar variáveis ​​de interesse durante o período de confinamento para ajudar a explicar a disseminação exponencial do vírus, apesar das condições de mobilidade altamente restritivas implementadas.

Estudo envolveu analise de riscos e eficácia de medidas

O estudo, realizado em toda a Espanha, procurou lançar luz sobre outras possíveis vias de transmissão da doença COVID-19, fatores de risco e a eficácia das medidas de higiene recomendadas pelas autoridades, a fim de detetar pontos críticos de exposição ao vírus e, assim, minimizar sua propagação – não apenas nesta pandemia, mas também para quaisquer eventos futuros que possam comprometer a saúde pública.

Com base numa amostra de 2.086 indivíduos, 41% da população pesquisada tinha idade entre 40 e 54 anos e 44% tinha formação académica ou 32% pós-graduação. Um grupo que apresentou prevalência da doença de 4,7%.

Coabitar com cães aumenta risco de COVID-19

Os resultados mostraram que o risco de sofrer de COVID-19 é 60 vezes maior entre os que coabitam com um paciente COVID-19. Além disso, de todas as variáveis ​​sociodemográficas analisadas, a que teve maior efeito em termos de aumento do risco de contrair a doença foi morar com um cão e levá-lo para passear, ou seja de 78%. Por outro lado ter gatos ou outros animais de estimação não teve efeito significativo na prevalência da doença.

“Os resultados da investigação alertam para o aumento do contágio entre os proprietários de cães, e o motivo dessa maior prevalência ainda não foi elucidado. Tendo em vista a atual escassez de recursos para realizar o diagnóstico da SARS-CoV-2 em humanos, a possibilidade de diagnóstico em cães é extremamente improvável ”, referiu Sánchez González.

Estes resultados apontam para coabitar com cães como um forte fator de risco para infeção por COVID-19, embora mais estudos sejam necessários para determinar se a razão para este aumento acentuado no risco de infeção por SARS-CoV-2 é devido à transmissão entre humanos e cães, ao cão que atua como veículo do vírus, ou ao maior contato com outros veículos do vírus (isto é, objetos ou superfícies onde o vírus está presente). Este último pode ser causado por uma maior exposição ao vírus devido aos comportamentos e hábitos anti-higiénicos dos cães na rua e o seu posterior retorno a casa.

“A nível internacional, existem vários estudos que obtiveram resultados semelhantes aos nossos em relação à infeção pelo Coronavírus em cães, mas é necessário aprofundar o assunto e estabelecer se essa prevalência do vírus entre os donos de cães se deve a um motivo ou outro ”, explicou o investigador da UGR.

Sánchez González advertiu que “no meio de uma pandemia e na ausência de um tratamento ou vacina eficaz, as medidas preventivas de higiene são a única salvação, e essas medidas devem ser aplicadas também aos cães, que, segundo o nosso estudo, parecem aumentar direta ou indiretamente o risco de se contrair o vírus.”

O investigador destacou que “do ponto de vista científico, não há justificação para o fecho de parques infantis para evitar infeções, enquanto parques onde se passeiam cães podem permanecer abertos, quando ali existem inúmeros objetos que podem servir de veículo para SARS-CoV-2. Ao mesmo tempo, não devemos descartar a possibilidade de o vírus ser transmitido por meio de fezes. ”

Desinfeção de produtos adquiridos nos supermercados

Neste estudo, o efeito de certas variáveis ​​- sexo, idade, escolaridade, tipo de residência, tamanho da família, coabitação com crianças ou adolescentes, presença de trabalhadores entre os membros da família, presença de trabalhadores domésticos na casa durante o bloqueio, ou ter qualquer tipo de animal de estimação que não seja um cão – não apresentou significância estatística.

A medida de higiene mais eficaz para ajudar a reduzir a prevalência da doença era desinfetar produtos comprados no mercado na chegada a casa, uma medida que reduziu o risco em 94%. A desinfeção dos produtos mostrou ser mais eficaz do que outras medidas de higiene, como o uso de máscaras, luvas, desinfeção com álcool ou água, desinfeção de sapatos e lavagem de roupas no regresso a casa.

Uma maior prevalência da doença também foi detetada entre os que compraram os produtos básicos num supermercado e usaram o serviço de entrega em domicílio, em comparação com aqueles que trouxeram suas compras para casa, o risco aumentou 94% entre o primeiro grupo.

Os riscos de propagação nos transportes públicos

Entre as variáveis ​​de mobilidade estudadas, aquelas com maior efeito em termos de aumento da prevalência do vírus foram o trabalho fora de casa, que aumentou o risco em 76%, e a utilização de transportes públicos (em particular o metropolitano ou rede de elétricos).

Os investigadores destacaram que se trata de um estudo epidemiológico, que não aborda os mecanismos que envolvem o vírus nem estabelece relações causais. Trata-se de um estudo descritivo em que as variáveis ​​selecionadas foram estatisticamente associadas às prevalências.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!