Medicamento ivabradina pode tratar consequências da COVID-19 de longo prazo

Ensaio clínico da Universidade da Califórnia em San Diego mostrou que a ivabradina, usada para a insuficiência cardíaca, pode ser eficaz no tratamento da síndrome de taquicardia ortostática postural e em consequências da COVID-19 de longo prazo.

0
Medicamento ivabradina pode tratar consequências da COVID-19 de longo prazo
Medicamento ivabradina pode tratar consequências da COVID-19 de longo prazo. Foto: TVEuropa/arquivo

Investigadores da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego, EUA, descobriram que um medicamento usado para a insuficiência cardíaca melhora os sintomas associados à síndrome de taquicardia ortostática postural, conhecida por POTS. Um distúrbio complexo e debilitante que afeta o sistema nervoso autónomo do corpo, causando uma alta frequência cardíaca, geralmente quando a pessoa se levanta.

Dados do estudo publicados no Journal of the American College of Cardiology, edição online de 15 de fevereiro de 2021, referem os efeitos do medicamento ivabradina na frequência cardíaca, qualidade de vida e níveis plasmáticos de norepinefrina em pessoas que vivem com POTS. A norepinefrina é um hormónio do stress e neurotransmissor. No plasma sanguíneo, é usado como uma medida da atividade do sistema nervoso simpático.

Os investigadores referem que os participantes do ensaio clinico experimentaram uma redução na frequência cardíaca, melhora nos sintomas e na qualidade de vida geral um mês após a toma do medicamento ivabradina.

“A ivabradina é um novo agente aprovado pela agência de medicamentos norte-americana – FDA, para insuficiência cardíaca. Mas com base no seu mecanismo, pensamos que poderia ser útil para pacientes com POTS, pois reduz a frequência cardíaca sem afetar a pressão arterial”, disse Pam Taub, cardiologista do Instituto Cardiovascular da Saúde da Universidade da Califórnia em San Diego e professor associado de medicina da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia, em San Diego. “Quando podemos reduzir a frequência cardíaca, estamos a fornecer a esses pacientes a capacidade de se levantar, algo que antes não podiam fazer sem dificuldade devido ao diagnóstico de POTS.”

O estudo envolveu 22 indivíduos com idade média de 32 anos. Cada participante foi selecionado e recrutado em clínicas de cardiologia na Universidade da Califórnia em San Diego de 2018 a 2020.

O estudo utilizou um desenho cruzado randomizado, duplo-cego e controlado por placebo, no qual os pacientes começaram a tomar ivabradina ou um placebo durante um mês. No final do mês, todos os participantes passaram por um período de ausência de medicamentos, em que não tomaram ivabradina nem o placebo durante uma semana. Após o período de sem medicamentos, os participantes que tinham recebido ivabradina mudaram para o placebo e vice-versa durante um mês.

Ao longo de dois meses, os pacientes se reuniram-se com os investigadores em sete consultas clínicas diferentes, em que os níveis de norepinefrina plasmática foram medidos e o teste de inclinação da cabeça para cima foi realizado para observar a frequência cardíaca do paciente quando sentado, deitado ou em pé.

“Antes do estudo, esses pacientes conviviam com frequência cardíaca elevada, variando de 100 a 115 batimentos por minuto quando levantados”, disse Pam Taub. “Depois de tomar ivabradina duas vezes ao dia durante um mês, a frequência cardíaca quando levantados diminuiu significativamente para cerca de 77 batimentos por minuto em comparação com o grupo do placebo.

Os investigadores também observaram que a ivabradina foi bem tolerada sem efeitos colaterais significativos, enquanto outros medicamentos usados para diminuir a frequência cardíaca, como os betabloqueadores, podem causar fadiga e diminuição da pressão arterial.

O cardiologista referiu que o estudo foi o primeiro ensaio clínico randomizado a usar ivabradina para tratar a POTS.

A POTS é normalmente causada por uma infeção viral, trauma, cirurgia ou repouso forçado na cama, e é mais comum entre mulheres jovens que são atletas ou altamente ativas. Atualmente, não há tratamento aprovado para a POTS e a condição pode afetar gravemente a qualidade de vida. Outros sintomas de POTS incluem “confusão mental”, tontura, palpitações, tremores, fraqueza, visão turva e fadiga.

Recentemente, a POTS foi identificada como um potencial sintoma de “longo prazo” da COVID-19.

“Na nossa prática contemporânea, estamos a ver pacientes que foram previamente infetados com COVID-19 a apresentar sintomas consistentes com a POTS”, disse Jonathan Hsu, cardiologista da unidade de saúde da Universidade da Califórnia em San Diego. “Dadas as semelhanças, este estudo levanta a questão de saber se a terapia com ivabradina pode ajudar os pacientes que apresentam sintomas semelhantes após uma infeção por COVID-19 e também fornece uma área importante para futuros estudos”.

Os autores do estudo referiram que esperam que a ivabradina seja considerada como uma possível opção de tratamento para as pessoas com diagnóstico confirmado de POTS. No entanto, os investigadores lembram que atualmente, o medicamento não está aprovado para a doença.

“Semelhante aos pacientes com COVID-19, os pacientes com POTS precisam ser acompanhados cuidadosamente”, disse Pam Taub. “O tratamento para POTS precisa ser personalizado para cada indivíduo e com este medicamento, combinado com terapia de estilo de vida, incluindo exercícios específicos para POTS, esperamos ver mais indivíduos a superar essa condição infeliz.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!