Estudo conclui que a COVID-19 não é transmitida pelo leite materno

Investigação mostra que o novo coronavírus não se multiplica no leite materno indicando que a amamentação das crianças é segura. Investigadores estudam a possibilidade do leite de mães infetadas conter componentes antivirais ativos.

0
Estudo conclui que a COVID-19 não é transmitida pelo leite materno
Estudo conclui que a COVID-19 não é transmitida pelo leite materno. Christina Chambers e Grace Aldrovandi coautoras principais do estudo. Fotos: UC San Diego Health Sciences e UCLA

À medida que o novo coronavírus continua a propagar-se pelo mundo, e com o surgir de casos de crianças em idade de amamentação infetadas com o vírus, têm vindo a levantarem-se preocupações nas mães que amamentam.

Até ao momento parece não haver qualquer caso documentado de criança que tenha contraído a COVID-19 em resultado de consumir leite materno infetado. Mas a questão crítica é saber se há potencial para haver uma transmissão do novo coronavírus através do leite materno. Investigadores da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, em San Diego, e da Universidade da Califórnia em Los Angeles, EUA, foram à procura da resposta.

O estudo desenvolvido pelos investigadores e já publicado, em 19 de agosto de 2020, na edição online da JAMA, examinou 64 amostras de leite materno recolhidas pelo Biorrepositório da Mommy’s Milk Human Milk Research de 18 mulheres, nos Estados Unidos, infetadas com o coronavírus SARS-CoV-2. Embora uma amostra de leite tenha dado positivo para RNA viral, os investigadores verificaram nos testes subsequentes que o vírus não consegue replicar-se e, portanto, é incapaz de causar infeção na criança amamentada.

“A deteção de RNA viral no leite não é sinónimo de infeção. Pois o vírus precisa crescer e multiplicar-se para ser infecioso e não encontramos isso em nenhuma das amostras”, referiu Christina Chambers, da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia e co-investigadora principal do estudo. A investigadora acrescentou: “As nossas descobertas sugerem que o leite materno em si não é uma fonte de infeção para o bebé”.

Os investigadores lembram que as recomendações atuais para prevenir a transmissão durante a amamentação são a higiene das mãos e a esterilização de equipamentos de bombeamento após cada uso.

“Na ausência de dados, algumas mulheres infetadas com SARS-CoV-2 optaram por simplesmente não amamentar”, referiu Grace Aldrovandi, da David Geffen School of Medicine na UC Los Angeles e coautora principal do estudo. A investigadora acrescentou: “Esperamos que nossos resultados e estudos futuros deem às mulheres a garantia necessária para amamentar. O leite humano oferece benefícios inestimáveis ​​para a mãe e para o bebé. ”

Importância da amamentação

A amamentação precoce está associada a um risco reduzido de síndrome de morte súbita infantil e obesidade em crianças, bem como a melhoria da saúde imunológica e desempenho em testes de inteligência. Nas mães, a amamentação tem sido associada a riscos menores de cancro da mama e ovário, doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2.

Os investigadores também imitaram as condições do processo de pasteurização do Holder, comumente usado em bancos de leite de doadores humanos, adicionando SARS-CoV-2 a amostras de leite materno de dois doadores diferentes que não foram infetados. As amostras foram aquecidas a 62,5 °C durante 30 minutos e depois arrefecidas a 4 ° C. Após a pasteurização, o vírus infecioso não foi detetado em nenhuma das amostras.

“Esta é uma descoberta muito positiva para o leite de doadores, no qual tantos bebés, especialmente os prematuros, dependem”, referiu Christina Chambers. “As nossas descobertas preenchem algumas lacunas importantes, mas são necessários mais estudos com maior número de amostras para confirmar estas descobertas.”

Mais estudos

Christina Chambers referiu que o trabalho futuro não vai apenas verificar se o leite materno está livre do vírus, mas também se contém componentes antivirais ativos. Por exemplo, anticorpos para SARS-CoV-2 que as mulheres podem produzir após a exposição ao vírus e, em seguida, transferir para seus filhos através do leite materno, protegendo-os do COVID-19.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!