Dietas à base de plantas promovem envelhecimento saudável

Adoção de uma dieta baseada em plantas pode ajudar a promover um envelhecimento saudável e atenuar a carga global de doenças. A investigação mostra uma grande diminuição de taxa risco de doenças crónicas e aumento de tempo de vida.

0
Dietas à base de plantas promovem envelhecimento saudável
Dietas à base de plantas promovem envelhecimento saudável. Foto: © Rosa Pinto

Investigadores do Physicians Committee for Responsible Medicine, EUA, reviram ensaios clínicos e estudos epidemiológicos relacionados ao envelhecimento, e descobriram que, embora o envelhecimento aumente o risco de doenças crónicas não transmissíveis, as dietas saudáveis ​​podem ajudar a diminuir esse risco.

Os investigadores indicam, em estudo publicado na “Journal of the American College of Nutrition”, que as dietas à base de plantas podem reduzir o risco de doenças como diabetes tipo 2, cancro e doenças cardíacas em quase 50% e reduzir a metade as mortes relacionadas a doenças cardiometabólicas.

“Modular os fatores de risco para o estilo de vida e adotar uma dieta saudável são ferramentas poderosas que podem atrasar o processo de envelhecimento, diminuir as comorbidades e mortalidade associadas à idade e aumentar a expectativa de vida”, escrevem os investigadores.

Os autores do estudo citam estudos que mostram que as dietas à base de plantas ricas, frutas, vegetais, grãos e legumes:

Reduzem o risco de desenvolver síndrome metabólica e diabetes tipo 2 em cerca de 50%.

Reduzem o risco de eventos de doença cardíaca coronária em cerca de 40%.

Reduzem o risco de eventos de doenças vasculares cerebrais em 29%.

Reduzem o risco de desenvolver a doença de Alzheimer em mais de 50%.

Pode reduzir o risco de doenças cognitivas como a doença de Alzheimer em quase 50%.

Os investigadores também indicam que as dietas à base de plantas estão ligadas ao aumento da expectativa de vida, como é evidenciado pelas “Zonas Azuis” do mundo, onde as populações subsistem principalmente de alimentos à base de plantas, ricos em fitoquímicos e antioxidantes, associados à maior expectativa de vida.

“A população global de adultos com 60 anos ou mais deve duplicar de 841 milhões para 2 mil milhões até 2050, apresentando desafios claros para o nosso sistema de saúde”, referiu a autora do estudo, Hana Kahleova, diretora de investigação clínica do Physicians Committee for Responsible Medicine. “Felizmente, mudanças simples na dieta podem ajudar bastante as populações a levar uma vida mais longa e saudável”.

Os autores do estudo também indicam que essas melhorias na saúde reduzirão os custos com assistência médica causados ​​por doenças crónicas. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, dos EUA, as doenças crónicas relacionadas ao estilo de vida são a principal causa de morte e de incapacidade.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!