Crianças com sintomas gastrointestinais devem ser testadas à COVID-19

Estudo realizado no Reino Unido mostra que as crianças infetadas com novo coronavírus apresentaram na maioria dos casos sintomas gastrointestinais (como diarreia e vómitos). Sintomas gastrointestinais devem ser um critério para teste.

0
Crianças com sintomas gastrointestinais devem ser testadas à COVID-19
Crianças com sintomas gastrointestinais devem ser testadas à COVID-19. Foto:Queen's University Belfas

Estudo realizado no Reino Unido designado ‘Soroprevalência da infecção por SARS-Cov-2 em crianças saudáveis‘, permitiu medir os anticorpos em mais de 1.000 crianças da Irlanda do Norte, Escócia, Inglaterra e País de Gales, conhecidas como ‘COVID Warriors’.

Os resultados do estudo liderado pela Queen’s University Belfast, em parceria com a Belfast Health and Social Care Trust da Irlanda do Norte, já foram publicados como uma pré-impressão no servidor medRxiv.

O estudo, que começou em maio e está em andamento, tem como objetivo avaliar o número de crianças que tiveram COVID-19, a sintomatologia da infeção e se essas crianças têm anticorpos que possam ser capazes de combater a infeção.

No estudo os investigadores mediram os anticorpos COVID-19 nas crianças com recurso a exames de sangue no início do estudo, e com testes adicionais planeados para dois e seis meses, e já descobriram que após a primeira onda da pandemia, 7% das crianças deram positivas para anticorpos, indicando infeção anterior com COVID-19.

Das crianças envolvidas no estudo metade com COVID-19 não relatou sintomas, e os sintomas gastrointestinais (como diarreia e vómitos) foram mais comuns que tosse ou alterações no olfato ou paladar das crianças, o que pode ter implicações para os critérios de teste usado para crianças.

As descobertas também mostraram que crianças com menos de 10 anos de idade tinham a mesma probabilidade de ter evidências de infeção anterior do que crianças mais velhas, e que crianças assintomáticas tinham a mesma probabilidade de desenvolver anticorpos como as crianças sintomáticas.

Tom Waterfield, investigador do Instituto Wellcome-Wolfson de Medicina Experimental da Queen’s University Belfast e líder do estudo, referiu: “Após a primeira onda da pandemia no Reino Unido, descobrimos que metade das crianças participantes neste estudo são assintomáticas com infeção por SARS-CoV-2 e as com sintomas normalmente não apresentam tosse ou alterações no cheiro / paladar, mas a perturbação gastrointestinal era o sintoma muito mais comum.

“Este estudo mostrou que podemos considerar refinar os critérios de teste para crianças para incluir sintomas gastrointestinais”, acrescentou o investigador.

A Divisão de investigação e Desenvolvimento de Saúde e Assistência Social da Agência de Saúde Pública do Reino Unido desempenha um papel contínuo no apoio à realização de investigações em saúde e assistência social de alta qualidade e forneceu financiamento para apoiar a entrega deste importante estudo.

Ian Young, Conselheiro Científico e Diretor de Investigação e Desenvolvimento do HSC referiu: “Os estudos de investigação são vitais neste momento e, graças aos esforços como o estudo COVID Warriors, agora sabemos mais sobre a COVID-19 em termos de exposição de crianças no Reino Unido ao vírus SARS-CoV-2 desde o início da pandemia. Estas descobertas significativas podem agora ser exploradas mais à medida que esta investigação continua a monitorar a transmissão na comunidade em crianças, para ajudar a combater a disseminação da COVID-19. ”

O estudo é financiado pelo HSC R&D Division, Public Health Agency, The Belfast Health and Social Care Trust e também é subsidiado por uma doação da Queen’s Foundation. Um estudo a ser realizado em parceria com o Belfast Health and Social Care Trust, a Ulster Independent Clinic, o NHS Glasgow e Greater Clyde, o Manchester University NHS Foundation Trust e o Cardiff e o Vale University Health Board.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!