Coronavírus: A conjuntivite pode ser um sintoma de COVID-19

Investigadores alertam que uma conjuntivite pode ser um sintoma de COVID-19 e recomendam que optometristas e oftalmologistas recorram a medidas de prevenção como usar mascaras, óculos e luvas durante o atendimento dos pacientes.

0
Coronavírus: A conjuntivite pode ser um sintoma de COVID-19
Coronavírus: A conjuntivite pode ser um sintoma de COVID-19. Foto: DR

A American Optometric Association e a American Academy of Ophthalmology têm alertado para potenciais problemas dos olhos devido ao coronavírus. O risco para os profissionais de oftalmologia pode dever-se a gotículas respiratórias que infetam principalmente o trato respiratório e a conjuntiva nos olhos. Existe o potencial de transferência de gotículas através do toque nos olhos, nariz ou boca. Os profissionais de oftalmologia podem ser o primeiro contato de muitos pacientes com sintomas leves a mesmo sem sintomas mas que apresentam conjuntivite.

Investigadores da Universidade de Indiana, nos EUA, recomendam, em estudo já publicado, que os profissionais de saúde de oftalmologia procedam a uma análise da situação do paciente no caso de uma conjuntivite, seguindo os seguintes passos:

Perguntar aos pacientes sobre outros sintomas respiratórios.

Perguntar se viajou ou se teve contacto com pessoas que viajaram a partir de 1 de março para regiões com focos de coronavírus, como a China, Coreia do Sul, Japão, Itália e Irão.

Se o paciente tiver conjuntivite, sintomas respiratórios e tiver viajado ou contactos com viajantes de uma região de foco então deve ser notificado imediatamente o pessoal de controlo de infeção da unidade de saúde e as autoridades de saúde.

No atendimento dos pacientes com conjuntivite devem ser usados óculos, luvas e máscaras respiratórias.

Devem ser desinfetadas todas as áreas de contacto do paciente com álcool tradicional (65% a 95%).

Dentro do possível, todo o pessoal deve manter uma distância de seis metros aos pacientes com COVID-19.

Os investigadores Christopher Clark e Dean VanNasdale, autores do estudo, alertam e esclarecem:

A apresentação da conjuntivite é semelhante a outras infeções virais com sintomas de injeção, fotofobia, irritação e secreção aquosa.

Pode haver uma interrupção na cadeia de produtos, incluindo nos meios e diagnóstico e nos medicamentos.

Deve ser considerada a possibilidade de uma triagem de pacientes pelo telefone e para isso a necessidade de ser treinar uma equipa para esse efeito.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!