COVID-19: Terapia com plasma convalescente é segura

Resultados iniciais dos ensaios com plasma convalescente mostram sucesso, com 76% dos pacientes a apresentar melhoras. Os cientistas clínicos do centro médico académico Houston Methodist consideram que a terapia é promissora.

0
Resultados iniciais dos ensaios com plasma convalescente mostram sucesso, com 76% dos pacientes a apresentar melhoras. Os cientistas clínicos do centro médico académico Houston Methodist consideram que a terapia é promissora.
Resultados iniciais dos ensaios com plasma convalescente mostram sucesso, com 76% dos pacientes a apresentar melhoras. Os cientistas clínicos do centro médico académico Houston Methodist consideram que a terapia é promissora. Foto: DR

Os primeiros resultados de ensaios de tratamento com plasma convalescente de doentes com COVID-19 em estado grave mostram que 19 dos 25 pacientes melhoraram com o tratamento e 11 já receberam alta hospitalar. Os dados são do centro médico académico Houston Methodist, EUA, o primeiro centro médico académico a aplicar a terapia com base em plasma de pacientes com COVID-19 recuperados.

Os investigadores verificaram que não os doentes não tiveram efeitos colaterais adversos causados ​​pela transfusão de plasma, e concluíram que o plasma convalescente é uma opção de tratamento segura para pacientes com doença grave de COVID-19. Até o momento, este estudo é o que envolveu maior número de pacientes aos quais foi aplicado o plasma convalescente para a COVID-19.

“Enquanto cientistas clínicos de todo o mundo lutavam para testar novos medicamentos e tratamentos contra o vírus assassino da COVID-19, a terapia com plasma convalescente emergia como potencialmente uma das estratégias mais promissoras”, referiu James M. Musser, presidente do Departamento de Patologia e Medicina Genómica da Houston Methodist.

A abordagem terapêutica remonta pelo menos desde 1918 quando foi usada para combater a gripe espanhola e, mais recentemente, com algum sucesso durante a pandemia de SARS de 2003, a pandemia de influenza H1N1 de 2009 e o surto de Ébola de 2015 na África. Após um estudo no início da pandemia de COVID-19, em que alguns pacientes críticos na China mostraram melhoras, uma equipa interdisciplinar de cientistas clínicos e profissionais de saúde da Metodista de Houston direcionou-se rapidamente para usar a terapia sérica convalescente contra o vírus da COVID-19.

Embora a terapia com plasma convalescente administrada nas linhas de frente do Houston Methodist tenha sido implementada para tratamento de emergência, os autores do estudo reconhecem a importante necessidade de ensaios clínicos controlados para determinar sua eficácia terapêutica.

Atualmente, um estudo controlado randomizado está a ser considerado no centro Houston Methodist, onde também analisam mais de perto variáveis ​​como o momento da transfusão, após o início dos sintomas, o número e o volume de transfusões ajustados para a biometria do paciente, os níveis de anticorpos no plasma do doador e numerosos outros parâmetros necessários para avaliar efetivamente como otimizar a terapia. Isto irá ajudar a resolver algumas questões, incluindo se os pacientes teriam melhores resultados se as transfusões de plasma fossem administradas mais cedo após o início dos sintomas.

Nem todos os recetores de plasma transfundidos até agora no centro Houston Methodist fizeram parte deste primeiro estudo. Desde o final de março, quando os primeiros pacientes foram infundidos com plasma convalescente, o Houston Methodist tratou 74 pacientes com COVID-19 gravemente enfermos, 50 destes receberam alta do hospital e estão a recuperar. Mais de 150 pessoas infetadas com COVID-19 recuperadas doaram o seu plasma, muitas delas continuam a fazê-lo com frequência.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!