Medicamentos para tratar o cancro da próstata podem tratar a COVID-19

Estão em curso ensaios clínicos de medicamentos, que têm como alvo o recetor de andrógeno, e que controlam o cancro da próstata, para verificar a sua eficácia no tratamento de infeções pelo novo coronavírus. Para tratar a COVID-19.

0
Medicamentos para tratar o cancro da próstata podem tratar a COVID-19
Medicamentos para tratar o cancro da próstata podem tratar a COVID-19. Foto: University of Michigan Rogel Cancer Center

É conhecido que as proteínas ACE2 e a TMPRSS2 ajudam o coronavírus a entrar e a replicar-se dentro das células. Mas Arul Chinnaiyan, que conhece bem a proteína TMPRSS2, descobriu que a TMPRSS2 funde-se com o gene ETS para conduzir mais de metade de todos os cancros de próstata. Uma proteína que é regulada pelo recetor de andrógeno.

O laboratório de Arul Chinnaiyan, após encerrar a investigação sobre o cancro, começou a investigar na primavera de 2020 a ligação da ligação da proteína ao coronavírus e desenvolveu investigação para determinar como a TMPRSS2 era regulamentada nos pulmões.

Os investigadores descobriram que, como no cancro da próstata, a TMPRSS2 é regulada nos pulmões pelo recetor de andrógeno. E verificaram que o bloqueio do recetor de andrógeno levou a uma menor expressão de TMPRSS2, bem como de ACE2, o que levou à diminuição da infeção por coronavírus em ratos e modelos celulares.

“O que é especialmente atraente sobre isso é que os tratamentos anti-andrógenos já estão aprovados pela Agência dos EUA, FDA. Isto abre a porta para olharmos para esses medicamentos, que sabemos que funcionam no cancro da próstata, como potenciais tratamentos COVID-19 ”, referiu Arul Chinnaiyan, diretor do Michigan Center para Translational Pathology, University of Michigan.

Usando linhas de células infetadas com SARS-CoV-2, o vírus que causa COVID-19, os investigadores descobriram que os inibidores do recetor de andrógeno, incluindo a enzalutamida, apalutamida e darolutamida, inibiram a infeção pelo coronavírus.

Os investigadores também testaram uma classe de medicamentos projetados para inibir ou degradar as proteínas BET. A atividade da proteína BET é essencial para a sinalização androgénica e esses medicamentos estão a ser investigados para o cancro da próstata. Em linhas celulares infetadas com coronavírus, os inibidores BET diminuíram a sinalização de andrógenos e inibiram a infeção viral.

Os resultados da investigação publicados no PNAS também fornecem alguma explicação para as observações de que a COVID-19 afeta mais os homens do que as mulheres. Os investigadores examinaram o tecido pulmonar humano e encontraram maior sinalização do recetor de andrógeno em homens do que em mulheres. Eles também descobriram que a sinalização androgénica era mais alta em homens com mais de 70 anos e em fumantes.

“Isto explica por que homens idosos fumadores são mais vulneráveis ​​à infeção pela COVID-19. A alta sinalização do recetor de andrógeno permite que o vírus entre e se replique mais facilmente. Isto pode explicar por que a doença costuma ser particularmente grave em homens mais velhos”, disse Arul Chinnaiyan.

Atualmente estão em curso vários ensaios clínicos a testar inibidores do recetor de andrógeno como um tratamento para a COVID-19, e mais estudos estão a ser desenvolvidos para examinar os inibidores de BET.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!