Como é que o coronavírus SARS-CoV-2 infeta as células?

O coronavírus SARS-CoV-2 infeta as células humanas e envolve no processo duas proteínas: proteína “spike” do vírus e a proteína ACE2 que existe no exterior das células. Mas as células do pulmão não possui a proteína ACE2.

0
Como é que o coronavírus SARS-CoV-2 infecta as células?
Como é que o coronavírus SARS-CoV-2 infecta as células? Foto: DR

Os cientistas sabem que o coronavírus SARS-CoV-2 entra nas células e infeta-as, mas não sabem os detalhes moleculares como é feito o processo. Investigadores da Universidade de Uppsala, na Suécia, testaram as previsões bioinformáticas feitas por outro grupo de investigação e identificaram recetores que podem desempenhar um papel importante no processo.

Os resultados do estudo são apresentados na revista Science Signaling e no AAAS Annual Meeting que decorreu esta semana.

A proteína “spike” do SARS-CoV-2 liga-se à proteína ACE2 do lado exterior da célula humana. Esta ligação desencadeia uma série de eventos que levam à invasão da célula pelo vírus. Os detalhes moleculares desse processo permaneceram obscuros, apesar de muitas investigações sobre SARS-CoV-2 e outros coronavírus. Outro problema que intriga os cientistas é que a ACE2 não está presente nas células do pulmão humano. Então pode sugerir que há diferentes participantes envolvidos quando o vírus infeta essas células do pulmão.

Um estudo recente realizado por investigadores da Universidade de Uppsala lança uma nova luz sobre estas questões. O estudo da equipa internacional liderada por Toby Gibson do Laboratório Europeu de Biologia Molecular em Heidelberg previu potenciais interações que poderiam ser importantes para a entrada de SARS-CoV-2 na célula.

Os investigadores da Universidade de Uppsala testaram as previsões bioinformáticas in vitro e puderam mostrar que a ACE2 e o potencial coreceptor integrina beta3 interagem com atores importantes envolvidos na endocitose e autofagia – processos celulares de absorção e eliminação de substâncias. Isso significa que esses processos podem ser sequestrados pelo vírus durante a infeção.

“A equipa de Toby Gibson é líder mundial em termos de análise bioinformática desses tipos de interações e ficamos entusiasmados com o acompanhamento das suas previsões”, disse a investigadora Ylva Ivarsson, que chefiou o estudo da Universidade de Uppsala. “Nossos resultados também os ajudaram a aprimorar as análises. Foi uma decisão fácil se envolver neste projeto, pois o nosso laboratório tem um grande interesse em interações proteína-proteína hospedeiro-patógeno. ”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!