Medicamento anakinra para artrite pode melhorar pacientes graves de COVID-19

Medicamento anti-inflamatório anakinra usado a artrite reumatoide pode melhorar função respiratória de doentes em condição grave de COVID-19. Os resultados são de um estudo de investigadores da Universidade de Atenas.

0
Medicamento anakinra para artrite pode melhorar pacientes graves de COVID-19
PMedicamento anakinra para artrite pode melhorar pacientes graves de COVID-19. Foto: © Rosa Pinto

Pacientes com condição grave de COVID-19 podem ser beneficiados com o recurso a terapêutica com o medicamento anti-inflamatório anakinra. O medicamento clinicamente aprovado e usado para tratar a artrite reumatoide mostrou melhorar a função respiratória em pacientes com COVID-19.

O estudo publicado na revista Cell Host & Microbe descreve que oito pacientes com uma condição chamada linfo-histiocitose hemofagocítica (LHH) secundária, caracterizada pela superativação do sistema imunológico e falência de órgãos, tratados com anakinra, permitiu verificar que um paciente, que não necessitou de ventilação mecânica, melhorou rapidamente após o início do tratamento e recebeu alta hospitalar 9 dias depois.

Os investidores envolvidos no estudo referem que a terapia não impediu a morte de três em sete pacientes em ventiladores e que não é possível garantir que a terapia melhore as taxas de mortalidade.

Evangelos J. Giamarellos-Bourboulis, professor de medicina interna da Faculdade de Medicina da Universidade de Atenas, referiu que “a administração de anakinra pode ser um tratamento viável em COVID-19 grave com LHHs, e apoia estudos clínicos de maior dimensão para validar este conceito”,

A taxa de mortalidade em pacientes com COVID-19 grave internados em unidades de cuidados intensiva (UCI) é estimada entre 50% e 65%. Pensa-se que as complicações graves do COVID-19 sejam causadas por respostas inflamatórias, principalmente por meio de moléculas sinalizadoras chamadas interleucina 1β (IL-1β) e interleucina 6 (IL-6).

A superprodução de IL-1β pelas células imunológicas chamadas macrófagos pode causar LHHs, também conhecida como síndrome de ativação de macrófagos, caracterizada por baixas contagens de células sanguíneas, coagulação excessiva do sangue, lesão renal e disfunção hepática. Anakinra inibe a sinalização de IL-1β e demonstrou reduzir a mortalidade de pacientes com sinais de (LHH) secundária em 30%.

No estudo, os investigadores testaram se o medicamento anakinra poderia efetivamente tratar pacientes com COVID-19 graves com pneumonia e (LHH) secundária. Sete dos oito pacientes eram do sexo masculino, apresentavam insuficiência respiratória, usavam ventiladores em UCI e apresentavam condições subjacentes graves, como doenças cardíacas e pressão alta.

Os doentes foram tratados com anakinra por via intravenosa 200 mg a cada 8 horas durante 7 dias. Os doentes também receberam tratamento com o medicamento hidroxicloroquina e antibióticos de amplo espectro. Os pesquisadores monitoraram a evolução do doente ao longo de quatro semanas.

O tratamento com Anakinra melhorou a maioria dos doentes e diminuiu os sinais de (LHH) secundária nos pacientes em UCI. Todos os pacientes apresentaram melhora da função respiratória, com um aumento de 15% a 117% na proporção de oxigénio arterial sob pressão parcial e fração de oxigénio inspirado (PaO2 / FiO2), que compara o nível de oxigénio no sangue com a concentração de oxigénio que está a ser respirado. Além disso, seis pacientes precisaram de uma dose mais baixa de medicamentos para aumentar a pressão arterial. Embora três pacientes da UCI tenham morrido, estudos anteriores mostraram que a (LHH) secundária pode levar a taxas de mortalidade acima dos 67%.

A paciente não internada na UCI era uma mulher de 71 anos de idade, internada na Holanda por COVID-19, 2 semanas após o terceiro ciclo de quimioterapia. Esta paciente também estava em tratamento com hidroxicloroquina. Recebeu tratamento com anakinra, 300 mg uma vez ao dia por via intravenosa durante 4 dias, seguido por 100 mg uma vez por dia durante mais 5 dias.

A paciente melhorou no primeiro dia de tratamento com anakinra, mostrando uma necessidade reduzida de oxigénio e uma diminuição nos sinais de (LHH) secundária, e recebeu alta 9 dias após o início do tratamento. Os investigadores indicam que os resultados sugerem que o anakinra pode impedir a progressão da insuficiência respiratória e a necessidade de ventilação mecânica em pacientes com COVID-19 com (LHH) secundária.

“Acreditamos que o medicamento anakinra tem o potencial de melhorar os resultados em pacientes com COVID-19 grave”, referiu George Dimopoulos da Universidade de Atenas, e acrescentou: “São necessários ensaios clínicos de maior dimensão para validar estes resultados e demonstrar a utilidade da terapia anti-IL-1 quando a COVID-19 é complicada pela linfo-histiocitose hemofagocítica secundária”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!