Investigadores alertam: respirar e falar propagam a COVID-19

Estudo de investigação conclui que a ação de respirar e falar propaga o coronavírus. Pessoas infetadas assintomáticas quando falam emitem aerossóis com coronavírus que permanecem no ar durante horas e propagam-se a grandes distâncias com potencial infecioso.

0
Investigadores alertam: respirar e falar propagam a COVID-19
Investigadores alertam: respirar e falar propagam a COVID-19

O conhecimento atual sobre o papel dos aerossóis na transmissão do coronavírus SARS-CoV-2 merece atenção urgente. As orientações atuais e as informações de saúde pública mudaram lentamente o foco para os aerossóis como uma via de transmissão – predominantemente associada à respiração e à fala de indivíduos assintomáticos. O fornecimento de diretrizes para proteção suficiente à inalação será importante para conter a propagação do COVID-19.

O estudo, “Consideração da transmissão de aerossóis para COVID-19 e saúde pública”, publicado na Risk Analysis Journal da Society for Risk Analysis, EUA, fornece várias linhas de evidência para a transmissão de aerossóis, além de recomendações para novas investigações e comunicação em saúde pública.

Até a presente data, os principais métodos de transmissão que têm merecido preocupação foram a transmissão em campo próximo, como tosse e espirro, e o transporte direto através do toque em superfícies infetadas. Mas o estudo aponta que se deve prestar mais atenção à inalação de aerossóis, que são pequenas partículas que podem permanecer no ar e capazes de transportar o coronavírus desde pequenas até longas distâncias.

O Comité da Academia Nacional de Ciências sobre Doenças Infeciosas Emergentes e Ameaças à Saúde do Século XXI concluiu, em documento de 1 de abril de 2020, que mesmo com investigações limitadas sobre SARS-CoV-2, “os resultados dos estudos disponíveis são consistentes com a aerossolização de vírus da respiração normal”.

Relatórios referem que indivíduos infetados e assintomáticos infetaram outras pessoas com a COVID-19 o que revelam que atividades como respiração normal, conversação, etc. produzem pequenas gotículas que podem ser transportadas, pois os indivíduos assintomáticos (saudáveis) ​​provavelmente não tossem nem espirram regularmente.

Como as partículas de aerossol produzidas pela fala e pela respiração são muito pequenas, elas permanecem no ar por períodos relativamente longos antes que a gravidade as puxe para o solo. Isso permite que os vírus sejam transportados a grandes distâncias, referem os investigadores.

Um estudo de 2006 da SARS-CoV-1 descobriu que partículas com um diâmetro de 1 a 3 µm permaneciam suspensas no ar quase indefinidamente, partículas com 10 µm de tamanho demoravam 17 minutos e com 20 µm levavam 4 minutos para cair no chão. Um recente estudo de laboratório descobriu que o vírus pode permanecer viável e infecioso em aerossóis durante horas (No estudo os investigadores verificaram que o vírus permaneceu infecioso durante pelo menos três horas) e em superfícies durante dias.

Os investigadores e autores do estudo, Elizabeth L. Anderson, Paul Turnham, John R. Griffin e Chester C. Clarke, Exponent, Inc., propõem que as seguintes recomendações para abordar o transporte de COV-19 por aerossol:

Recolher dados para explorar a concentração, a duração da sobrevivência e as distâncias de transporte do SARS-CoV-2 na forma de aerossol, sob diferentes temperaturas e níveis de humidade.

Explorar as concentrações no ar e o papel dessa concentração em várias partes do trato respiratório na progressão e gravidade da doença.

Investigar o potencial de contaminação por aerossol de edifícios, salas e superfícies para fornecer uma base para protocolos de descontaminação.

Explorar e registar dados para determinar o papel das atividades humanas em aerossóis potencialmente geradores, capazes de transmitir SARS-CoV-2 em espaços fechados e abertos.

Explorar medidas apropriadas para reduzir a exposição por inalação a pequenos aerossóis (<5 µm) dentro de edifícios, salas e superfícies onde os aerossóis possam viajar e se instalar.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!