Crianças e adultos produzem diferentes anticorpos em resposta ao coronavírus

Investigadores descobriram que as crianças e os adultos produzem tipos e quantidades de anticorpos diferentes em resposta ao coronavírus SARS-CoV-2. Isto pode justificar porque a maioria das crianças elimina mais facilmente o vírus do corpo.

0
Crianças e adultos produzem diferentes anticorpos em resposta ao coronavírus
Crianças e adultos produzem diferentes anticorpos em resposta ao coronavírus

As crianças e os adultos produzem diferentes tipos e quantidades de anticorpos em resposta à infeção com o novo coronavírus, o SARS-CoV-2, concluiu um novo estudo de investigadores da Faculdade de Médicos e Cirurgiões da Universidade Columbia Vagelos, EUA.

As diferenças nos anticorpos sugerem que o curso da infeção e da resposta imune ao novo coronavírus é diferente nas crianças o que pode justificar porque a maioria das crianças elimina facilmente o vírus dos seus corpos.

“O nosso estudo fornece um exame aprofundado dos anticorpos SARS-CoV-2 em crianças, revelando um forte contraste com os adultos”, esclareceu a imunologista Donna Farber, da Universidade de Columbia.

“Nas crianças, o curso infecioso é muito mais curto e provavelmente não tão disseminado como em adultos”, acrescentou Matteo Porotto, do Departamento de Pediatria de Columbia, que em conjunto com Donna Farber liderou a investigação. “As crianças podem eliminar este vírus de forma mais eficiente do que os adultos e podem não precisar de uma forte resposta imunológica de anticorpos para se livrarem do vírus”.

Crianças menos afetadas pelo SARS-CoV-2

Uma das manifestações marcantes da pandemia COVID-19 é que a maioria das crianças enfrenta bem o vírus, enquanto os mais velhos lutam muitas vezes com muita dificuldade e com consequências graves.

“Esta é uma nova infeção para todos”, referiu diz Donna Farber, “mas as crianças estão adaptadas de forma única para ver os patógenos pela primeira vez. É para isso que o seu sistema imunológico foi projetado. As crianças têm muitas células T capazes de reconhecer todos os tipos de novos patógenos, enquanto as pessoas mais velhas dependem mais das memórias imunológicas. Não somos tão capazes de responder a um novo patógeno como as crianças.”

Crianças com menos Anticorpos Neutralizantes SARS-CoV-2

O estudo que envolveu crianças e adultos infetados com COVID-19 permitiu concluir que em comparação com os adultos, as crianças produziram menos anticorpos contra a proteína spike do vírus – que o vírus usa para infetar células humanas. Os anticorpos das crianças tiveram uma menor atividade neutralizante, enquanto todos os adultos, incluindo adultos jovens na casa dos 20 anos, produziram anticorpos neutralizantes. Os adultos mais doentes tiveram a atividade mais neutralizante.

Embora possa parecer contraintuitivo que os pacientes mais doentes produzam anticorpos com a maior atividade neutralizante, Donna Farber referiu que isso provavelmente reflete a quantidade de tempo que o vírus está presente nos pacientes mais doentes.

“Há uma conexão entre a grandeza da resposta imunológica e a grandeza da infeção: quanto mais grave a infeção, mais robusta a resposta imunológica, porque são necessárias mais células imunológicas e reações imunológicas para eliminar uma dose mais elevada de um patógeno.”

Outras diferenças de anticorpos mostram que as infecções infantis são limitadas

Em contraste com os adultos, as crianças também produziram poucos anticorpos contra uma proteína viral que só é visível para o sistema imunológico depois que o vírus infeta células humanas. O que “sugere que, em crianças, a infeção não se espalha muito e não mata muitas das células”, referiu Donna Farber.

“Como as crianças eliminam o vírus de forma natural e rapidamente, elas não apresentam uma infeção generalizada e não precisam de uma resposta forte de anticorpos”, disse Matteo Porotto.

O curso reduzido da infeção em crianças pode significar que elas ficam infeciosas por um período mais curto em comparação com os adultos e, portanto, menos propensas a espalhar o vírus, embora os investigadores não tenham medido a carga viral nas crianças.

“Estudos atuais noutros países indicam que crianças em idade escolar não são vetores para o novo coronavírus, então nossos dados são consistentes com essas descobertas”, Donna Farber.

As crianças podem vir a responder bem à vacina

As respostas de anticorpos encontradas em crianças não sugerem que as crianças terão uma resposta mais fraca a uma vacina, dizem os investigadores. As vacinas em desenvolvimento para o SARS-CoV-2 contêm fragmentos do vírus e não imitam a via normal de infeção.

“Mesmo que as crianças não produzam anticorpos neutralizantes em resposta a uma infeção natural com SARS-CoV-2, as vacinas são projetadas para gerar uma resposta imune protetora na ausência de uma infeção”, esclareceu Donna Farber. “As crianças respondem muito bem às vacinas e acho que desenvolverão boas respostas de anticorpos neutralizantes à vacina SARS-CoV-2, e provavelmente estarão mais protegidas do que os adultos.”

O que falta ao sistema imunológico adulto?

Embora as descobertas sugiram que o curso da infeção em crianças e adultos é diferente, ainda não se sabe como as crianças são capazes de eliminar o vírus mais facilmente – e o que falta ao sistema imunológico adulto.

Donna Farber, Matteo Porotto e outros investigadores da Universidade Columbia estão agora a procurar diferenças na resposta das células T (os anticorpos que são produzidos pelas células B do sistema imunológico), especialmente as células T que residem no pulmão. Tendo em conta que investigações anteriores do laboratório de Farber mostraram que essas células T “que ficam em casa” são mais importantes no combate às infeções pulmonares do que as células T que viajam pelo corpo através da corrente sanguínea”.

As crianças infetadas com SARS-CoV-2 também podem gerar uma resposta mais forte do sistema imunológico inato, que implanta interferon e células macrófagos para atacar indiscriminadamente células infetadas por patógenos. Estudos anteriores sugerem que a resposta imune inata pode ser retardada em adultos infetados com SARS-CoV-2.

“Se a resposta inata for realmente forte, isso pode reduzir a carga viral nos pulmões, e os anticorpos e células T da resposta adaptativa têm menos para limpar”, esclareceu Donna Farber.

Também é possível que o vírus seja menos capaz de infetar as células das crianças, possivelmente porque as células das crianças expressam menos proteínas de que o vírus precisa para infetar as células humanas.

Os investigadores da Universidade Columbia estão agora a testar essas possibilidades com células de crianças e adultos.

“Ainda existem todas essas questões sobre as quais temos muito poucas informações”, referiu Porotto. “A interação entre o vírus e o hospedeiro é a razão pela qual vemos tanta diversidade nas respostas a esse vírus, mas não entendemos ainda o suficiente sobre ele para determinar realmente o que leva a doenças graves e o que leva a doenças leves.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!