Medicamento interferon-alfa2b acelera recuperação de pacientes com COVID-19

Foi demonstrado, pela primeira vez, que o tratamento com antiviral interferon-α2b melhora a eliminação do coronavírus no trato respiratório superior e diminui os níveis de marcadores inflamatórios em pacientes com COVID-19.

0
Medicamento interferon-α2b acelera recuperação de pacientes com COVID-19
Medicamento interferon-α2b acelera recuperação de pacientes com COVID-19

O tratamento com antivirais como interferons pode melhorar significativamente a eliminação de vírus e reduzir os níveis de proteínas inflamatórias em pacientes com COVID-19, concluiu estudo já publicado na revista Frontiers in Immunology. Os Investigadores confirmaram que o tratamento com interferon (IFN) -α2b reduz significativamente a duração do vírus detetável no trato respiratório superior e os níveis sanguíneos de interleucina (IL) – 6 e a proteína C reativa (PCR), duas proteínas inflamatórias encontradas no corpo humano.

Os resultados do estudo de investigação mostram que o medicamento tem potencial para o desenvolvimento de uma intervenção antiviral eficaz para a COVID-19, a pandemia causada pelo novo coronavírus, SARS-CoV-2.

“Os interferões são a nossa primeira linha de defesa contra todo e qualquer vírus – mas os vírus como os coronavírus evoluíram para bloquear muito especificamente uma resposta de interferon”, referiu Eleanor Fish, do Instituto de Investigação do Hospital Geral de Toronto e do de Departamento de Imunologia da Universidade de Toronto, e acrescentou: “Isto informa-nos da importância dos interferons para a eliminação de infeções por vírus. O tratamento com interferon substituirá os efeitos inibitórios do vírus”.

Eleanor Fish referiu que a equipa de investigação considerou a terapia com IFN-α para a COVID-19 após demonstrar que os interferons tiveram sucesso terapêutico durante o surto de SARS de 2002 e 2003. “A equipa conduziu um estudo clínico em Toronto para avaliar o potencial terapêutico do IFN-α contra SARS. Os nossos resultados foram de que o tratamento com interferon acelerou a resolução de anormalidades pulmonares em pacientes tratados com interferon em comparação com os pacientes não tratados com interferon “.

Neste estudo, os autores examinaram o curso da doença num conjunto de 77 indivíduos com COVID-19 confirmado e internados no Union Hospital, Tongii Medical College, Wuhan, China, entre 16 de janeiro e 20 de fevereiro de 2020. O estudo consistiu em apenas casos moderados de COVID-19, pois nenhum dos pacientes necessitou de terapia intensiva ou intubação com oxigénio. Os pacientes foram tratados com IFN-α2b e arbidol (ARB), que é um antiviral de amplo espectro, ou uma combinação de IFN-α2b mais ARB, e a depuração viral foi definida como dois testes negativos consecutivos para o coronavírus com pelo menos 24 horas de intervalo, de amostras de zaragatoas da garganta.

Os investigadores verificaram que o tratamento com IFN-α2b acelerou a depuração viral em aproximadamente 7 dias. O tratamento com IFN-α2b, isoladamente ou em combinação com ARB, acelerou a depuração viral quando comparado ao tratamento apenas com ARB. O tratamento com IFN também demonstrou reduzir significativamente os níveis circulantes de IL-6 e PCR, isoladamente ou em combinação com o ARB. A influência da idade, comorbidades e sexo não alterou os efeitos do tratamento com IFN em termos de eliminação viral ou na redução das proteínas inflamatórias IL-6 e PCR.

Apesar das limitações do estudo de um conjunto pequeno de doentes no estudo não randomizado, o trabalho fornece várias informações importantes e novidades sobre a doença de COVID-19, notadamente que o tratamento com IFN-α2b acelera a depuração viral do trato respiratório superior e também reduziu biomarcadores inflamatórios circulantes, sugerindo conexões funcionais entre infeção viral e danos nos órgãos terminais do hospedeiro, limitando a resposta inflamatória subsequente nos pulmões dos pacientes.

Eleanor Fish esclareceu: “Em vez de desenvolver um antiviral específico para cada novo surto de vírus, argumentaria que deveríamos considerar os interferons como as primeiras respostas em termos de tratamento. Os interferons foram aprovados para uso clínico e a estratégia poderia ser “redirecioná-los” para infeções agudas graves por vírus”.

Os resultados deste estudo são os primeiros a sugerir a eficácia terapêutica do IFN-α2b como uma intervenção antiviral disponível para a COVID-19, que também pode beneficiar medidas de saúde pública, encurtando a duração da depuração viral e, portanto, diminuindo a maré da pandemia.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!