Mova-se mais para ter uma vida mais longa

Usar as escadas, andar de bicicleta ou andar a pé pode bastar para ter uma vida mais longa, diminuindo o risco de morte por causas cardiovasculares. A conclusão é de um grande estudo sobre a aptidão cardiorrespiratória em pessoas saudáveis.

0
Mova-se mais para ter uma vida mais longa
Mova-se mais para ter uma vida mais longa. Foto: © Rosa Pinto

Melhorar a condição física não requer atividades para além dos seus gostos ou capacidades. Esta é a principal mensagem que vem da investigação apresentada no EuroPrevent 2019, em 12 de abril. O maior estudo realizado até agora sobre a aptidão cardiorrespiratória em pessoas saudáveis permitiu concluir que o movimento está fortemente ligado a uma vida mais longa, independentemente da idade, sexo e nível inicial de condicionamento físico.

“As pessoas acham que precisam começar a frequentar um ginásio e praticar exercícios físicos para ficar mais em forma”, referiu Elin Ekblom-Bak, investigadora da Escola Sueca de Desporto e Ciências da Saúde, em Estocolmo. “Mas não é preciso ser tão complicado. Para a maioria das pessoas, ser mais ativo na vida quotidiana é subir as escadas, andar a pé, pedalar para o trabalho”, isto é o suficiente para beneficiar a saúde.

Teste de aptidão cardiorrespiratória

O estudo de investigação envolveu 316.137 adultos com idades entre 18 e os 74 anos que tiveram a sua primeira triagem de saúde ocupacional entre 1995 e 2015 na Suécia. A aptidão cardiorrespiratória foi medida por meio de um teste de ciclo submáximo e expressa em consumo máximo de oxigénio (VO2max) em ml / minuto / kg de peso corporal. Esta é a quantidade máxima de oxigénio que o coração e os pulmões podem fornecer aos músculos durante o exercício. Você pode estimar seu VO2 max usando testes de ciclo submáximo, testes em esteira ou testes de caminhada.

O estudo usou registos nacionais suecos para obter dados sobre mortalidade por todas as causas e eventos cardiovasculares: infarto do miocárdio fatal e não fatal; angina de peito ou acidente vascular cerebral isquémico, durante o período 1995 a 2015.

O risco de mortalidade por todas as causas e eventos cardiovasculares caiu 2,8% e 3,2%, respetivamente, por cada aumento de mililitro no VO2 máx. Os benefícios foram observados nos homens e mulheres, em todas as faixas etárias e em todos os níveis de aptidão. Não houve um patamar de benefício na população total, com alguma variação entre os subgrupos sexo e idade.

“É particularmente importante notar que um aumento na aptidão foi benéfico, independentemente do ponto de partida”, referiu Elin Ekblom-Bak. “Isso sugere que pessoas com níveis mais baixos de aptidão cardiorrespiratória têm mais a ganhar com o aumento de sua forma física”.

O aumento da aptidão deve ser uma prioridade de saúde pública e os médicos devem avaliar a aptidão durante o exame de saúde, referiu Elin Ekblom-Bak. Existem testes simples que podem ser usados.

“A investigação mostrou que os níveis de aptidão na população em geral caíram 10% nos últimos 25 anos” referiu o investigador, e acrescentou: “A falta de aptidão física é tão prejudicial como fumar, como a obesidade e a diabetes, mesmo em adultos saudáveis, mas, ao contrário desses outros fatores de risco, a aptidão não é medida rotineiramente.”

A investigadora estabeleceu um guia indicativo de que por cada mililitro adicional de VO2 max há uma redução média de 3% no risco de mortalidade por todas as causas e eventos cardiovasculares. “Isso é mais motivador do que apenas dizer às pessoas que elas precisam fazer melhor. Pessoas na faixa inferior do VO2 max reduzem ainda mais o risco ou seja, atingem uma redução de 9%, enquanto aquelas na extremidade superior do VO2 máximo vão reduzir o risco em apenas 1%.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!