Gatos podem ser infetados com novo coronavírus e transmitir a outros gatos

Estudo de investigação confirma que os gatos podem ser infetados com o novo coronavírus pelos humanos e que podem infetar outros gatos. Os cientistas indicam que os donos dos gatos devem zelar para não infetar os animais.

0
Gatos podem ser infetados com novo coronavírus e transmitir a outros gatos
Gatos podem ser infetados com novo coronavírus e transmitir a outros gatos. Foto: © Rosa Pinto

Cientistas nos EUA e no Japão concluem, em estudo publicado hoje, 13 de maio de 2020, no New England Journal of Medicine, que os gatos podem ser facilmente infetados com o novo coronavirus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, e podem transmitir o vírus a outros gatos.

Yoshihiro Kawaoka, professor de Ciências Patobiológicas da Escola de Medicina Veterinária da Universidade de Wisconsin (UW), liderou o estudo, no qual investigadores administraram a três gatos coronavírus isolados de um paciente humano. No dia seguinte, os investigadores, recorrendo a zaragatoas recolheram dos orifícios nasais dos gatos amostras onde foi detetado o vírus em dois dos animais, e ao fim de três dias, todos os gatos deram positivo aos testes, ou seja, todos tinham o vírus.

No dia seguinte os investigadores colocaram outro gato em cada uma das gaiolas dos três gatos infetados e não administraram o vírus SARS-CoV-2 a esses gatos. Todos os dias os investigadores usaram cotonetes nasais e retais nos seis gatos para avaliar a presença do vírus. Ao fim de dois dias, um dos gatos estava sem o vírus em teste de zaragatoa nasal, e seis dias depois, todos os gatos tinham eliminado o vírus. Nenhuma das zaragatoas retais continha vírus.

Cada gato eliminou o SARS-CoV-2 das passagens nasais no prazo de seis dias. O vírus não foi letal e nenhum dos gatos mostrou sinais de doença. Todos os gatos ficaram livres do vírus. “Esta foi uma descoberta importante – os gatos não apresentavam sintomas”, referiu o investigador.

Os resultados sugerem que os gatos podem ser infetados pelo vírus quando expostos a pessoas ou a outros gatos positivos ao SARS-CoV-2. Outro estudo publicado na revista Science por cientistas da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas também mostrou que os gatos e furões podem ser infetados e potencialmente transmitir o vírus. Sabe-se que o vírus é transmitido em humanos através do contacto com gotículas respiratórias e saliva.

“É algo que as pessoas devem ter em mente”, referiu Peter Halfmann, investigador da UW-Madison que ajudou a liderar o estudo. “Se as pessoas estão em quarentena em casa e estão preocupados com a propagação da COVID-19 para filhos e cônjuges, também devem preocupar-se com a transmissão aos seus animais.”

Ambos os investigadores aconselham que pessoas com sintomas da COVID-19 evitem o contacto com gatos. Eles também aconselham os proprietários de gatos a manter os animais de estimação em ambientes fechados, a fim de limitar o contacto dos gatos com outras pessoas e animais.

Yoshihiro Kawaoka manifestou que está preocupado com o bem-estar dos animais, mas a Organização Mundial da Saúde Animal e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) referem que “não há justificação para tomar medidas contra animais de companhia que possam comprometer o seu bem-estar”.

Os seres humanos continuam a ser o maior risco para outros seres humanos na transmissão do vírus. Não há evidências de que os gatos transmitam prontamente o vírus aos seres humanos, nem existem casos documentados nos quais os seres humanos adoeceram com a COVID-19 devido a contacto com os gatos.

No entanto, existem casos confirmados de gatos infetados por causa do contato próximo com humanos infetados pelo vírus, e vários gatos no zoológico do Bronx também deram positivo ao teste ao vírus.

O Departamento de Agricultura dos EUA anunciou em 22 de abril, que dois gatos em duas casas particulares no estado de Nova Iorque apresentaram resultado positivo à COVID-19. Um estava numa casa com uma pessoa com um caso confirmado da doença viral. Os gatos mostraram sinais leves de doença respiratória e esperava-se uma recuperação completa.

Outros gatos também deram positivo à COVID-19 após contacto próximo com donos, referiu Sandra Newbury, diretora do Programa de Medicina UW – Madison.

“As organizações de bem-estar animal estão a trabalhar muito nesta crise para manter o vínculo humano-animal e manter os animais de estimação com o povo”, referiu Newbury. “É um momento de stress para todos, e agora, mais do que nunca, as pessoas precisam do conforto e apoio que os animais de estimação fornecem.”

Sandra Newbury trabalhou com o CDC e a Associação Americana de Medicina Veterinária para desenvolver recomendações para abrigos de animais potencialmente expostos, o que podem fazer enquanto os donos estão hospitalizados ou, de outra forma, incapazes de prestar assistência devido à sua doença. O estudo UW-Madison ajudou a confirmar experimentalmente que os gatos podem ser infetados, embora o risco de infeção natural da exposição ao SARS-CoV-2 pareça ser bastante baixo, referiu Newbury. Dos 22 animais que o programa testou, nenhum teve testes positivos de reação em cadeia da polimerase para o vírus, acrescentou.

“Os gatos têm muito mais hipóteses de adquirir a COVID-19 de uma pessoa do que a pessoa de um gato”, referiu Keith Poulsen, diretor do Laboratório de Diagnóstico Veterinário de Wisconsin, que recomenda que os donos conversem primeiro com os veterinários sobre manter os animais testados. Os testes devem ser direcionados a populações de gatos e outras espécies que se mostrem suscetíveis ao vírus e à transmissão do vírus.

Então, o que os donos de animais devem fazer?

Ruthanne Chun, reitora de assuntos clínicos da UW Veterinary Care, faz as seguintes recomendações:

Se o seu animal de estimação mora dentro de casa com a pessoa e não está em contato com nenhum indivíduo positivo da COVID-19, é seguro acariciar, abraçar e interagir com ele.

Se a pessoa é positivo à COVID-19, deve limitar as interações com os animais de estimação para protegê-los da exposição ao vírus.

“Como sempre, os donos de animais devem incluir animais de estimação e outros animais no seu planeamento de preparação para emergências, incluindo manter alimentos e medicamentos”, referiu a investigadora. “Também devem ser feitos preparativos para cuidar dos animais, caso haja necessidade de ficar em quarentena ou hospitalizado devido a doença.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!