Infeção por COVID-19 leve ou assintomática pode dar imunidade até quatro meses

Estudo de investigação encontrou evidências de imunidade protetora do novo coronavírus em pessoas até quatro meses após terem estado com COVID-19 leve ou assintomático.

0
Infeção por COVID-19 leve ou assintomática pode dar imunidade até quatro meses
Infeção por COVID-19 leve ou assintomática pode dar imunidade até quatro meses

Uma equipa de investigadores do Queen Mary, Imperial College London e University College London, realizou um estudo, publicado na Science Immunology, que analisou respostas de anticorpos e células T em 136 profissionais de saúde de Londres que tiveram infeção por COVID-19 leve ou assintomática desde março de 2020.

Os investigadores descobriram que 89% dos profissionais de saúde analisados ​​possuíam anticorpos neutralizantes ainda 16 a 18 semanas após a infeção por COVID-19, e verificaram que a maioria também tinha células T capazes de reconhecer várias partes diferentes do coronavírus, no entanto, também verificaram que as duas respostas nem sempre persistiram em harmonia, com alguns indivíduos apresentando imunidade às células T, mas nenhuma não encontraram evidência de anticorpos, e vice-versa.

Joseph Gibbons, investigador no Queen Mary, referiu: “O estudo de infeção de SARS-CoV-2 em profissionais de saúde de hospitais de Londres revela que quatro meses após a infeção, cerca de 90 por cento dos indivíduos têm anticorpos que bloqueiam o vírus. Ainda mais encorajador, em 66 por cento dos profissionais de saúde vemos que os níveis desses anticorpos protetores são altos e que esta resposta robusta de anticorpos é complementada por células T que vemos a reagir a várias partes do vírus.”

O investigador acrescentou: “Esta é uma boa notícia. Isto significa que, se foi infetado, há uma boa probabilidade de ter desenvolvido anticorpos e células T que podem fornecer alguma proteção em contacto novamente com o vírus.”

Desde o início da pandemia, cientistas de todo o mundo têm trabalhado para entender como nosso sistema imunológico nos protege contra a SARS-CoV-2 e por quanto tempo essa proteção dura.

Muito desse debate em torno da imunidade protetora concentrou-se nos diferentes papéis das células B, que produzem anticorpos, e das células T, células brancas do sangue que atuam de várias diferentes maneiras para ajudar na proteção contra vírus, incluindo a morte direta.

Neste estudo, os investigadores mostram que, embora as respostas de anticorpos protetores sejam geralmente complementadas por uma resposta de células T, mais da metade dos profissionais de saúde tiveram respostas de anticorpos e células T incompatíveis e não produziram uma resposta de células T específica para proteínas encontradas na camada exterior do vírus SARS-CoV-2.

Os investigadores também descobriram que as respostas das células T tendiam a ser maiores nas pessoas com os sintomas clássicos que definem a infeção por COVID-19, enquanto na infeção assintomática resultou numa imunidade das células T mais fraca do que a infeção sintomática, com respostas de anticorpos neutralizantes equivalentes.

 

Compreender como essa cuidadosa coreografia de respostas imunes funciona em pessoas com infeção leve ou assintomática é particularmente importante, pois eles representam o maior grupo infetado.

O novo estudo também fornece garantias para os esforços de vacinação, sugerindo que mesmo após uma infeção leve, os indivíduos carregam imunidade de anticorpos e células T para muitas partes do vírus, conhecidas como epítopos. Embora novas variantes estejam a aparecer, as mudanças no vírus não ocorrem necessariamente dentro desses epítopos, portanto, espera-se que a grande maioria do reconhecimento imunológico possa provavelmente continuar imperturbada.

Corinna Pade, cientista no Queen Mary, disse: “O nosso estudo em casos assintomáticos e leves dá uma visão positiva sobre a durabilidade da imunidade ao SARS-CoV-2 após quatro meses de infeção. Um número notável de cerca de 90% dos indivíduos possui uma força conjunta de fortes anticorpos que impedem a entrada do vírus, juntamente com as respostas das células T a várias partes do vírus para interferir na sobrevivência. Esta é uma descoberta importante, já que casos leves ou mesmo assintomáticos de COVID-19 são muito comuns e representativos da maioria das infeções na comunidade. Estas muitas respostas imunes também dão esperança para a eficácia duradoura das vacinas.”

Áine McKnight, Blizard Institute em Queen Mary, acrescentou: “Finalmente, aqui está a evidência de anticorpos duradouros e imunidade de células T ao SARS-CoV-2 que muitos estavam esperando. O Queen Mary desempenhou um papel único ao possibilitar este estudo num momento em que muitos laboratórios estavam a fechar no início da pandemia. O nosso laboratório permaneceu ativo e fez observações científicas fundamentais que contribuíram para este estudo. Continuamos a apoiar o esforço científico contra a COVID-19 trabalhando com outras universidades de Londres, NHS Health Trusts e Public Health England para ajudar a controlar a pandemia.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!