Crianças com COVID-19 podem apresentar várias complicações cerebrais

Estudo de investigação liderado pela Universidade de Liverpool concluiu que crianças hospitalizadas com COVID-19 apresentam várias complicações cerebrais e estas têm o potencial de causar incapacidades para toda a vida.

0
Crianças com COVID-19 podem apresentar várias complicações cerebrais
Crianças com COVID-19 podem apresentar várias complicações cerebrais

O risco de uma criança ser hospitalizada devido à COVID-19 é pequeno, no entanto um novo estudo no Reino Unido descobriu que cerca de uma em cada 20 crianças hospitalizadas com COVID-19 desenvolveu complicações cerebrais ou nervosas relacionadas à infeção viral.

Os resultados do estudo já foram publicados no The Lancet Child and Adolescent Health. O estudo, liderado pela Universidade de Liverpool, identifica um amplo espetro de complicações neurológicas em crianças e sugere que elas podem ser mais comuns do que em adultos internados com COVID-19.

Embora os problemas neurológicos tenham sido relatados em crianças com a recém-descrita condição pós-COVID, síndrome multissistémica inflamatória pediátrica temporariamente associada com o SARS-CoV-2, a capacidade da COVID-19 causar uma ampla gama de complicações ao sistema nervoso em crianças foram pouco reconhecidas.

Para resolver este baixo reconhecimento, o CoroNerve Studies Group, uma colaboração entre as universidades de Liverpool, Newcastle, Southampton e UCL, desenvolveu um sistema de notificação em tempo real em todo o Reino Unido em parceria com a British Pediatric Neurology Association.

Entre abril de 2020 e janeiro de 2021 foram identificados 52 casos de crianças menores de 18 anos com complicações neurológicas entre 1.334 crianças hospitalizadas com COVID-19, o que dá uma prevalência estimada de 3,8%. O que se compara a uma prevalência estimada de 0,9% em adultos internados com COVID-19.

Oito crianças, correspondendo a 15%, com características neurológicas não apresentavam sintomas de COVID-19, embora o vírus tenha sido detetado por PCR, o que ressalta a importância da triagem do vírus em crianças com distúrbios neurológicos agudos.

Pela primeira vez, o estudo identificou diferenças importantes entre aqueles com síndrome multissistémica inflamatória pediátrica e aqueles com complicações neurológicas não síndrome multissistémica inflamatória pediátrica. As 25 crianças ou seja 48% com diagnóstico de síndrome multissistémica inflamatória pediátrica exibiram múltiplas características neurológicas, incluindo encefalopatia, acidente vascular cerebral, mudança de comportamento e alucinações. Estas crianças eram mais propensos a necessitar de cuidados intensivos.

Por outro lado, as 27 crianças sem síndrome multissistémica inflamatória pediátrica, ou seja 52%, tinham um distúrbio neurológico primário, como convulsões prolongadas, encefalite (inflamação cerebral), síndrome de Guillain-Barré e psicose. Em quase metade desses casos, este foi um distúrbio neuroimune pós-infecioso reconhecido, em comparação com apenas uma criança no grupo síndrome multissistémica inflamatória pediátrica, sugerindo que diferentes mecanismos imunológicos estão em ação.

Os resultados de curto prazo foram aparentemente bons em dois terços, ou 65%, embora um terço, ou 33%, tivesse algum grau de deficiência e uma criança morreu no momento do acompanhamento. No entanto, os impactos no cérebro em desenvolvimento e as consequências de longo prazo ainda não são conhecidos.

O primeiro autor do estudo, Stephen Ray, investigador clínico da Wellcome Trust e pediatra da Universidade de Liverpool, disse: “O risco de uma criança ser admitida no hospital devido à COVID-19 é pequeno, mas entre as crianças hospitalizadas, complicações cerebrais e nervosas ocorrem em quase 4%”.

O investigador acrescentou: “O estudo nacional confirma que crianças com a nova síndrome hiperinflamatória pós-infeção com síndrome multissistémica inflamatória pediátrica podem ter problemas cerebrais e nervosos; mas também foi identificado um amplo espetro de distúrbios neurológicos em crianças devido a COVID-19 que não tiveram síndrome multissistémica inflamatória pediátrica. Muitas vezes, eram devido à resposta imunológica da criança após a infeção por COVID-19.”

A coautora sénior Rachel Kneen, uma consultora neurologista pediátrica da Alder Hey Children’s NHS Foundation Trust, da Universidade de Liverpool referiu: “Muitas das crianças identificadas não estavam bem. Embora tivessem um baixo risco de morte, metade precisava de suporte de cuidados intensivos e um terço tinha deficiência neurológica identificada. Muitas receberam medicamentos e tratamentos complexos, muitas vezes destinados a controlar seu próprio sistema imunológico. Precisamos acompanhar essas crianças para entender o impacto a longo prazo. ”

Outro dos autores do estudo, Benedict Michael, um cientista clínico sénior e membro do MRC na Universidade de Liverpool, disse: “Agora, apreciamos a capacidade do COVID-19 de causar uma ampla gama de complicações cerebrais em crianças hospitalizadas com esta doença, com o potencial de causar incapacidades para toda a vida, precisamos desesperadamente de pesquisas para compreender os mecanismos imunológicos que impulsionam isso. Mais importante, como identificamos as crianças em risco e como devemos tratá-las para evitar lesões cerebrais duradouras? Estamos muito satisfeitos que o governo do Reino Unido financiou nosso estudo COVID-CNS para entender exatamente essas questões para que possamos ajudar a informar os médicos para melhor reconhecer e tratar essas crianças.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!