Identificados 21 medicamentos que podem tratar a COVID-19

Equipa global de cientista identifica 21 medicamentos que podem vir a ser usados no tratamento da COVID-19. A clofazimina, hanfangchin A, apilimod e o ONO 5334 representam as melhores opções de curto prazo para o tratamento eficaz à COVID-19.

0
Identificados 21 medicamentos que podem tratar a COVID-19
Identificados 21 medicamentos que podem tratar a COVID-19. Sumit Chanda, Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute. Foto: Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute

Uma equipa global de cientistas liderada por Sumit Chanda, do Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute, identificou 21 medicamentos que impedem a replicação do coronavirus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19.

Os cientistas analisaram uma das maiores coleções mundiais de medicamentos conhecidos pela capacidade de bloquear a replicação do SARS-CoV-2 e relataram 100 moléculas com atividade antiviral confirmada em testes de laboratório. Destes medicamentos, 21 foram considerados eficazes em concentrações que podem ser ministradas com segurança em pacientes.

A equipa de Sumit Chanda descobriu que quatro dos compostos funcionam sinergicamente com o remdesivir, um tratamento padrão atual para a COVID-19. “O remdesivir provou ser bem-sucedido em reduzir o tempo de recuperação de pacientes no hospital, mas o medicamento não funciona para todos que o recebem. Isto não é bom o suficiente ”, referiu o investigador, que é diretor do Programa de Imunidade e Patogénese da Sanford Burnham Prebys e autor sénior do estudo.

“Como as taxas de infeção continuam a aumentar na América e no mundo, permanece a urgência de encontrar medicamentos acessíveis, eficazes e prontamente disponíveis que possam complementar o uso do remdesivir, bem como medicamentos que possam ser administrados profilaticamente ou ao primeiro sinal de infeção em ambulatório”, indicou Sumit Chanda.

Testes com os medicamentos

No estudo, a equipa de investigação realizou extensos testes e estudos de validação, incluindo a avaliação de medicamentos em biópsias de pulmão humano que foram infetadas pelo vírus, avaliação de medicamentos em busca de sinergias com o remdesivir e estabelecimento de relações dose-resposta entre os medicamentos e a atividade antiviral.

Dos 21 medicamentos que foram eficazes no bloqueio da replicação viral, os cientistas descobriram:

treze medicamentos já entraram em ensaios clínicos para outras indicações e são eficazes em concentrações ou doses que podem ser ministradas com segurança em pacientes com COVID-19;

dois medicamentos já foram aprovados pela Agência Norte-americana de Medicamentos, a FDA, que são o astemizol (indicado para alergias) e a clofazamina (indicado para a lepra), bem como o remdesivir receberam a Autorização de Uso de Emergência da FDA para a COVID-19;

quatro trabalharam sinergicamente com o remdesivir, incluindo o derivado da cloroquina hanfangchin A, a tetrandrina, um medicamento antimalárico que atingiu os ensaios clínicos da Fase 3.

“Este estudo expande significativamente as possíveis opções terapêuticas para pacientes com COVID-19, especialmente porque muitas das moléculas já possuem dados de segurança clínica em humanos”, referiu Sumit Chanda. O estudo publicado na revista “Nature” “fornece à comunidade científica um arsenal maior de potenciais armas que podem ajudar no combate à pandemia global”.

Os investigadores estão atualmente a testar todos os 21 compostos em modelos de pequenos animais e “mini pulmões”, ou organoides do pulmão, que imitam o tecido humano. Se esses estudos forem favoráveis, a equipa abordará a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para discutir um (s) ensaio (s) clínico (s) avaliando os medicamentos como tratamentos para a COVID-19.

“Com base na nossa análise atual, a clofazimina, hanfangchin A, apilimod e ONO 5334 representam as melhores opções de curto prazo para um tratamento eficaz à COVID-19”, referiu Sumit Chanda. “Enquanto alguns destes medicamentos estão atualmente em testes clínicos para a COVID-19, acreditamos que é importante procurar candidatos a medicamentos adicionais, para que tenhamos várias opções terapêuticas se o SARS-CoV-2 se tornar resistente a medicamentos”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!