Exposição a redes 5G tem riscos desconhecidos para a saúde

Riscos para a saúde da exposição a redes 5G ainda são desconhecidos, mas os atuais níveis de exposição parecem trazer “muito poucos ou nenhum risco” de efeitos adversos para a saúde, refere estudo de revisão científica recentemente publicado.

0
Exposição a redes 5G tem riscos desconhecidos para a saúde
Exposição a redes 5G tem riscos desconhecidos para a saúde. Foto: © Rosa Pinto

Recentes relatórios, disponíveis online, alertam para terríveis consequências para a saúde das novas redes de quinta geração (5G). Os especialistas analisaram os relatórios e concluíram que, dentro dos limites atuais de exposição, parece haver pouco ou nenhum risco de efeitos adversos para a saúde relacionados com a exposição à radiofrequência (RF) dos sistemas 5G.

As conclusões do estudo de revisão estão na edição de junho da Health Physics, jornal oficial da Health Physics Society.

A declaração do Comité Man and Radiation (COMAR) do Instituto de Engenheiros Eletrotécnicos e Eletrónicos (IEEE) refere que são reconhecidas lacunas na literatura científica, particularmente para exposições em frequências de ondas milimétricas.

Para os especialistas “a probabilidade de riscos para a saúde, ainda desconhecidos, em níveis de exposição, está dentro dos limites atuais”, podendo os riscos serem muito baixos, se existirem.

O COMAR, presidido por Richard A. Tell, é uma organização composta por médicos, biólogos, epidemiologistas, engenheiros e cientistas físicos especialistas em questões de saúde e segurança relacionadas a campos eletromagnéticos que trabalham voluntariamente e em conjunto, e sobre consenso.

Redes 5G com exposição acima dos limites de segurança atuais

A declaração de Comité procura combater o aumento de mensagens alarmantes sobre os misteriosos efeitos para a saúde pela tecnologia 5G. “A desinformação, juntamente com sites ativistas que expressam consequências ainda mais ameaçadoras do 5G – desde a indução do cancro até a responsabilidade pela atual pandemia de coronavírus – criou uma ansiedade pública substancial e desnecessária”, comentou Jerrold T. Bushberg, da Faculdade de Medicina Davis da Universidade da Califórnia e Vice-Presidente do COMAR.

Os sistemas de quinta geração estão a expandir-se por todo o mundo para dar resposta à crescente procura por conectividade sem fios. A nova tecnologia pode transmitir quantidades muito maiores de dados em velocidades muito mais altas, em comparação com os sistemas 2G a 4G anteriores. Isso ocorre em parte porque o 5G usa uma maior largura de banda disponível em frequências mais altas, incluindo a chamada banda de ondas milimétricas. A expansão do 5G “produzirá uma presença mais onipresente de ondas milimétricas no ambiente”, refere o relatório.

Como as ondas milimétricas não penetram na folhagem e nos materiais de construção, bem como nos sinais de baixa frequência, muitos transmissores de “células pequenas” de menor potência serão necessários para fornecer uma cobertura interna eficaz. Alguns sistemas 5G terão antenas de “formação de feixe” que transmitem sinais para utilizadores individuais à medida que se movimentam, o que significa que os não utilizadores terão menos exposição.

O aquecimento do tecido é o principal efeito prejudicial potencial da exposição aos campos de RF. A maioria dos países, incluindo os Estados Unidos, adotou limites de exposição semelhantes aos recomendados pelas normas recentes (2019) publicadas pelo Comité Internacional de Segurança Eletromagnética (ICES) do IEEE ou pela Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não-Ionizante (ICNIRP ).

As diretrizes procuram evitar efeitos nocivos estabelecendo limites de exposição muito abaixo do limite em que se espera que ocorram efeitos adversos à saúde humana. Esses padrões permitem apenas baixos níveis de exposição pública à RF, para os quais a energia é depositada na forma de aquecimento térmico.

A declaração do COMAR fornece perspetivas para abordar preocupações sobre possíveis efeitos na saúde da exposição ao 5G:

Ao contrário dos campos de frequência mais baixa, as ondas milimétricas não penetram além da camada externa da pele – e, portanto, não produzem aquecimento dos tecidos mais profundos.

É improvável que a introdução do 5G altere os níveis gerais de exposição à RF. Como atualmente, a maior parte da exposição deve-se principalmente ao ” “uplink” do próprio telefone celular ou de outros dispositivos – e não da transmissão a partir de estações base.

Em quase todos os locais acessíveis ao público, as exposições de RF das estações base celulares, incluindo as estações 5G, permanecerão pequenas – uma fração dos atuais limites de exposição IEEE ou da Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não-Ionizante.

“’Enquanto’ as exposições permanecem abaixo dos níveis estabelecidas, os resultados da investigação, até o momento, não determinam que os efeitos adversos à saúde estejam associados às exposições à RF, incluindo aos sistemas 5G”, refere a declaração do COMAR. O Comité reconhece limitações das evidências atuais sobre possíveis efeitos à saúde e segurança da exposição ao 5G e identifica áreas-chave para futuras investigações, incluindo estudos de alta qualidade dos efeitos biológicos das ondas milimétricas.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!