Medicina personalizada melhora tratamento do cancro do intestino

Investigadores desenvolvem abordagem a "medicina personalizada" para melhorar a qualidade de vida dos pacientes com cancro do intestino. Exames moleculares ao material de biópsia permitem compreender as mudanças genéticas para tratar a doença.

0
Medicina personalizada melhora tratamento do cancro do intestino
Medicina personalizada melhora tratamento do cancro do intestino. © DR

Investigadores da Universidade Queen’s de Belfast demonstraram pela primeira vez como a análise molecular de amostras de biópsias de testes clínicos pode ser usada para ajudar os clínicos a identificar as principais mudanças que ocorrem no tumor do intestino (colorretal) de um paciente antes da cirurgia, para que os clínicos possam entender e tratar a doença.

Esta abordagem à “medicina personalizada” pode, em última instância, melhorar o prognóstico e a qualidade de vida dos pacientes com cancro do intestino, conclui o estudo de investigação já publicado na revista especializada em patologia molecular “Journal of Pathology”, em 19 de março de 2018.

O estudo liderado pela Universidade Queen’s em colaboração com a Universidade de Turim, a Universidade de Oxford, a Universidade de Leeds e vários centros de exames clínicos no Reino Unido, demonstra como a medicina personalizada pode ser usada com sucesso para ajudar a melhorar os resultados dos testes clínicos em curso.

Para os clínicos, identificar quais pacientes com cancro de intestino que são suscetíveis de responder a diferentes tipos de tratamento pode ser particularmente desafiador. Philip Dunne, investigador sénior do Centro de Investigação em Cancro e Biologia Celular da Universidade Queen’s e coautor principal do estudo, explicou: “Há aproximadamente 1,4 milhões de casos de cancro de intestino diagnosticados anualmente em todo o mundo, em que 41 mil casos são diagnosticados por ano no Reino Unido”.

Para os doentes com cancro do intestino “existem várias opções de tratamento disponíveis, mas as taxas de mortalidade permanecem altas, com cancro do intestino a ser a segunda causa mais comum de morte por cancro no Reino Unido.”

O investigador acrescentou: “Para desenvolver melhores tratamentos para cada paciente individualmente, primeiro temos de entender a biologia do tumor dessa pessoa, sendo isso a base da medicina personalizada para o tratamento do cancro.”

“Os avanços nas análises moleculares e genéticas nos últimos 10 anos melhoraram acentuadamente a nossa compreensão biológica do cancro colorretal, mas embora esse aumento de conhecimento ainda não altere significativamente o tratamento padrão. Este estudo destaca como podemos começar a usar o novo conhecimento para identificar a biologia subjacente ao tumor de um paciente individual.”

Matthew Alderdice, primeiro autor do estudo, referiu: “Embora a análise molecular seja rotineiramente realizada em laboratórios de investigação em grandes tumores removidos cirurgicamente, na prática clínica atual, o tecido disponível para a tomada de decisão clínica pode ser apenas o tecido inicial da biópsia de um pequeno tumor”, e “o estudo destaca como uma compreensão precisa das mudanças genéticas que ocorrem dentro deste material de biópsia é crucial para a compreender e tratar a doença”.

Mark Lawler, presidente da Translational Cancer Genomics da Universidade Queen’s, comentou: “Estudos moleculares indicaram que uma abordagem de tratamento independente do tamanho do tumor para o cancro do intestino não é uma opção viável se quisermos enfrentar efetivamente a doença”, e acrescentou: “Nós demonstramos a capacidade dos sistemas de classificação molecular para estratificar os pacientes com base na sua composição molecular numa série de amostras de biópsia colorretal obtidas durante um ensaio clínico de fase II. O objetivo final deste trabalho é permitir que os pacientes tenham um plano de tratamento das doenças mais personalizado com base na biologia específica do tumor. Assim, podemos adaptar o tratamento ao paciente individual, maximizando sua eficácia e minimizando potenciais efeitos colaterais”.

O estudo de investigação faz parte do consórcio Stratification in Cancer Colorectal (S: CORT) liderado pelo investigador Tim Maughan, da Universidade de Oxford e financiado por uma doação do Medical Research Council (MRC) e Cancer Research UK (CRUK), como parte da iniciativa de medicamentos estratificados do MRC.

Tim Maughan, investigador de Oncologia Clínica da Universidade de Oxford e Diretor Principal do Consórcio S: CORT, indicou: “Este trabalho destaca o benefício de uma abordagem ampla no Reino Unido, reunindo diversos conhecimentos dentro do nosso consórcio para impulsionar novas abordagens para melhorar resultados do combate ao cancro do intestino”, e acrescentou: “O nosso consórcio S: CORT está a ganhar novos conhecimentos sobre os fatores-chave que influenciam o desenvolvimento do cancro do intestino e sobre o tratamento, e a usar esse conhecimento para maximizar um melhor tratamento e aumentar qualidade de vida dos pacientes de cancro do intestino”.

Deborah Alsina MBE, diretor executivo da Bowel Cancer UK e Beating Bowel Cancer, a principal instituição de cuidados do cancro do intestino do Reino Unido e parceira da S: CORT, referiu: “Estamos muito satisfeitos por estarmos associado a esta investigação. As nossas recentes lacunas de investigação na iniciativa de cancro colorretal destacaram a necessidade de uma melhor colaboração em investigação. Este é um excelente exemplo da melhor ciência e cuidados clínicos do Reino Unido no cancro intestinal, trabalhando em conjunto para desenvolver abordagens inovadoras para salvar mais vidas”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!