Imunoterapia para glioblastoma tem ganhos de sobrevivência

Pequenos ensaios de fase um, usando uma terapia combinada de vacina de células dendríticas com temozolomida, no combate ao glioblastoma, mostraram que o tempo de sobrevivência dos doentes aumentou significativamente.

0
1
Partilhas
Imagens de cérebro com glioblastoma
Imagens de cérebro com glioblastoma © Clinical Cancer Research/American Association for Cancer Research

Um estudo de fase um envolvendo 11 pacientes com glioblastoma, receberam injeções de uma vacina terapêutica em investigação e uma quimioterapia já aprovada, a temozolomida, mostrou que a combinação da terapia foi bem tolerada, e mostrou também resultados inesperadamente de aumentos significativos de sobrevivência, indicam investigadores autores do estudo do Duke Cancer Institute.

Os doentes tratados com uma dose intensiva de temozolomida e vacinas foram continuamente monitorizados quanto à toxicidade e a eventos adversos. No estudo com temozolomida os pacientes experimentaram efeitos secundários conhecidos, incluindo náuseas, linfopenia, trombocitopenia e fadiga.

Não houve limitação de tratamento por eventos adversos e não ocorreu qualquer evento adverso relacionado com a vacina celular, apenas um doente desenvolveu uma reação alérgica de grau 3 relacionada com a componente GM-CSF da vacina. O doente foi capaz de continuar as vacinações com a remoção do GM-CSF e não teve eventos adversos subsequentes.

O estudo envolveu um pequeno número de pacientes com glioblastoma e não projetado para avaliar a eficácia da abordagem terapêutica, no entanto, quatro dos 11 pacientes do estudo sobreviveram mais de cinco anos após o tratamento com uma combinação de vacina e o fármaco de quimioterapia de primeira linha para o glioblastoma. O resultado é incomum para o glioblastoma, um tumor cerebral letal que tem uma sobrevivência média de quase 15 meses quando tratado com a atual terapêutica padrão.

“Este é um pequeno estudo, mas é numa sequência de ensaios clínicos que realizamos para explorar o uso de uma imunoterapia que visa especificamente uma proteína sobre tumores glioblastoma “, referiu Kristen Batich, do Duke Cancer Institute, e principal autor do estudo publicado online, em 14 de abril, na revista ‘Clinical Cancer Research’. “Embora não seja um estudo de eficácia controlada, os resultados de sobrevivência foram surpreendentes, e eles sugerem a possibilidade de que combinar a vacina com um regime mais intenso desta quimioterapia promover um forte benefício cooperativo”.

Kristen Batich e os outros investigadores envolvidos no estudo com os 11 pacientes, incluindo John Sampson, presidente do Departamento de Neurocirurgia do Duke Cancer Institute, testaram a segurança da utilização de um regime intensivo de temozolomida, juntamente com uma terapia com uma vacina de célula dendrítica que seletivamente atinge uma proteína de citomegalovírus (CMV). As proteínas CMV são abundantes nos tumores de glioblastoma, mas estão ausentes nas células circundantes do cérebro.

Em ensaios clínicos anteriores, os investigadores usaram a vacina de células dendríticas para ensinar as células T a atacar células tumorais, e resultados sugeriram que essas vacinas poderiam ser melhoradas quando preparadas para um reforço do sistema imunológico. Um estudo clínico separado descobriu que as doses mais elevadas do que a dose padrão de temozolomida, combinadas com um fator imunoestimulante, também estimularam o sistema imunológico e aumentaram a resposta de um alvo de vacina diferente.

Os investigadores usaram uma combinação da terapia com vacina de célula dendrítica como fator imunoestimulante, que foi administrado como injeções após regimes intensificados por dose de temozolomida. Os 11 pacientes receberam pelo menos seis tratamentos vacinais.

Kristen Batich explicou que a “estratégia foi capitalizar a deficiência imunológica causada pelo regime temozolomida”, e que “parece contraintuitivo, mas quando os linfócitos do paciente estão esgotados, é na verdade um ótimo momento para introduzir a terapia vacinal, basicamente dá ordens do sistema imunológico para montar recursos para atacar o tumor”.

O investigador referiu que a abordagem diminuiu significativamente a progressão dos tumores dos pacientes. Tipicamente, os tumores de glioblastoma começam a regredir após o tratamento padrão numa média de oito meses, mas para os participantes do estudo, a recorrência ocorreu numa em média aos 25 meses.

“Esses resultados são surpreendentemente promissores”, referiu John Sampson. “No entanto, é importante salientar que se tratou de um estudo muito pequeno” e que é necessário apoiar com um estudo mais aprofundado usando a mesma abordagem em maiores ensaios clínicos controlados”. A equipe de investigação recebeu a aprovação para lançar um novo estudo que irá comparar a dose padrão de temozolomida versus o regime de dose intensificada juntamente com a vacina em pacientes com glioblastoma.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

wpDiscuz